Ainda há filas por botijão de gás em nove estados e no DF » Rede Acontece
Últimas
23-06-2018 » México avança contra a Coreia do Sul e marca segundo gol 23-06-2018 » Atacante polêmico | Com cartões, Neymar ameaça desfalcar seleção brasileira 23-06-2018 » Goleada no Grupo G | Hazard e Lukaku brilham, e Bélgica bate a Tunísia por 5 a 2 23-06-2018 » Lá em Iekaterimburgo... | Na sede mais distante da Copa, Brasil é time só de alguns peruanos 23-06-2018 » 'Acharam que era puta' | Mulheres se rebelam na Copa e rebatem o assédio e o machismo 23-06-2018 » Narrador em alta | Spoiler de novela e 'negros maravilhosos': a Copa de Luis Roberto 23-06-2018 » Escalação em jogo | Tite conversa com Marquinhos e avalia Fernandinho para lateral 23-06-2018 » Destaque da goleada belga | Em português, Lukaku fala sobre ídolo: 'Adriano é maior do que eu' 23-06-2018 » Até tu, treinador? | Tite tem lesão na coxa e anda mancando após tombo que virou meme 23-06-2018 » Milton Leite corta Noriega com grito homofóbico de mexicanos e diverte web 23-06-2018 » Zagueiro do Irã diz que Diego Costa foi imoral e insultou sua mãe e irmã 23-06-2018 » Miranda exalta dificuldade da Copa e fala da situação argentina: 'Dá pena' 23-06-2018 » Suíço recorda: dia mais feliz da vida foi quando ganhou camisa de Ronaldo 23-06-2018 » Goleiro argentino troca mensagens com jornalista após falha: 'Momento duro' 23-06-2018 » Jogo do grupo F, às 15h | Comissão de Tite vai ao jogo da Alemanha, possível adversária 23-06-2018 » Análise | Stycer: Gritaria entre comentaristas da Fox Sports é desrespeitosa 23-06-2018 » Análise | Rizzo: Inocentes ou culpados? O peso de Messi e Neymar 23-06-2018 » Seleção joga quarta-feira | Douglas Costa sofre lesão na coxa e desfalca o Brasil contra a Sérvia 23-06-2018 » Opinião | Perrone: Brasil deixa para o torcedor pacote de preocupações 23-06-2018 » Briga no basquete | Em evidência na Copa, conflito nos Balcãs já rachou 'irmãos' de bola
Publicidade
intersorft centro medico sao gabriel lab laboratorio grafica bandeirante supermercado centrel clinica master
13 de junho de 2018

Ainda há filas por botijão de gás em nove estados e no DF

Foto Rede Acontece

A cena é quase inacreditável para quem conhece de perto a realidade do Recife (PE). A capital em que parte da população mais pobre trocou o gás por lenha e carvão por causa de preços altos se depara com filas gigantescas nas portas das revendedoras de botijões.

E a situação não é um problema local. Duas semanas após o fim da paralisação dos caminhoneiros, nove estados e (DF) Distrito Federal ainda enfrentam desabastecimento parcial de gás de cozinha.

Em capitais como Cuiabá, Campo Grande e Brasília, há filas nas portas das revendedoras, lista de espera e botijão ao custo de R$ 150. Também há problemas pontuais em Salvador, João Pessoa, Goiânia e no interior de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

Essa “segunda onda” de desabastecimento de gás é resultado do efeito cascata gerado pela paralisação dos caminhoneiros. “Estamos atendendo à demanda normal e à demanda reprimida de dez dias de paralisação. Ficou difícil administrar essa logística, o que mostra o quanto nosso setor é vulnerável”, afirma José Luiz Rocha, presidente da Abragás (Associação Brasileira de Entidades de Classe das Revendas de Gás).

Limitações de armazenamento, explica Rocha, limita os estoques. Eles não durem mais que quatro dias -revendas de pequeno porte, por exemplo, só podem ter 40 botijões em estoque. As limitações são definidas pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) por segurança.

O problema foi agravado pelo fato de os consumidores comprarem uma quantidade maior de botijões por receio de novo desabastecimento. Também há problemas logísticos como a necessidade de troca de botijões entre as fornecedoras. “Na paralisação, a fidelização de clientes deixou de existir. Compravam gás onde conseguiam, e isso aumentou a necessidade da chamada retroca entre as companhias, atrasando a distribuição”, disse Alexandre José Borjali, presidente da Asmirg-BR (Associação Brasileira dos Revendedores de GLP).

O Centro-Oeste é a mais afetado. No Distrito Federal, o problema persistia na tarde desta terça-feira (12). Com consumo médio diário de 20 mil botijões, Brasília ficou cerca de de dez dias sem gás. No Nordestes, há desabastecimento em capitais. Em Salvador, 50% das revendas não têm gás.


VOLTAR