Apenas 10 capitais estão entre as cidades mais desenvolvidas do país » Rede Acontece
Últimas
13-12-2018 » Avaliação dos governos | CNI/Ibope: 75% aprovam primeiras medidas de Bolsonaro para o governo 13-12-2018 » Ex-Corinthians | Fla estuda Rodriguinho decisivo, mas fase no Egito é oposta 13-12-2018 » Final é hoje | Fogo no feno! Relembre as 10 maiores tretas de A Fazenda 10 13-12-2018 » Previsto para 2019 | Será o novo VW Golf? Hatch misterioso é flagrado em testes 13-12-2018 » Distante dos favoritos | Aquaman é resposta a 45 anos de zoação com o herói da DC 13-12-2018 » Estádio alviverde | Empresário de proposta bilionária ao Palmeiras tentou comprar Allianz 13-12-2018 » Decisões da Justiça Eleitoral | TSE arquiva ação contra Bolsonaro em caso envolvendo dono da Havan 13-12-2018 » Caso Coaf | 'Não vou decepcionar ninguém', diz Flávio Bolsonaro sobre ex-assessor 13-12-2018 » Levou a Sul-Americana | Pablo vai de 'parça de CR7' a destaque do Atlético-PR campeão 13-12-2018 » Acusado de abusos | GO: após pedido de prisão, centro de João de Deus amanhece esvaziado 13-12-2018 » Desvio de recursos | PF prende prefeito, ex-secretário e faz buscas na Câmara de Mauá (SP) 13-12-2018 » Ataque a igreja em SP | Quinta vítima de atirador de Campinas é velada 13-12-2018 » Pediu recuperação judicial | Credores entram na Justiça contra garantia de aeronaves à Avianca 13-12-2018 » Liminar da tabela do frete | Líder celebra decisão de Fux: Momento não é de greve de caminhoneiros 13-12-2018 » 'Queremos ser brasileiros' | O que dizem os médicos cubanos que querem continuar no Brasil 13-12-2018 » Exausto e desidratado | Homem é libertado após passar dois dias preso em chaminé na Califórnia 13-12-2018 » Rota 2030 vira lei | Carro nacional ficará mais seguro, mas preço não cairá, dizem especialistas
Publicidade
29 de junho de 2018

Apenas 10 capitais estão entre as cidades mais desenvolvidas do país

Foto Rede Acontece

Pouco mais de um terço das capitais brasileiras figuram na lista dos 500 municípios mais desenvolvidos do país, segundo estatísticas de saúde, educação, emprego e renda. A informação consta no Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM) 2018, divulgado nesta quinta-feira (28) pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. O cálculo é feito com base em dados de 2016, a partir de indicadores sociais em 5.471 municípios, onde vivem 99,5% da população brasileira. Para compor o índice, que voltou a subir após três anos de queda, são apurados dados oficiais sobre saúde e educação básicas, como número de matrículas escolares e mortalidade infantil, além das taxas de emprego e renda média dos trabalhadores.

 

Os dados completos podem ser conferidos na página da Firjan na internet. As 10 capitais mais bem posicionadas no ranking estão distribuídas entre as cinco regiões do país. A liderança foi mantida por Florianópolis, que registrou alto índice de desenvolvimento, com 0,8584 ponto, ocupando o 47º lugar geral. Em seguida, aparece Curitiba (0,8378), que ultrapassou São Paulo (0,8352) na segunda colocação, em relação ao levantamento anterior, com base em dados de 2015. No quadro geral, as capitais paulista e do Paraná ocupam, respectivamente, a 137ª e 74ª posições, respectivamente.

 

Na sequência, aparecem Teresina e Cuiabá. Entre as capitais, foram as que mais subiram posições na comparação com o levantamento anterior. A capital do Piauí, única do Nordeste entre as 10 mais desenvolvidas, pulou de 12ª para a 4ª colocação. A capital mato-grossense foi de 9ª para a 5ª posição. “Muitas capitais por serem centro industriais, perderam muitos postos de trabalho e baixaram o desempenho na vertente emprego e renda. Já outras cidades um pouco menores, como Teresina e Cuiabá, conseguiram bons rendimentos nesse indicador”, aponta o economista Jonathas Goulart, da Divisão de Estudos Econômicos da Firjan.

 

As outras cinco capitais mais bem colocadas no levantamento são: Vitória, Belo Horizonte, Goiânia, Campo Grande e Palmas, a única representante da região Norte na lista das mais bem posicionadas. Brasília ficou fora da lista das 10 capitais mais desenvolvidas ao cair três posições – do 10º lugar em 2015 (0,8001) para o 13º (0,7799) em 2016. Na parte de baixo da lista de desenvolvimento das capitais aparecem Macapá (0,6446), seguida de Belém e Maceió, empatadas com 0,6918, índice considerado regular. Pontuação semelhante obtiveram Manaus, Porto Velho e Aracaju, todas também com desempenho regular. Apesar disso, nenhuma capital de estado apresenta desenvolvimento considerado baixo, o que as deixa acima de pelo menos 2 mil municípios com piores resultados. “De maneira geral, as capitais têm uma média acima das demais cidades. Isso se deve a melhor resultado na vertente de emprego e renda. Elas têm um mercado de trabalho mais dinâmico, acaba obtendo notas mais altas nesse quesito”, explica Goulart.

 

Quando se compara o quadro atual com os dados do período pré-crise, em 2013, a capital que mais perdeu posições no ranking foi o Rio de Janeiro, que saiu da 5ª para a 11ª posição em apenas três anos. Recife também sentiu uma forte queda no mesmo período, passando da 13ª para a 18ª colocação. Em ambos os casos, a queda no índice de emprego e renda foi o fator mais determinante para este recuo. No IFDM Saúde, 19 das 27 capitais apresentaram avanço no último período em relação a 2015. Manaus ficou no extremo inferior do ranking das capitais neste indicador em razão do baixo percentual de grávidas que realizaram sete ou mais consultas pré-natais, apenas 45,7% do total.

 

Na parte superior está Curitiba, capital com o maior percentual de grávidas que realizaram sete ou mais consultas pré-natais (88,8%). No IFDM Educação, a melhor nota ficou com São Paulo, que atingiu boas notas em todos os indicadores, segundo o levantamento. Apesar disso, a nota do município Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) ainda está 0,8 ponto abaixo da meta determinada pelo Plano Nacional de Educação (PNE) para 2021.

 

Na outra ponta do ranking na área de educação, Maceió apresentou nível de desenvolvimento considerado moderado, com taxa de atendimento na educação infantil de 24,1%, o que representa uma estimativa de mais de 71 mil crianças fora de creches ou pré-escolas. Além disso, a nota da cidade no Ideb foi a menor entre as capitais: 3,7 pontos, muito abaixo da meta de 6. Com informações da Agência Brasil.


Tags:
VOLTAR