Ainda há filas por botijão de gás em nove estados e no DF » Rede Acontece
Últimas
22-02-2019 » Desastre em Brumadinho (MG) | Corpo é achado em almoxarifado, e nº de mortos vai a 176 22-02-2019 » Mudanças na Previdência | Como nova proposta para a reforma da Previdência pode afetar as mulheres 22-02-2019 » Criminalização da homofobia | Quem tem coração vê discriminação a LGBTs, diz Barroso ao votar no STF 22-02-2019 » Módulo Beresheet | Nave privada israelense está a caminho para tentar pouso na Lua 22-02-2019 » Fábrica vai fechar | Papel de Doria não é ser corretor de imóveis da Ford, diz sindicato 22-02-2019 » Por R$ 51 milhões | Palmeiras encaminha venda de Deyverson para time chinês 22-02-2019 » Em São Paulo | Covas decide desativar Minhocão e fazer parque suspenso 22-02-2019 » Custeará VAR | CBF anuncia Supercopa e restringe trocas de técnicos 22-02-2019 » Crise no país vizinho | Bolsonaro mantém envio de ajuda à Venezuela apesar de bloqueio 22-02-2019 » Dificuldades se acumulam no país | Relembre 6 momentos que explicam a crise que assola a Venezuela 22-02-2019 » Paulo Sérgio Pinheiro | Ex-ministro: Discurso violento de líderes cria clima de 'liberou geral' 22-02-2019 » Material enviado a todos franqueados | Escolinha de Ronaldo sugere publicidade infantil e mentir aos pais em guia 22-02-2019 » Investigação do MP e MPF | SP teve pelo menos 60 candidatas laranjas nas eleições de 2018 22-02-2019 » Múltiplas fraturas na face | Mulher espancada por 4 horas no Rio terá alta nesta sexta 21-02-2019 » Caso Del Nero | Palmeiras pode ser rebaixado? Falta de notificação da Fifa alivia clube 21-02-2019 » Carmen Flores não foi eleita | Candidata de Bolsonaro no RS repassou verba pública a filha e neta
Publicidade
13 de junho de 2018

Ainda há filas por botijão de gás em nove estados e no DF

Foto Rede Acontece

A cena é quase inacreditável para quem conhece de perto a realidade do Recife (PE). A capital em que parte da população mais pobre trocou o gás por lenha e carvão por causa de preços altos se depara com filas gigantescas nas portas das revendedoras de botijões.

E a situação não é um problema local. Duas semanas após o fim da paralisação dos caminhoneiros, nove estados e (DF) Distrito Federal ainda enfrentam desabastecimento parcial de gás de cozinha.

Em capitais como Cuiabá, Campo Grande e Brasília, há filas nas portas das revendedoras, lista de espera e botijão ao custo de R$ 150. Também há problemas pontuais em Salvador, João Pessoa, Goiânia e no interior de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Essa “segunda onda” de desabastecimento de gás é resultado do efeito cascata gerado pela paralisação dos caminhoneiros. “Estamos atendendo à demanda normal e à demanda reprimida de dez dias de paralisação. Ficou difícil administrar essa logística, o que mostra o quanto nosso setor é vulnerável”, afirma José Luiz Rocha, presidente da Abragás (Associação Brasileira de Entidades de Classe das Revendas de Gás).

Limitações de armazenamento, explica Rocha, limita os estoques. Eles não durem mais que quatro dias -revendas de pequeno porte, por exemplo, só podem ter 40 botijões em estoque. As limitações são definidas pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) por segurança.

O problema foi agravado pelo fato de os consumidores comprarem uma quantidade maior de botijões por receio de novo desabastecimento. Também há problemas logísticos como a necessidade de troca de botijões entre as fornecedoras. “Na paralisação, a fidelização de clientes deixou de existir. Compravam gás onde conseguiam, e isso aumentou a necessidade da chamada retroca entre as companhias, atrasando a distribuição”, disse Alexandre José Borjali, presidente da Asmirg-BR (Associação Brasileira dos Revendedores de GLP).

O Centro-Oeste é a mais afetado. No Distrito Federal, o problema persistia na tarde desta terça-feira (12). Com consumo médio diário de 20 mil botijões, Brasília ficou cerca de de dez dias sem gás. No Nordestes, há desabastecimento em capitais. Em Salvador, 50% das revendas não têm gás.


VOLTAR