“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”, analisa relator » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 11-07-2020 » Chantagem com imagens | Trio é indiciado por extorsão contra Alemão após acidente no PR 11-07-2020 » Contra vírus | Empresas lançam máquinas que esterilizam roupas 11-07-2020 » Atriz sumiu em lago | Polícia diz que corpo de Naya Rivera pode nunca ser encontrado 11-07-2020 » Carro capotou | Ex-deputado Alfredo Sirkis morre no Rio em acidente de trânsito 11-07-2020 » Quer escrever livro | Cássia Kis diz ter sido assediada por seu dentista aos 11 anos 11-07-2020 » UFC | Deiveson testa positivo para covid-19 e pode desfalcar 'Ilha da Luta' 11-07-2020 » Têm cargos de direção | Juninho e Leonardo foram além da idolatria no futebol francês 11-07-2020 » Pandemia pelo Brasil | Brasil supera 70 mil óbitos por covid-19; nº de novas mortes cresce em 4 regiões 11-07-2020 » Após denúncia anônima | Irmã de Dias Toffoli é investigada por suspeita de nepotismo no TC-SP 11-07-2020 » Futebol | SBT exibe final do Carioca na quarta; jogo de domingo segue só na FluTV 11-07-2020 » Fraude em compra de respiradores | Promotores encontram fortuna em casa de ex-secretário preso no Rio 11-07-2020 » Aratasaurus | Pesquisadores mostram fóssil de dinossauro encontrado no Ceará 11-07-2020 » Entrou com ação | Brasileira diz ter filha adolescente com príncipe de Mônaco 11-07-2020 » Estudante de medicina | Filha de prefeito na BA recebe R$ 1.200 de auxílio emergencial 11-07-2020 » Meio ambiente | Empresários afirmam a Mourão que desmatamento reduziu investimentos 11-07-2020 » Economia | Senadores cobram negociação para não derrubar veto à desoneração 11-07-2020 » Crise na pandemia | Troco trabalho por comida: sem renda, elas fazem faxina por arroz e feijão 11-07-2020 » Suposta lavagem de dinheiro | Empresário preso já participou de eventos do MBL e teve página banida 11-07-2020 » Stycer - Opinião | Mais solto, Bonner desenvolve a arte de opinar com caretas 11-07-2020 » TikTok | Dança de Miley Cyrus viraliza e ganha versões brasileiras
Publicidade
7 de janeiro de 2019

“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”, analisa relator

Foto Rede Acontece

“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”. Foi com essa afirmação que o deputado federal Arthur Maia (DEM-BA), relator da proposta enviada pelo Governo Temer, definiu a trajetória da reforma da Previdência no Congresso. Ele se refere ao fato ocorrido em maio de 2017, quando o ex-presidente Michel Temer (MDB) foi acusado pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. A denúncia foi fruto de delação de executivos da JBS e foi acatada posteriormente pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Para Maia, a JBS não causou o prejuízo de mais de R$ 2 bilhões apenas para o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). “Prejuízo maior que a JBS trouxe para o Brasil foi fazer aquela artimanha para atingir o presidente da república e impedir, junto com Janot, a votação da reforma da Previdência”, destacou o parlamentar. Ele conta que, naqueles dias, o governo já contabilizava cerca de 300 votos. Para a sua aprovação, a matéria precisa de, no mínimo, 308 votos, que correspondem a 3/5 dos deputados. “Eu tenho absoluta convicção que a pressa do Janot de publicizar a delação da JBS acertou o presidente da República com uma delação que, inclusive, depois foi anulada, prova cabal de que ela era uma fraude. Naquele momento, seria possível votar a reforma da Previdência, mas a bala de prata que matou a reforma foi a delação fraudada da JBS”, apontou Maia. Sobre o fato do ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, ter afirmado que o governo errou ao não tentar votar a reforma da Previdência mesmo correndo o risco de perder, o deputado discorda. “Eu gosto muito do Marun, a gente trabalhou junto na comissão especial. Depois, o Marun virou secretário geral de governo e ele queria muito, até para dar sequência ao nosso trabalho, aprovar a reforma, mas, francamente, já não havia mais clima naquele momento pós-eleição para votar a reforma. Acho que se fosse votado, perderia”, comentou. O deputado explicou que uma reforma da previdência para alcançar os 308 votos necessita de uma profunda articulação política. Ele disse que é preciso chamar os partidos, conversar e tratar na política, com eventuais concessões nos projetos e a votação de outras matérias que também interessam a outros segmentos e partidos. “Não podemos nos esquecer que a situação da Previdência está como está hoje porque a reforma proposta por Fernando Henrique Cardoso, há 20 anos atrás, perdeu por um voto. Então, não existe uma votação da reforma da Previdência, que é um tema polêmico, com o jogo ganho. É preciso que o governo se dedique à articulação política com muita intensidade para conseguir aprová-la”, ressaltou.


VOLTAR