Aposta na volta do crescimento em 2016 divide economistas » Rede Acontece
Últimas
21-08-2018 » Cotação em alta | Mercado especula com eleição, e dólar opera perto de R$ 3,97 21-08-2018 » Ex-presidente é candidato | Para acelerar caso Lula, Barroso pode abrir mão de prazos no TSE 21-08-2018 » Chove, mas continua seco | Imagens de satélite mostram que estiagem impera na maioria do NE 21-08-2018 » Uma alternativa pouco conhecida | Não tem fiador? Título de capitalização pode servir para garantir aluguel 21-08-2018 » Ideia é repetir Donald Trump | Bolsonaro diz que cometeu ato falho e que jamais pensou em sair da ONU 21-08-2018 » O craque de 13 patrocinadores | Por contrato, Neymar destina 85% do lucro com publicidade aos pais 21-08-2018 » Nova Blazer, Argo 'Cross' e mais | Confira os carros que serão lançados no Salão de São Paulo 2018 21-08-2018 » Jornalismo | Morre aos 61 anos Otavio Frias Filho, diretor de Redação da Folha 21-08-2018 » Pesquisa Ibope | Suplicy tem 28%, Covas, 17%, e Olimpio, 15% para Senado em SP 21-08-2018 » Caso Letícia Almeida | Ex-cunhada fala sobre traição de atriz e cita perdão 21-08-2018 » TV cita 'renovação' | Domingão do Faustão tem cinco bailarinas demitidas 21-08-2018 » Após oito anos | Narrador do SporTV é dispensado: 'Fui pego de surpresa' 21-08-2018 » Reality volta hoje | 5 participantes que se rebelaram contra o MasterChef 21-08-2018 » Pirâmide de sucessos | Como Goiânia virou o mais importante mercado do sertanejo 21-08-2018 » Multa e saída gratuita | Leila fala em prejuízo de R$ 100 mi com Barrios no Palmeiras 21-08-2018 » Seu corpo | Por que sentimos mais fome quando está frio? 21-08-2018 » Guerra contra a hora extra | Japão está pedindo que trabalhadores tirem uma manhã de 2ª de folga 21-08-2018 » Luto além do jornalismo | Como dramaturgo, Otavio teve sucessos e fracassos 21-08-2018 » Trajetória | Otavio esteve à frente da campanha pelas Diretas Já 21-08-2018 » Refrigerante importado? | Sem subsídio na Zona Franca, Coca-Cola ameaça deixar Brasil
Publicidade
intersorft lab laboratorio centro medico sao gabriel clinica master
1 de fevereiro de 2016

Aposta na volta do crescimento em 2016 divide economistas

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O retorno ao crescimento econômico no último trimestre deste ano, como acredita o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, divide opiniões de economistas. Os mais céticos avaliam que isso é improvável porque o consumo das famílias e os investimentos continuarão em queda em 2016 com agravamento da recessão, que deve levar o PIB a uma queda de 3% neste ano. Por outro lado, vários especialistas acreditam no início de uma gradual recuperação da atividade no período entre outubro e dezembro, na margem. Para eles, isso ocorrerá por fatores como o fim de incertezas em relação ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e a depreciação do câmbio, que pode ajudar ainda mais na substituição de importados por produtos nacionais. Para os economistas céticos, a deterioração da demanda agregada, deve diminuir ainda mais o consumo e o investimento e impedirá crescimento em qualquer dos trimestres deste ano. Esse quadro deve também elevar o desemprego para uma marca superior a 11% até dezembro. Silvia Matos, economista do Ibre/FGV, estima com uma queda de 3% do PIB neste ano haverá destruição líquida de 2,2 milhões de empregos formais.“O cenário muito negativo para a atividade levará a uma alta expressiva do desemprego em todos os setores produtivos, inclusive em serviços”, comentou. Ela projeta que a taxa de desocupação medida pela Pnad Continua deverá alcançar 12,3% no quarto trimestre e a média do ano será de 11,7%. Vários economistas apontam que o PIB entre janeiro e junho será pressionado negativamente pelas dúvidas sobre a governabilidade do País, causadas principalmente pela possibilidade de impeachment da presidente Dilma. Contudo, alguns ponderam que, na segunda metade do ano, o nível de atividade pode parar de cair e engatar ligeiro avanço entre outubro e dezembro. Alessandra Ribeiro, economista e sócia da consultoria Tendências, estima que a economia cairá 0,1% de julho a setembro, mas deverá subir 0,1% no último trimestre do ano. Ela pondera, contudo, que há riscos de piora para o PIB e a inflação ao final do ano, “relacionados à gestão macroeconômica”. A economista destaca que o IPCA deve atingir 9% nos 12 meses encerrados em março e voltar para nível abaixo de 8% a partir de outubro e fechar o ano em 7%. Na sua avaliação, a melhora da administração das contas públicas, com corte de gastos correntes, é o elemento mais importante para melhorar as expectativas dos agentes econômicos sobre a área fiscal e a inflação, o que ajudaria muito a reduzir juros futuros e conter depreciações intensas do câmbio. “Mas o governo sinaliza que retomará a política de estímulo ao crédito pelos bancos públicos, o que não será eficiente e terá impactos no Tesouro”, apontou. Os especialistas que apostam em recuperação do PIB a partir do último trimestre acreditam que o câmbio será o fator fundamental para isso. Considerando que não ocorra em 2016 uma depreciação tão forte quanto em 2015, que ficou próxima de 50%, “consumidores e empresários avaliarão que a economia ficará mais estável e menos sujeita a pressões de alta inflação”, comentou Braulio Borges, economista-chefe da LCA. Ele estima que o dólar deve atingir R$ 4,15 em dezembro, uma variação nominal de 6,27% no ano. “Além disso, as contas externas devem continuar a avançar, sobretudo com a redução das importações, o que estimulará a produção doméstica a ocupar o lugar de mercadorias vindas do exterior.”


VOLTAR