Após cinco anos de impunidade, quatro acusados de assassinar o militante Fabio Santos são presos » Rede Acontece
Últimas
17-11-2018 » Mensagem circulando nas redes é falsa | Não é verdade que cédulas de US$ 100 perderão o valor em 2019 17-11-2018 » Estilo agrada Bolsonaro | Brasil tem condições de adotar a política externa agressiva de Trump? 17-11-2018 » Caravana tenta entrar nos EUA | O dia em que 12 mil migrantes chegaram à Cidade do México 17-11-2018 » Resgate ainda não foi definido | Localização de submarino argentino deixa parentes de tripulantes 'chocados' 17-11-2018 » Fogo avança nos EUA | Incêndios na Califórnia deixam mais de 70 mortos e 1.000 desaparecidos 17-11-2018 » Mandou suspender pagamento | Decisão de Gilmar sobre planos econômicos é alvo de petições no STF 17-11-2018 » A partir de R$ 80 mil | Salão de SP: como é dormir no Mitsubishi L200 Motorhome? 17-11-2018 » Foco total | 36 aviões por hora: a rotina na torre de controle de Congonhas 17-11-2018 » Falou de Bolsonaro | Silvio não sabia da participação de Lula no Teleton 2008, diz SBT 17-11-2018 » Procurando emprego? | Currículo que funciona é enxuto, em tópicos e sem nenhum enfeite 17-11-2018 » Apresentador na ESPN | Luciano Amaral já foi "herói do Tetra" e pioneiro de eSports 17-11-2018 » Novo governo | Culto e 2 cerimônias: o que já se sabe sobre a posse de Bolsonaro 17-11-2018 » Programa fica sem cubanos | Será difícil repor 10 mil vagas, diz ex-chefe do Mais Médicos 17-11-2018 » Equipes fazem escoramento | Prefeitura de SP reduz risco de desabamento de viaduto que cedeu 17-11-2018 » Amistoso Brasil x Uruguai | Neymar repete com Cavani e Suárez afagos e rusgas da vida pessoal
Publicidade
12 de julho de 2018

Após cinco anos de impunidade, quatro acusados de assassinar o militante Fabio Santos são presos

Foto: Reprodução

Na manhã desta quarta-feira (11) foi realizada uma operação policial que culminou com a prisão de quatro pessoas denunciadas como mandantes e executores do assassinato do militante do MST, Fábio Santos.

Fábio foi assassinado – na frente de sua esposa e filha – com 15 tiros durante uma emboscada no dia 2 de abril de 2013, no Município de Iguaí, sudoeste da Bahia.

As investigações conduzidas pelo Grupo Especial de Mediação e Acompanhamento de Conflitos Agrários e Urbanos da Polícia Civil (Gemacau), apontaram a existência de uma “associação criminosa”, composta por fazendeiros e pistoleiros que atuavam na região de Iguai, Ibicuí e Nova Canãa. A denuncia destaca ainda que um dos motivos do crime foi a atuação da vítima em defesa da Reforma Agrária.

Na operação foram presos o fazendeiro Délcio Nunes Santos, o comerciante Márcio Fabiano Cunha Borges e os vaqueiros Arenaldo Novais da Silva e Neuton Muniz da Silva. Na residência dos acusados foram encontradas armas de fogo.

Continuam foragidos o fazendeiro Welder Leonardo Gusmão Amaral e Ricardo Neves de Oliveira (apontado pela polícia como executor do crime).

Fugas

O MST avalia que a fuga dos dois denunciados é consequência da divulgação prévia do pedido de prisão feita pelo Ministério Público do Estado da Bahia. O Movimento entende que a divulgação foi inapropriada e exige que as buscas para localizar e prender os foragidos aconteçam com urgência.

Caso

Fábio Santos foi uma das principais lideranças do MST no Sudoeste da Bahia. Seu assassinato é marcado por cinco anos de impunidade e reviravoltas jurídicas.

No início das investigações o juiz da comarca de Iguaí, Fernando Marcos Pereira se declarou suspeito, ou seja, incapaz de julgar o processo com imparcialidade. O caso foi então encaminhado ao juiz substituto da comarca de Poções, Alerson do Carmo Mendonça, que após um tempo foi promovido deixando a comarca local.

Nesse caso o processo deveria voltar para a 1° comarca substituta de Poções que é justamente Iguaí, onde o juiz já havia se declarado suspeito.

A segunda opção era a comarca de Planalto. A juíza Daniela Oliveira Khouri também se declarou suspeita. O processo então retornou para o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia que realizou um sorteio de lista tríplice com os nomes mais votados e com competência para julgar o caso.

A primeira da lista era a juíza da comarca de Encruzilhada, Adiane Jaqueline Neves da Silva. Todavia, pouco tempo depois Silva também foi promovida para a comarca de Itambé e o processo ficou em Encruzilhada. O nome substituto de Encruzilhada (que era o titular de Poções) entendeu que o processo não foi sorteado para a comarca, mas sim para a juíza e determinou que fosse encaminhado para Itambé.

Mais uma vez a juíza se declarou suspeita e o caso foi parar na comarca de Vitória da Conquista, nas mãos do juiz Reno Viana Soares que após cinco anos expediu os mandados de prisão.

Outro ponto que chama atenção nesse imbróglio judicial é que quando o caso ainda estava em Iguai a promotora da comarca Solange Anatolio, do Espírito Santo, fez carga do processo, ou seja, pegou os autos para analisar fora da comarca e, após mais de um ano em posse dos documentos, também se declarou suspeita.

Na época, a Procuradoria Geral designou o promotor especializado em questões agrárias, Antonio Ferreira Leal Filho, que então após quatro anos e três meses ofereceu a denúncia do caso.

Durante todos esses anos o MST mobilizou-se com o objetivo de destravar o processo e exigir a punição dos culpados. Foram feitas inúmeras vigílias em fóruns municipais, marchas e ocupações em toda Bahia que tinham como objetivo pressionar a justiça por respostas. A direção do Movimento no estado comemora a prisão de parte dos envolvidos na execução de Fábio e destaca que as lutas em defesa da terra são centrais para garantir dignidade aos trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade. O MST afirma ainda que seguirá cobrando os órgãos competentes até que todos os responsáveis sejam presos.


VOLTAR