Após decisão de segunda instância, Justiça manda prender 14 mil pessoas » Rede Acontece
Últimas
22-06-2018 » Fugindo do ócio | Estádio candidato a "elefante russo" vai imitar Mané Garrincha 22-06-2018 » Rita se orgulha do camisa 9 | Professora pagava cópias de prova na escola de Gabriel Jesus 22-06-2018 » Espalhados pelo Mar Negro | A mando da Fifa, hotel da seleção tem quatro navios de patrulha 22-06-2018 » Político assassinado | Memorial de crítico ao Kremlin é confundido com comércio de flores 22-06-2018 » Opinião | Nina Lemos: Brasileiro sendo machista não é só na Copa do Mundo 22-06-2018 » Lá na Sibéria | Asteroide destruiu área maior que a de São Paulo há 110 anos 22-06-2018 » Mulher de peito | Dona da Hope prova todos os sutiãs e só vende aquilo que usaria 22-06-2018 » Vitória na acréscimos | Gol no fim alivia Neymar em dia de reclamação, broncas, VAR e choro 22-06-2018 » Ahmed Musa abre o placar para a Nigéria contra a Islândia 22-06-2018 » Situação complicou na Copa | Messi apagado? 4 questões podem explicar desempenho 22-06-2018 » Análise | Stycer: Galvão critica 'gesto artístico', mas se comove com choro de Neymar 22-06-2018 » Clima no estádio | Irritação com árbitro e sofrimento conectam torcida e seleção 22-06-2018 » 2 a 0 contra a Costa Rica | Tite vê 'aula' no 2º tempo 22-06-2018 » Laqueadura compulsória | Onde está o bebê da mulher esterelizada em Mococa (SP)? 22-06-2018 » Datafolha | Para eleitores, Lula é o mais preparado para aquecer economia 22-06-2018 » Assédio na Rússia | Russo que beijou repórter se desculpa: 'Brincadeira infeliz' 22-06-2018 » Imigração nos EUA | Menina de foto icônica não foi separada da mãe, conta pai 22-06-2018 » Luciana Gimenez "narra" jogo da seleção e diverte web com comentários 22-06-2018 » 'Meu pai fez um golaço que eu gostei demais', comemora David Lucca, filho de Neymar 22-06-2018 » Após vídeo ofensivo, colombianos se desculpam na embaixada do Japão
Publicidade
centro medico sao gabriel grafica bandeirante intersorft lab laboratorio supermercado centrel clinica master
4 de junho de 2018

Após decisão de segunda instância, Justiça manda prender 14 mil pessoas

Foto: Reprodução

A prisão do ex-presidente Lula em abril deste ano abriu uma discussão jurídica sobre se é ou não constitucional o início do cumprimento da pena após a condenação em segunda instância. Não são apenas os condenados da Lava Jato e Lula que perderam a liberdade após a maioria do STF (Supremo Tribunal Federal) entender que a execução da pena após condenação em segunda instância não ofende o princípio da presunção da inocência.

Segundo levantamento da Defensoria Pública, foram expedidos 13.887 mandados de prisão pelo Tribunal de Justiça de SP entre fevereiro de 2016 e abril de 2018 com base nesse entendimento. Para o defensor público Mateus Oliveira Moro o debate que está sendo feito sobre o tema está enviesado. “Sob o pretexto de prender os que cometeram crime de colarinho branco, punem-se os mais vulneráveis”, afirmou.

Oliveira Moro afirma que a Constituição e o Código de Processo Penal não deixam dúvida ao afirmar que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença condenatória. Ou seja, até o julgamento do processo nas instâncias superiores, como o Superior Tribunal de Justiça e o STF, o réu deve ser considerado inocente.

A discussão sobre o tema deverá continuar até o STF julgar duas Ações Declaratórias de Constitucionalidade que vão definir o entendimento jurídico sobre a prisão automática após condenação em segunda instância. Ainda não há prazo para julgamento. Segundo o defensor público, os quase 14 mil presos só deixarão a penitenciária após a Justiça analisar caso a caso.

O promotor de Justiça Levy Magno, professor do Centro Preparatório Jurídico, é a favor da prisão automática. Ele diz que se um réu foi condenado em segunda instância pode entrar com recursos, mas não é mais possível discutir se ele é culpado ou inocente. “Nenhum dos dois recursos possíveis nos tribunais superiores, o especial e o extraordinário, permite mais discutir a culpa do réu. Foi por isso que o STF decidiu que, se não permite mais absolver o réu, então já pode executar antecipadamente a pena.”

Levy diz que o direito permite fazer interpretações das leis. “Os direitos fundamentais previstos na Constituição não podem ser alterados, mas podem ser interpretados.” Já o advogado Rogério Cury destaca o artigo 283 do Código de Processo Penal, que trata das possibilidades de prisão. “O artigo não deixa margem para interpretação. Ninguém pode cumprir pena de forma cautelar”, afirma. “Estamos diante de um quadro de insegurança jurídica grande porque estamos relativizando princípios e garantias fundamentais. Não pode usar o crime do colarinho branco para defender essa tese.”


VOLTAR