Grávidas do Bolsa Família receberão repelentes contra o Aedes aegypti » Rede Acontece
Últimas
18-01-2019 » Caso Daniel | Âncora acusado de fake news por família Brittes é chamado a depor 18-01-2019 » Questão de higiene | Tem problema ter lixo na pia ou aumenta risco de bactérias? 18-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 18-01-2019 » Defensora dos animais | Luisa Mell: 'Pode ter mulher agredida onde tem bicho apanhando' 18-01-2019 » Acordo com pai dela | Felipe Neto pagará 'acompanhamento psicológico' a Melody 18-01-2019 » Exclusivo | Funcionária que disparou WhatsApp para Bolsonaro ganha cargo no Planalto 18-01-2019 » Investigação contra Queiroz | Ministro do STF afirma que pedido de Flávio foi 'confissão de culpa' 18-01-2019 » Ex-ministro de Temer | Bolsonaro escolhe general Silva e Luna para ser o diretor-geral de Itaipu 18-01-2019 » Medidas econômicas | Auxílio-reclusão e pensão por morte vão passar por pente-fino; entenda 18-01-2019 » Educação | Governo suspende nomeação de diretor para coordenar Enem 18-01-2019 » Relações com o país vizinho | Bolsonaro cita PT e diz que Brasil tem culpa em crise na Venezuela 18-01-2019 » Atacante do Santos | Fla encaminha acerto com Bruno Henrique por R$ 23 milhões 18-01-2019 » Copa São Paulo | SP bate Cruzeiro nos pênaltis e pega Guarani na semifinal 18-01-2019 » Ex-comandante do Exército | Símbolo de superação, Villas Bôas traz voz moderada ao Planalto 18-01-2019 » Para descobrir o que têm | Pessoas com doenças misteriosas buscam 'detetives' nos EUA 18-01-2019 » Salão de Detroit | Nissan revela que futuro Versa será 'surpreendente como o Kicks'
Publicidade
26 de janeiro de 2016

Grávidas do Bolsa Família receberão repelentes contra o Aedes aegypti

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O governo federal distribuirá gratuitamente repelentes de mosquitos a grávidas que participam do programa Bolsa Família. A ação busca intensificar o combate ao mosquito Aedes aegypti, que transmite a dengue, febre chikungunya e o vírus Zika, responsável pelo aumento dos casos de microcefalia no país. O ministro da Saúde, Marcelo Castro, informou nesta segunda-feira (25) que vai se reunir na quarta-feira (27) com os fabricantes de repelentes para estudar a viabilidade de fornecer a quantidade necessária. Segundo ele, o governo trabalha com o número médio de 400 mil gestantes em todo o país. “Às demais pessoas, recomendamos que usem os repelentes. São produtos seguros, registrados e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e as pessoas podem comprar em farmácias para usar”, afirmou. Marcelo Castro se reuniu com outros ministros e a presidente Dilma Rousseff para discutir ações de exterminação do mosquito. Na sexta-feira (29), a presidente visitará a Sala Nacional de Coordenação e Controle do Plano de Enfrentamento à Microcefalia, em Brasília, de onde conduzirá uma reunião por videoconferências com os governadores, cada um nas respectivas salas estaduais de combate ao mosquito.Em entrevistas a jornalistas na noite desta segunda-feira, ele informou que, para o dia 13 de fevereiro, está sendo planejada uma ação que colocará nas ruas 220 mil homens das Forças Armadas para “visitar casa por casa do Brasil”, distribuindo panfletos e orientando as famílias a participarem da mobilização contra o Aedes aegypti. “Há 30 anos que esse mosquito habita o país e não conseguimos eliminá-lo. Se a sociedade brasileira não chamar a si esta responsabilidade neste momento grave de uma das crises maiores de saúde pública já vivida em qualquer tempo no Brasil, não seremos vitoriosos”, acrescentou Marcelo Castro. De acordo com o ministro, o governo não vai “economizar nada” e fará “tudo que for necessário” no combate ao mosquito, que, segundo ele, é a forma mais eficaz de evitar o vírus Zika. “Acho que houve uma certa contemporização com o mosquito. Agora a situação é completamente diferente. Além da dengue, o mosquito está transmitindo a chikungunya e principalmente a Zika. Precisamos essencialmente da mobilização da sociedade.” No dia 15, Marcelo Castro havia descartado a distribuição de repelentes para todas as grávidas do país. A entrega foi anunciada em dezembro pelo governo, em uma tentativa de conter os casos de microcefalia associados ao vírus Zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. Na oportunidade, o ministro informou que o ministério voltara atrás na estratégia porque os laboratórios brasileiros não tinham capacidade de suprir a demanda de repelentes para distribuição a todas as grávidas do país. Conforme o ministro, seriam definidos novos critérios para a distribuição, mas reconheceu que ministério ainda não sabe a quantidade exata de repelente que pode ser adquirida.


VOLTAR