663 dias: Geddel é político na Lava Jato com mais tempo de prisão preventiva » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 18-08-2019 » Assista aos gols | Bruno Henrique brilha, Diego Alves pega pênaltis, e Fla goleia Vasco por 4 a 1 18-08-2019 » 1 a 1 no Brasileirão | Grêmio empata no fim, e Palmeiras perde vice-liderança; veja gols da partida 18-08-2019 » Texto aprovado na Câmara | Bolsonaro adianta que projeto de lei de abuso de autoridade 'vai ter veto' 18-08-2019 » Argentina | Macri troca ministro da Economia para garantir pacote anticrise 18-08-2019 » Bolsonaro trocou comando | Após interferência, deputados articulam PEC que dá autonomia à PF 18-08-2019 » Em bate-boca com Freixo | Carlos Bolsonaro publica lista de transações suspeitas que inclui irmão 18-08-2019 » Com cargo ameaçado | Delegado da Receita Federal relata interferência de 'forças externas' 18-08-2019 » 2 a 0; veja gols | Apostas de Carille marcam e Corinthians vence Botafogo 18-08-2019 » Mais do Brasileirão | Athletico vence Atlético-MG por 1 a 0 em jogo com apagão; veja gol 18-08-2019 » Tinha 96 anos | Morre o ex-ministro Roberto Gusmão com insuficiência respiratória 18-08-2019 » 'Só quero trabalhar' | Após decisão judicial, Claudia espera um convite da Globo 18-08-2019 » Perdeu para americano | Raphael Assunção é anulado e se distancia de cinturão do UFC 18-08-2019 » Líder da marca | Tudo sobre Kicks, a grande aposta da Nissan no Brasil 18-08-2019 » Para Embaixada dos EUA | Indicação de Eduardo configura nepotismo, diz consultoria do Senado 18-08-2019 » 'Acabei com a masmorra' | Ex-PM condenado por matar mulher dirigiu prisão e agora dá palestra 18-08-2019 » Reportagem mais bizarra que já fiz | De drag queen, João Kléber foi assediado em programa ao vivo 18-08-2019 » Impacto nos mercados | Como turbulência eleitoral afetou os argentinos e 'aproximou' rivais 17-08-2019 » Julianna Sofia | O fantasma do 'shutdown' ronda sempre em agosto 17-08-2019 » Júlio Gomes | Barcelona sem Messi, Barcelona sem nada 17-08-2019 » Josias de Souza | Lei do Abuso se mistura ao cargo na embaixada
Publicidade
4 de julho de 2019

663 dias: Geddel é político na Lava Jato com mais tempo de prisão preventiva

Foto Rede Acontece

Preso desde o dia 8 de setembro de 2017, Geddel Vieira Lima está a pouco mais de 60 dias de completar dois anos no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. O período de 663 atrás das grades faz do ex-ministro baiano o preso da Lava Jato com maior tempo de prisão preventiva entre todos os outros políticos alvos da operação. Isto porque Geddel, diferente dos demais políticos que ficaram presos por mais de um ano na Lava Jato, sequer foi condenado, o que deve acontecer no segundo semestre deste ano. Outro baiano alvo da operação, o ex-deputado Luiz Argôlo foi preso em novembro de 2015 e condenado, sete meses depois, a 11 anos de prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, ficou atrás das grades por dez meses antes de ser condenado a 45 anos de prisão pelo juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro. Ele foi preso em novembro de 2016 e sua condenação saiu em setembro do ano seguinte. Antônio Palocci e José Dirceu ficaram presos por nove meses antes de serem condenados por corrupção e lavagem de dinheiro. Eduardo Cunha e André Vargas esperaram, presos provisoriamente, por cinco meses a condenação. Já o ex-senador Gim Argelo, preso em abril de 2016, foi condenado em primeira instância em outubro do mesmo ano a 19 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e obstrução à investigação. Em janeiro deste ano, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que Geddel Vieira Lima seja condenado a 80 anos de reclusão. Foi no início do ano que a PGR entregou as alegações finais no processo relacionado aos R$ 51 milhões encontrados em malas de dinheiro em um apartamento no bairro da Graça, em Salvador. Em fevereiro, a defesa do ex-ministro entregou as razões finais ao Supremo. No final do último mês de maio, o ministro Edson Fachin, relator da ação, encaminhou os autos para o revisor, Celso de Mello. “A presente Ação Penal encontra-se em condições para julgamento”, anotou Fachin.


VOLTAR