Após prejuízo, Petrobrás diz que foco é na rentabilidade, não na produção » Rede Acontece
Últimas
23-06-2018 » México avança contra a Coreia do Sul e marca segundo gol 23-06-2018 » Atacante polêmico | Com cartões, Neymar ameaça desfalcar seleção brasileira 23-06-2018 » Goleada no Grupo G | Hazard e Lukaku brilham, e Bélgica bate a Tunísia por 5 a 2 23-06-2018 » Lá em Iekaterimburgo... | Na sede mais distante da Copa, Brasil é time só de alguns peruanos 23-06-2018 » 'Acharam que era puta' | Mulheres se rebelam na Copa e rebatem o assédio e o machismo 23-06-2018 » Narrador em alta | Spoiler de novela e 'negros maravilhosos': a Copa de Luis Roberto 23-06-2018 » Escalação em jogo | Tite conversa com Marquinhos e avalia Fernandinho para lateral 23-06-2018 » Destaque da goleada belga | Em português, Lukaku fala sobre ídolo: 'Adriano é maior do que eu' 23-06-2018 » Até tu, treinador? | Tite tem lesão na coxa e anda mancando após tombo que virou meme 23-06-2018 » Milton Leite corta Noriega com grito homofóbico de mexicanos e diverte web 23-06-2018 » Zagueiro do Irã diz que Diego Costa foi imoral e insultou sua mãe e irmã 23-06-2018 » Miranda exalta dificuldade da Copa e fala da situação argentina: 'Dá pena' 23-06-2018 » Suíço recorda: dia mais feliz da vida foi quando ganhou camisa de Ronaldo 23-06-2018 » Goleiro argentino troca mensagens com jornalista após falha: 'Momento duro' 23-06-2018 » Jogo do grupo F, às 15h | Comissão de Tite vai ao jogo da Alemanha, possível adversária 23-06-2018 » Análise | Stycer: Gritaria entre comentaristas da Fox Sports é desrespeitosa 23-06-2018 » Análise | Rizzo: Inocentes ou culpados? O peso de Messi e Neymar 23-06-2018 » Seleção joga quarta-feira | Douglas Costa sofre lesão na coxa e desfalca o Brasil contra a Sérvia 23-06-2018 » Opinião | Perrone: Brasil deixa para o torcedor pacote de preocupações 23-06-2018 » Briga no basquete | Em evidência na Copa, conflito nos Balcãs já rachou 'irmãos' de bola
Publicidade
supermercado centrel lab laboratorio clinica master intersorft centro medico sao gabriel grafica bandeirante
14 de maio de 2016

Após prejuízo, Petrobrás diz que foco é na rentabilidade, não na produção

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

Após anunciar o terceiro prejuízo trimestral seguido, a Petrobrás deverá priorizar a rentabilidade, com corte de 5% nos investimentos neste ano, sobre a produção. A estratégia da diretoria é garantir que a receita própria cubra os gastos com passivos financeiros e investimentos, sem captações. A equação pode reverter o alto endividamento da estatal – o tempo de recuperação é a incógnita que preocupa o mercado financeiro. “É muito difícil prever (esse prazo)”, reconheceu o diretor financeiro, Ivan Monteiro, em teleconferência a analistas. “Em vez de focar na produção, a diretoria foca na rentabilidade e liquidez (…) começando pela maior disciplina de capital, pela redução dos custos ou da natureza do negócio. O conjunto de iniciativas deve acelerar ao longo de 2016 e levará a esse horizonte que tanto desejamos.” De janeiro a março, a companhia teve saldo de R$ 2,4 bilhões entre o lucro operacional sobre o total de investimentos. Com o fluxo de caixa positivo, o saldo é uma marca da reengenharia financeira feita pela gestão de Aldemir Bendine. A equipe deve permanecer na empresa no curto prazo. Segundo fontes, a sinalização foi dada pelo presidente em exercício, Michel Temer. As incertezas do momento, entretanto, ainda alarmam os investidores. As ações da companhia fecharam em queda, ontem, entre 3,37% e 4,64%. Analistas criticaram a “enorme quantidade de potenciais passivos” financeiros relativos à dívida da companhia, que chegou a R$ 450 bilhões. “Despesas com juros e variações cambiais têm, trimestre após trimestre, ofuscado os bons resultados operacionais”, avalia relatório do banco Credit Suisse, que destacou alta de 55% no prejuízo financeiro do trimestre. “O saldo de caixa das operações superou os investimentos no período, mas não o suficiente para cobrir também os pagamentos de juros”, completa. O aperto de capital da companhia começa com a revisão em 5% dos investimentos neste ano, somando US$ 19 bilhões. No primeiro trimestre, a redução de desembolsos chegou a 14%. Na estimativa para 2017 e 2018, a estatal planeja caixa de US$ 20 bilhões com visão “conservadora” para novas captações. “Uma componente importante que pode acelerar o processo de redução do endividamento e contribuir para que a geração de caixa cubra todos os investimentos, inclusive o serviço da dívida, é o desinvestimento”, reforçou Ivan Monteiro. Ele reforçou a crença na meta “desafiadora” de vendas – até agora, a estatal arrecadou 10% da meta de US$ 14 bilhões.


VOLTAR