Aos gritos de Bolsonaro, Alckmin é vaiado em evento evangélico » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro promete R$ 10 bi à ciência e quer astronauta ministro 23-10-2018 » Após fala de Eduardo | Em carta a Celso de Mello, Bolsonaro diz prestigiar STF 23-10-2018 » Candidato do PT | Duas semanas após 1º turno, Marina Silva declara 'voto crítico' em Haddad 23-10-2018 » Marcado para 24 de outubro | TRF-4 nega pedido de Vaccari para adiar julgamento de Palocci 23-10-2018 » 'Marginais vermelhos' | PT anuncia ações contra Bolsonaro por apologia ao crime após discurso 23-10-2018 » Campeonato Brasileiro | Santos marca no fim e empata com Inter por 2 a 2; assista aos gols 23-10-2018 » Ministério do Trabalho | 2017: Salário médio das mulheres cresce mais que de homens 23-10-2018 » Não é só Remy | Relembre mortos que 'ressuscitaram' do autor de Segundo Sol 23-10-2018 » SUVs | Jeep Renegade mudado e novos rivais: como fica o mercado 23-10-2018 » Personalidade forte | Sassá, F. Melo: futebol evolui, mas jogadores indomáveis resistem 23-10-2018 » Papo com o técnico | Renato Gaúcho: Grêmio pode encarar o Real de igual para igual 23-10-2018 » Desfila na SPFW | 'Tento me posicionar de uma forma mais sutil', diz Camila Queiroz 22-10-2018 » Submundo do marketing político | Como opera o mercado ilegal de santinhos virtuais via WhatsApp 22-10-2018 » Mais votado no 1º turno no AM | Wilson Lima tem respaldo de grupo de comunicação e apoia Bolsonaro 22-10-2018 » Opositor do regime morto na Turquia | As versões dadas pela Arábia Saudita até admitir assassinato de jornalista
Publicidade
27 de setembro de 2018

Aos gritos de Bolsonaro, Alckmin é vaiado em evento evangélico

Foto Reprodução

O candidato do PSDB ao Planalto, Geraldo Alckmin, foi hostilizado no palco de um evento evangélico na manhã desta quinta-feira (27), em São Paulo. O público da Expocristã o vaiou e gritou o nome de seu adversário Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas.

Diante da adversidade, o tucano fez uma fala conciliatória pedindo orações para o país e foi aplaudido ao final. “A única coisa que peço é a oração de vocês para que Deus ilumine a todos os brasileiros e brasileiras. Feliz a nação cujo Deus é o senhor”, declarou.

A hostilidade começou quando quem discursava era o candidato a governador João Doria (PSDB). Diferentemente de outros oradores, que se referiram a Alckmin apenas como ex-governador, Doria cumprimentou “o próximo presidente Geraldo Alckmin”.

Em ambiente simpático ao capitão reformado do Exército, o público reagiu com gritos do nome de Bolsonaro. Quando o tucano subiu ao palco, instantes depois, foi novamente vaiado.

“O que eu vi aqui foi uma plateia bem divida”, disse Alckmin na saída a jornalistas. “É que você tem um pessoal mais ruidoso.”

Aliado de Bolsonaro, o senador Magno Malta (PR-ES) foi ovacionado efusivamente ao subir ao palco dizendo representar o candidato, ainda internado.

Pastor, Malta discursou contra a chamada ideologia de gênero e foi aplaudido ao definir que “a família tradicional é macho e fêmea, ponto”.

Então mencionou o atentado a Bolsonaro, esfaqueado em Juiz de Fora (MG) no dia 6 de setembro.

“Temos um homem esfaqueado em praça pública. Por quê? Só porque falou essas coisas. ‘Não, mas ele incita a violência…’ Mas não tomou um tiro no peito, tomou uma facada. E agora vão proibir faca nos restaurantes? Nos frigoríficos, nos restaurantes? Vamos tirar as facas de dentro de casa?”, discursou.

Encerrou com o slogan da campanha do PSL, “O Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

Doria começou e terminou sua fala com a saudação “a paz de Cristo”. Disse que tem “participado sistematicamente de cultos evangélicos em São Paulo há três anos. Vou porque gosto”.

“Continuem a me convidar, porque eu lá estarei, não na condição de como político, de ex-político, de candidato. Mas de cristão”, pediu.

Emendando na política, Doria incentivou o comparecimento às urnas. “Seja qual for o seu candidato, vote. Vote pelo Brasil.”

Representando o adversário do tucano Márcio França (PSB), a primeira-dama Lúcia França fez um discurso de superação e o poder de Jesus.

O evento foi iniciado com o hino do Brasil e uma oração do apóstolo Estevam Hernandes. Depois das falas políticas, o mestre de cerimônias pediu respeito às diferenças.


VOLTAR