“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”, analisa relator » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 22-09-2019 » Criança baleada no Rio | Ágatha Félix será enterrada hoje; corpo foi liberado com atraso 22-09-2019 » Mensagens vazadas | Lava Jato poupou donos da Odebrecht de medidas duras para fechar delação 22-09-2019 » Economia | Cliente da Caixa tem até hoje para liberar saque do FGTS e receber na sexta 22-09-2019 » Fórmula 1 | Vettel vence GP de Singapura e acaba com jejum na temporada 22-09-2019 » Crossover de porte médio | Avaliação: novo Escape Hybrid é o anti-RAV4 da Ford 22-09-2019 » Conheça a Burgay | Hamburgueria LGBT traz divas pop, pão rosa e muito, muito glitter 22-09-2019 » 'Sou mais forte do que imaginava' | Jogadora de vôlei que teve tumor no coração sonha com Olimpíada 22-09-2019 » Ferreirinha | PM que mentiu em Caso Marielle matou ao menos 2 pessoas a mando de milícia 22-09-2019 » Impacto da lama no Rio Doce | Há 4 anos, Vale ignora 2.000 pessoas afetadas pelo desastre de Mariana 22-09-2019 » Brasileirão | Inter vence a Chapecoense por 1 a 0 e ganha fôlego após vice da Copa do Brasil 22-09-2019 » Oscar da TV | É hoje! Confira todos os indicados ao Emmy 2019 22-09-2019 » Tradição da Assembleia | FHC só abriu ONU uma vez; Lula perdeu duas; Bolsonaro estreia terça 22-09-2019 » Exige cuidado, sim! | 7 erros que jamais devemos cometer ao dirigir carro automático 22-09-2019 » Grana está curta? | Veja dicas de apps que ajudam na organização financeira 22-09-2019 » Prévia do Rock in Rio | SP: Scorpions mostra com quantas baladas se faz um bom show 22-09-2019 » Janio de Freitas | Veremos quem no Supremo está à altura desse nome 22-09-2019 » Nós | Clima: última geração a viver com conforto? 22-09-2019 » Porta 23 | Facebook: dilema com privacidade e portabilidade 22-09-2019 » Samuel Pessôa | Chegou o dia seguinte da Previdência 22-09-2019 » Ruy Castro | Imprevisível: o que acontecerá e se haverá Brasil
Publicidade
7 de janeiro de 2019

“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”, analisa relator

Foto Rede Acontece

“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”. Foi com essa afirmação que o deputado federal Arthur Maia (DEM-BA), relator da proposta enviada pelo Governo Temer, definiu a trajetória da reforma da Previdência no Congresso. Ele se refere ao fato ocorrido em maio de 2017, quando o ex-presidente Michel Temer (MDB) foi acusado pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. A denúncia foi fruto de delação de executivos da JBS e foi acatada posteriormente pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Para Maia, a JBS não causou o prejuízo de mais de R$ 2 bilhões apenas para o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). “Prejuízo maior que a JBS trouxe para o Brasil foi fazer aquela artimanha para atingir o presidente da república e impedir, junto com Janot, a votação da reforma da Previdência”, destacou o parlamentar. Ele conta que, naqueles dias, o governo já contabilizava cerca de 300 votos. Para a sua aprovação, a matéria precisa de, no mínimo, 308 votos, que correspondem a 3/5 dos deputados. “Eu tenho absoluta convicção que a pressa do Janot de publicizar a delação da JBS acertou o presidente da República com uma delação que, inclusive, depois foi anulada, prova cabal de que ela era uma fraude. Naquele momento, seria possível votar a reforma da Previdência, mas a bala de prata que matou a reforma foi a delação fraudada da JBS”, apontou Maia. Sobre o fato do ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, ter afirmado que o governo errou ao não tentar votar a reforma da Previdência mesmo correndo o risco de perder, o deputado discorda. “Eu gosto muito do Marun, a gente trabalhou junto na comissão especial. Depois, o Marun virou secretário geral de governo e ele queria muito, até para dar sequência ao nosso trabalho, aprovar a reforma, mas, francamente, já não havia mais clima naquele momento pós-eleição para votar a reforma. Acho que se fosse votado, perderia”, comentou. O deputado explicou que uma reforma da previdência para alcançar os 308 votos necessita de uma profunda articulação política. Ele disse que é preciso chamar os partidos, conversar e tratar na política, com eventuais concessões nos projetos e a votação de outras matérias que também interessam a outros segmentos e partidos. “Não podemos nos esquecer que a situação da Previdência está como está hoje porque a reforma proposta por Fernando Henrique Cardoso, há 20 anos atrás, perdeu por um voto. Então, não existe uma votação da reforma da Previdência, que é um tema polêmico, com o jogo ganho. É preciso que o governo se dedique à articulação política com muita intensidade para conseguir aprová-la”, ressaltou.


VOLTAR