Após decisão de segunda instância, Justiça manda prender 14 mil pessoas » Rede Acontece
Últimas
18-08-2018 » Autor de Mutantes | Com presença da ex, Tiago Santiago se casa com chef 18-08-2018 » Show no Rio é adiado | Jorge Aragão é internado e passa por cateterismo 18-08-2018 » Barracos afetaram | Audiência motivou saída de Mara do Fofocalizando 18-08-2018 » Ao lado de Graciele | Zezé Di Camargo recebe as filhas em seu aniversário 18-08-2018 » Após ponte desabar | Mais corpos são achados em Gênova; vítimas sobem a 41 18-08-2018 » O presidente da Vila | Peres convida Pelé a se tratar no Santos e fala de rixa de Neymar 18-08-2018 » Opinião da seleção | Juca: Raras vezes uma convocação pegou tão mal 18-08-2018 » Série da Netflix | 5 motivos para todo fã dos Simpsons se viciar em Des(encanto) 18-08-2018 » Efeito pode ser minimizado | Afinal, a radiação dos celulares faz mal? Estudo traz novas respostas 18-08-2018 » Presidenciáveis voltam a se encontrar | Debate da RedeTV! tem 'sermão' e foco em economia 18-08-2018 » Certeiro e ousado | Harmonize chocolate com vinho e impressione o 'date'; veja sugestões 18-08-2018 » Clima esquentou no debate | Marina ataca Bolsonaro sobre direitos da mulher 18-08-2018 » 3 palavras: Lula, armas, pesquisa | Em debate, Bolsonaro lê 'cola' feita na mão antes de pergunta a Marina Silva 18-08-2018 » Entre críticas e alfinetadas | Ataque a Lula e embate entre Meirelles e Boulos; veja frases do debate 18-08-2018 » Casal de cegos vive só em SP | 'A cegueira é só uma parte de mim, eu sou muito mais que tudo isso' 18-08-2018 » A dúvida que não cala no PT | O que acontece se a candidatura de Lula for definitivamente negada? 18-08-2018 » Turbinado com motor do EcoSport | UOL Carros destrincha Ford Ka Sedan Titanium, versão 'luxuosa' de R$ 71 mil 18-08-2018 » Petista tenta candidatura | Supremo deve ignorar documento de comissão da ONU favorável a Lula 18-08-2018 » 'Um estadista global' | Morre o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, aos 80 18-08-2018 » Contra sarampo e polio | Campanha chega ao 'Dia D' com apenas 16% de crianças vacinadas
Publicidade
clinica master lab laboratorio intersorft centro medico sao gabriel
4 de junho de 2018

Após decisão de segunda instância, Justiça manda prender 14 mil pessoas

Foto: Reprodução

A prisão do ex-presidente Lula em abril deste ano abriu uma discussão jurídica sobre se é ou não constitucional o início do cumprimento da pena após a condenação em segunda instância. Não são apenas os condenados da Lava Jato e Lula que perderam a liberdade após a maioria do STF (Supremo Tribunal Federal) entender que a execução da pena após condenação em segunda instância não ofende o princípio da presunção da inocência.

Segundo levantamento da Defensoria Pública, foram expedidos 13.887 mandados de prisão pelo Tribunal de Justiça de SP entre fevereiro de 2016 e abril de 2018 com base nesse entendimento. Para o defensor público Mateus Oliveira Moro o debate que está sendo feito sobre o tema está enviesado. “Sob o pretexto de prender os que cometeram crime de colarinho branco, punem-se os mais vulneráveis”, afirmou.

Oliveira Moro afirma que a Constituição e o Código de Processo Penal não deixam dúvida ao afirmar que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença condenatória. Ou seja, até o julgamento do processo nas instâncias superiores, como o Superior Tribunal de Justiça e o STF, o réu deve ser considerado inocente.

A discussão sobre o tema deverá continuar até o STF julgar duas Ações Declaratórias de Constitucionalidade que vão definir o entendimento jurídico sobre a prisão automática após condenação em segunda instância. Ainda não há prazo para julgamento. Segundo o defensor público, os quase 14 mil presos só deixarão a penitenciária após a Justiça analisar caso a caso.

O promotor de Justiça Levy Magno, professor do Centro Preparatório Jurídico, é a favor da prisão automática. Ele diz que se um réu foi condenado em segunda instância pode entrar com recursos, mas não é mais possível discutir se ele é culpado ou inocente. “Nenhum dos dois recursos possíveis nos tribunais superiores, o especial e o extraordinário, permite mais discutir a culpa do réu. Foi por isso que o STF decidiu que, se não permite mais absolver o réu, então já pode executar antecipadamente a pena.”

Levy diz que o direito permite fazer interpretações das leis. “Os direitos fundamentais previstos na Constituição não podem ser alterados, mas podem ser interpretados.” Já o advogado Rogério Cury destaca o artigo 283 do Código de Processo Penal, que trata das possibilidades de prisão. “O artigo não deixa margem para interpretação. Ninguém pode cumprir pena de forma cautelar”, afirma. “Estamos diante de um quadro de insegurança jurídica grande porque estamos relativizando princípios e garantias fundamentais. Não pode usar o crime do colarinho branco para defender essa tese.”


VOLTAR