Facebook diz estar 'desapontado' com prisão de vice-presidente em SP » Rede Acontece
Últimas
19-08-2018 » Striptease até de dia | Festa de Barretos tenta vetar sexo ao ar livre em camping 19-08-2018 » "Meus dois esquimós" | Galvão Bueno parabeniza os netos gêmeos nas redes 19-08-2018 » Cachos soltos | Maju muda visual e ganha elogios dos internautas 19-08-2018 » Separados há 20 anos | Aniversário da filha reúne Demi Moore e Bruce Willis 19-08-2018 » Corinthians perde | Loss vê Grêmio mais entrosado e lamenta falta de treino 19-08-2018 » Às 11h | Atlético-PR recebe Fla no maior jogo de 'torcida única' 19-08-2018 » Emagrecimento | Suco de laranja não é vilão e pode ajudar na perda de peso 19-08-2018 » Atriz tem 78 anos | 'Minha doença é não abandonar a cannabis', afirma Maria Gladys 19-08-2018 » Marcelo e Jesus voltam? | Tite telefona para 'esquecidos' e projeta volta até Copa América 19-08-2018 » Proteínas no cérebro protegem | Algumas pessoas podem ser imunes ao Alzheimer, e ciência descobre razão 19-08-2018 » Mentiras que matam gente | Detalhes do 1º caso de repercussão em que notícia falsa tirou uma vida 19-08-2018 » Diva country bota peões para dançar | Com arena de rodeios lotada, Shania Twain levanta Barretos com clássicos 19-08-2018 » Fila para ver mostra polêmica | Queermuseu tem 1º dia com recorde de público, protesto e proibição no RJ 19-08-2018 » O gênio por trás do AliExpress | Como um 'antinerd' tornou o Alibaba uma potência global do comércio 19-08-2018 » Sonho de muita gente | Transformar o hobby em trabalho nem sempre vai deixar você mais feliz 19-08-2018 » Violência no Rio | Vice de Romário é vítima de roubo; suspeitos tinham pistola e fuzil 19-08-2018 » Surpresas e riscos | Catacumba faz das profundezas de Paris quase uma outra cidade 19-08-2018 » Eleições 2018 | Dinastias políticas lançam mais de 60 candidatos 19-08-2018 » Como fica a CLT em 2019 | Conheça propostas dos presidenciáveis para leis do trabalho 19-08-2018 » Momento instável | Vale a pena investir em imóvel agora? Depende do próximo presidente
Publicidade
intersorft centro medico sao gabriel clinica master lab laboratorio
2 de março de 2016

Facebook diz estar ‘desapontado’ com prisão de vice-presidente em SP

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Facebook afirmou em nota, por meio de sua assessoria de imprensa no Brasil, que está desapontado com a prisão do vice-presidente da rede na América Latina, o executivo argentino Diego Jorge Dzodan. Ele foi detido nesta terça-feira (1º) em São Paulo a pedido da Justiça de Sergipe após a rede social descumprir decisão judicial de compartilhar informações trocadas no WhatsApp por suspeitos de tráfico de droga. O Facebook é dono do WhatsApp desde o começo de 2014. “Estamos desapontados com a medida extrema e desproporcional de ter um executivo do Facebook escoltado até a delegacia devido a um caso envolvendo o WhatsApp, que opera separadamente do Facebook. O Facebook sempre esteve e sempre estará disponível para responder às questões que as autoridades brasileiras possam ter”, disse o Facebook, por meio de nota. O executivo foi levado para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, na Zona Oeste da capital paulista no início da tarde, depois de prestar depoimento na Polícia Federal. Advogados já entraram na Justiça com um pedido de habeas corpus. Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Federal, na sede da PF em SP Dzodan respondeu a perguntas encaminhadas pela Justiça de Sergipe, conhecida como carta precatória, e logo foi encaminhado ao CDP Pinheiros. Dzodan estava indo para o trabalho no Itaim Bibi, Zona Sul da capital paulista, quando foi preso. Ele foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) e depois prestou depoimento na Polícia Federal. Os policiais cumpriram mandado de prisão preventiva expedido pelo juiz criminal da comarca de Lagarto, em Sergipe, Marcel Montalvão. Em casos de prisão preventiva, não há prazo para o investigado deixar a prisão. Segundo a Polícia Federal em Sergipe, o representante descumpriu ordens de repassar à Justiça informações armazenadas em serviços do Facebook, “imprescindíveis para produção de provas a serem utilizadas em uma investigação de crime organizado e tráfico de drogas”. Conta no WhatsApp A investigação foi iniciada após uma apreensão de drogas na cidade de Lagarto, a 75 km de Aracaju.O juiz Marcel Montalvão pediu há quatro meses que o Facebook informasse o nome dos usuários de uma conta no WhatsApp em que informações sobre drogas eram trocadas. A empresa não atendeu a Justiça, que aplicou há dois meses multa diária de R$ 50 mil. Como a empresa ainda assim não cumpriu a determinação, o valor foi elevado para R$ 1 milhão há 30 dias. A assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe informou que o juiz está em audiência e que a assessoria dele confirma a existência do processo, mas não iria passar informações, pois corre em segredo de justiça. O Facebook já proíbe que a rede social seja usada para vender drogas. No começo de fevereiro, alterou a política de uso do site e do aplicativo de fotos Instagram para impedir também que os usuários comercializassem armas. Na prática, donos de páginas e perfis já não podiam vender material bélico, mas pequenas microempresas podiam usar a ferramenta de criação de anúncios rápidos para isso. Com a alteração, essa prática foi vetada. A política da rede, no entanto, não se estende ao WhatsApp.


VOLTAR