Apple pede que tribunal anule ordem para desbloquear iPhone » Rede Acontece
Últimas
19-10-2018 » Ao Vivo | Band realiza debate eleitoral em 6 estados e no DF; acompanhe 19-10-2018 » Corrida presidencial | Datafolha: Bolsonaro tem 59%, e Haddad, 41% dos votos válidos 19-10-2018 » Campanha dos presidenciáveis | Pode estar ressentido, diz Haddad de recusa de Ciro 19-10-2018 » Sétimo Guardião vem aí | Realidade é tão terrível que voltei para fantasia, diz Aguinaldo Silva 19-10-2018 » Nega briga política | Marquezine confirma fim de namoro com Neymar: "Decisão dele" 19-10-2018 » Cuidado | Ameaçar a vida e a integridade de alguém nas redes é crime 19-10-2018 » Profissional do game | Longe do futebol, Jean Chera se dedica ao Fifa e jogará Brasileiro 19-10-2018 » 'Lamentável' | Susto e tristeza: como a banda de Roger Waters reagiu às vaias em SP 19-10-2018 » Ainda sem data para começar | Vítimas de pedofilia serão ouvidas em projeto-piloto do Vaticano no Brasil 19-10-2018 » Testemunha relata grito de 'Bolsonaro' | Grupo tenta evitar que travesti seja enterrada como indigente em SP 19-10-2018 » Remédio Vivo | Medicamentos biológicos tratam de câncer a doença viral; entenda 18-10-2018 » Eleições nas redes sociais | Campanha de Bolsonaro notificará empresas e processará Haddad 18-10-2018 » Mais Datafolha nos Estados | No Rio, Witzel tem 61% dos votos válidos 18-10-2018 » Disputa ao Governo de SP | Doria tem 53% e França, 47% dos votos válidos, diz Datafolha 18-10-2018 » Opinião | Justiça não pode duvidar que Ustra foi torturador 18-10-2018 » Caso Bolsonaro seja eleito | Ilan se prepara para deixar BC ao fim do mandato de Temer, segundo fontes
Publicidade
28 de fevereiro de 2016

Apple pede que tribunal anule ordem para desbloquear iPhone

Foto: Conquista Acontece

Foto: Rede Acontece

A Apple apresentou nesta quinta-feira (25) um recurso para anular o pedido de um tribunal federal dos Estados Unidos para que ajude o FBI a desbloquear um iPhone utilizado por um suspeito em um caso de terrorismo. “A Apple respalda firmemente e seguirá respaldando os esforços dos agentes da ordem em sua busca por justiça contra terroristas e outros criminosos”, afirmou a empresa em sua resposta formal à solicitação do tribunal federal. A questão pode ir parar na Suprema Corte. A gigante tecnológica ressaltou, no entanto, que a “ordem sem precedentes” do governo para que a Apple lhe ajude a acessar os dados em um de seus iPhones “não encontra apoio na lei e violaria a Constituição”. O telefone em questão foi utilizado por um dos autores do tiroteio de dezembro do ano passado na cidade californiana de San Bernardino, no qual morreram 14 pessoas e 22 ficaram feridas, em um caso que é investigado como como terrorismo. A juíza federal Sheri Pym ordenou na terça-feira da semana passada que a Apple ajude os agentes do FBI a acessar os dados do telefone. Em sua resposta formal à juíza Pym, a Apple indicou que a ordem da magistrada tem amplas repercussões e infligiriam “um dano significativo às liberdades civis, à sociedade e à segurança nacional”. Segundo a empresa com sede na cidade californiana de Cupertino, as exigências da juíza se antecipam a decisões que deveriam ser deixadas nas mãos da vontade popular expressada através de leis aprovadas pelo Congresso e ratificadas pelo presidente americano. A Apple apresentou sua moção em um tribunal federal da Califórnia um dia antes que vencesse o prazo para apresentar sua resposta formal. O diretor do FBI, James Comey, disse hoje que a tentativa de romper a encriptação do iPhone em um caso de terrorismo não afetará à segurança dos produtos da Apple nem assentará qualquer precedente. Comey, que testemunhou hoje no Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes, comentou que a negociação com Apple para acessar o telefone de um terrorista é “a mais dura” de sua carreira.


VOLTAR