Anel de 2.000 anos que pode ter sido de Pôncio Pilatos é identificado » Rede Acontece
Últimas
16-12-2018 » Programa Mais Médicos | Saída de cubanos deixa bairro pobre do Rio sem médicos: Agora, só Jesus 16-12-2018 » Não passe perrengue | Bebidas, remédios, bichos? Veja o que pode trazer do exterior na mala 16-12-2018 » 50 anos de trabalho na Amazônia | 'Perdoei o índio isolado que me flechou no rosto', conta ex-sertanista 16-12-2018 » Alvos da facção em SP | PCC planeja matar deputado da bancada da bala e secretário, diz Gaeco 16-12-2018 » Consumidor é quem ganha | Maior concorrência de fintechs com bancos ajudará juro a cair, diz entidade 16-12-2018 » Novo técnico | Sampaoli cita gringos, brasileiros e pede para Santos 'segurar' saídas 16-12-2018 » Troca de acusações | Jovens pedem comida após sonho frustrado de jogar na Europa 16-12-2018 » 'Nunca tinha apanhado' | Apresentadora lembra de agressões em La Bombonera 16-12-2018 » Questão de identidade | Após saída de Gentil, Globo freia mudanças no Esporte Espetacular 16-12-2018 » Estreia antecipada | Por que Aquaman faz tanto sucesso nos cinemas da China? 16-12-2018 » Citado em relatório do Coaf | Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, PM ganhou bônus por coragem 16-12-2018 » Novo governo | Futuro chanceler diz que Maduro não foi convidado para posse de Bolsonaro 16-12-2018 » UOL esteve na cidade | Em Abadiânia (GO), ninguém fala sobre o caso João de Deus 16-12-2018 » 50 anos do Ato Institucional | Produto do AI-5, DOI-Codi foi símbolo da repressão e da tortura na ditadura 16-12-2018 » Impacto da crise econômica no país | Número de passageiros em voos cai ao patamar do início da década
Publicidade
4 de dezembro de 2018

Anel de 2.000 anos que pode ter sido de Pôncio Pilatos é identificado

Foto Reprodução

Um anel de liga de cobre do século 1º a.C foi encontrado no final da década de 1960 nas ruínas do palácio de Heródio, localizado a 12 km de Jerusalém, no deserto da Judeia.

Contudo, só agora é que pesquisadores conseguiram pistas sobre o dono do ornamento: Pôncio Pilatos, o oficial romano que, segundo o Evangelho, ordenou a morte de Jesus.

De acordo com a Folha, o anel estava entre milhares de artefatos encontrados na escavação, como pedaços de vidro, cacos de cerâmica, pontas de flechas, moedas e outros itens, e foi necessário uma técnica avançada de fotografia para identificar a inscrição, que dizia “de Pilatos”.

Assim, não está descartado que o dono possa ser um servo ou um subalterno do governador romano da província da Judeia.

A língua da inscrição do anel é o grego, que funcionários romanos usavam para se comunicar com os povos do Mediterrâneo oriental. Poderia ter sido usado para correspondência oficial pelo próprio Pilatos e seus funcionários, para gravarem sua marca.

No anel também consta a imagem de uma de ânfora, usada para armazenar vinho ou água, segundo os pesquisadores, que publicaram o trabalho no periódico Israel Exploration Journal.

O estudo diz que é improvável que o anel tenha sido de Pilatos, em parte porque esses anéis simplórios geralmente pertenciam a soldados e oficiais de menor patente. “Nós achamos implausível que um governador tivesse usado um anel tão simples, todo em metal, de liga de cobre e com uma temática judaica”, diz o texto.

“Mas, na prática, temos um anel inscrito com o nome Pilatos e a conexão pessoal apenas clama”, disse Roi Porat, um dos autores. E o nome Pilatos não era comum na região. Durante seu governo, de mais uma década, Pilatos demonstrou hostilidade aos moradores locais e quase provocou duas revoltas.


VOLTAR