“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”, analisa relator » Rede Acontece
Últimas
26-03-2019 » Novos smartphones | Tira foto da Lua! Huawei lança celular P30 com super zoom 26-03-2019 » Com a mulher | Bolsonaro foi ao cinema de manhã e só iniciou agenda às 11h30 26-03-2019 » Fará participações | TV Gazeta contrata Alckmin para programa de Ronnie Von 26-03-2019 » Valores na CLT | Veja o ranking das folhas de pagamento dos clubes da Série A 26-03-2019 » Amistoso em Praga | Brasil enfrenta a República Tcheca às 16h45; siga o pré jogo 26-03-2019 » PEC da Previdência | Líderes da Câmara anunciam veto a BPC e aposentadoria rural na reforma 26-03-2019 » Mandato vai até setembro | Chefe da Procuradoria Militar faz lobby para suceder Dodge na PGR 26-03-2019 » Mudança na equipe | Carlos Bolsonaro deve perder espaço com troca na comunicação do Planalto 26-03-2019 » Lance no Paulistão | Como polêmica sobre VAR extrapola guerra entre Palmeiras e FPF 26-03-2019 » 'Uma crise atrás da outra' | Derrotas de Moro e dúvida no STF deixa PF em alerta 26-03-2019 » Programa faz 30 anos | Quem é a mulher que comanda as 200 bailarinas do Faustão 26-03-2019 » Coisa Mais Linda, da Netflix | F. Vasconcellos vive vítima de violência em série: 'Me coloquei no lugar dela' 26-03-2019 » Governo: modo de usar | Como 'nova política' de Bolsonaro rejeita articulação e ameaça Previdência 26-03-2019 » Em recuperação judicial | Avianca Brasil decide fechar 21 rotas, 40% do total; veja destinos afetados 26-03-2019 » Ela é dona do jogo | Renata Fan: 'Não testariam homens como me testaram' 26-03-2019 » Pressão dos parceiros | Mulheres contam como transavam sem vontade por violência psicológica 26-03-2019 » Zona de risco em BH | UOL.DOC: Medo de rompimento assombra condomínios de luxo
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
7 de janeiro de 2019

“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”, analisa relator

Foto Rede Acontece

“A bala de prata que matou a reforma da Previdência foi a delação fraudada da JBS”. Foi com essa afirmação que o deputado federal Arthur Maia (DEM-BA), relator da proposta enviada pelo Governo Temer, definiu a trajetória da reforma da Previdência no Congresso. Ele se refere ao fato ocorrido em maio de 2017, quando o ex-presidente Michel Temer (MDB) foi acusado pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. A denúncia foi fruto de delação de executivos da JBS e foi acatada posteriormente pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Para Maia, a JBS não causou o prejuízo de mais de R$ 2 bilhões apenas para o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). “Prejuízo maior que a JBS trouxe para o Brasil foi fazer aquela artimanha para atingir o presidente da república e impedir, junto com Janot, a votação da reforma da Previdência”, destacou o parlamentar. Ele conta que, naqueles dias, o governo já contabilizava cerca de 300 votos. Para a sua aprovação, a matéria precisa de, no mínimo, 308 votos, que correspondem a 3/5 dos deputados. “Eu tenho absoluta convicção que a pressa do Janot de publicizar a delação da JBS acertou o presidente da República com uma delação que, inclusive, depois foi anulada, prova cabal de que ela era uma fraude. Naquele momento, seria possível votar a reforma da Previdência, mas a bala de prata que matou a reforma foi a delação fraudada da JBS”, apontou Maia. Sobre o fato do ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, ter afirmado que o governo errou ao não tentar votar a reforma da Previdência mesmo correndo o risco de perder, o deputado discorda. “Eu gosto muito do Marun, a gente trabalhou junto na comissão especial. Depois, o Marun virou secretário geral de governo e ele queria muito, até para dar sequência ao nosso trabalho, aprovar a reforma, mas, francamente, já não havia mais clima naquele momento pós-eleição para votar a reforma. Acho que se fosse votado, perderia”, comentou. O deputado explicou que uma reforma da previdência para alcançar os 308 votos necessita de uma profunda articulação política. Ele disse que é preciso chamar os partidos, conversar e tratar na política, com eventuais concessões nos projetos e a votação de outras matérias que também interessam a outros segmentos e partidos. “Não podemos nos esquecer que a situação da Previdência está como está hoje porque a reforma proposta por Fernando Henrique Cardoso, há 20 anos atrás, perdeu por um voto. Então, não existe uma votação da reforma da Previdência, que é um tema polêmico, com o jogo ganho. É preciso que o governo se dedique à articulação política com muita intensidade para conseguir aprová-la”, ressaltou.


VOLTAR