Aprovada lei em Israel que define país como 'exclusivamente judeu' » Rede Acontece
Últimas
21-02-2019 » Audiência no Senado | Damares critica ativismo e rebate ministro do STF sobre questão de gênero 21-02-2019 » Desastre em Brumadinho (MG) | Bombeiros acham almoxarifado soterrado; há indícios de corpos 21-02-2019 » Texto entregue ao Congresso | Oposição tranca pauta na Câmara em protesto à reforma da Previdência 21-02-2019 » Marcelo Antônio, do Turismo | Ministro pede para STF suspender apuração de laranjas do PSL em MG 21-02-2019 » Tema em discussão no STF | Fachin defende criminalizar homofobia e aplicar Lei de Racismo 21-02-2019 » Crise no país vizinho | Nicolás Maduro manda fechar a fronteira da Venezuela com o Brasil 21-02-2019 » Impasse | Sem acerto, direção do Corinthians se irrita com postura de Romero 21-02-2019 » Novo smartphone | Confira sete novidades do Galaxy S10 da Samsung 21-02-2019 » Caso tríplex | Ministro do STF nega mais um pedido de liberdade a Lula 21-02-2019 » SUV 'acupêzado' | Renault Arkana é registrado no Brasil e deve sair até 2021 21-02-2019 » Impasse continua | Globo aceita exibir parceiros da Conmebol apenas na TV paga 21-02-2019 » Caso Daniel | Audiência tem risada de réu e acenos da família Brittes; advogado faz críticas 21-02-2019 » Em São Bernardo | Governo de SP diz que buscará comprador para fábrica da Ford 21-02-2019 » Antimusa do Carnaval | Lívia Andrade rejeita ser 'certinha': 'Empoderada? Minha vida me fez assim' 21-02-2019 » Mulheres em profissões 'invisíveis' | 'Se some algo, sempre suspeitam de quem faz a limpeza'; leia relatos 21-02-2019 » Buscas continuam em Brumadinho | 'Quanto mais tempo passa, mais difícil', diz bombeiro símbolo de MG
Publicidade
19 de julho de 2018

Aprovada lei em Israel que define país como ‘exclusivamente judeu’

Imagem Reprodução

Israel agora é, por lei, “a pátria histórica do povo judeu”, com “direito exclusivo à autodeterminação nacional no país”. A lei foi aprovada por 62 deputados contra 55 e duas abstenções, após tumultuada sessão de mais de oito horas no parlamento israelense.

Deputados árabes, que representam 20% da população, o equivalente a 9 milhões de habitantes, jogaram no chão o texto da lei, em protesto. Ayman Odeh, um dos que reagiram, protestou: “Israel não nos quer aqui e está nos dizendo que seremos sempre cidadãos de segunda classe”.

Pela lei, o árabe deixa de ser uma das duas línguas oficiais do País, rebaixada a um status especial, e fica só o hebraico. Uma lei anterior, proclamando Jerusalém unida capital eterna do povo judeu, foi incorporada à nova lei.

O grupo judeu Paz Agora protestou agitando uma bandeira preta no Parlamento. O líder da oposição, Isaac Herzog, perguntou se a nova lei vai prejudicar ou beneficiar Israel. “A história vai responder”, disse.

O presidente e fundador da J Street, Jeremy Bem-Ami, criticou duramente a lei Estado-Nação, dizendo que ela passa a mensagem de que as comunidades árabe, LGBT e outras minorias nunca obterão plena cidadania.

O primeiro-ministro Netanyahu comemorou: “Este é um momento definidor. Longa vida ao estado de Israel!” Ao sair do Parlamento, ele foi confrontado por dois deputados árabes, Ahmed Tibi e Ayeda Touma-Souliman, que gritavam: “Você aprovou uma lei de apartheid, uma lei racista”. Ele reagiu: “Como vocês ousam falar dessa maneira sobre a única democracia no Oriente Médio?”

*O jornalista Moisés Rabinovici é comentarista da Rádio Nacional e apresentador do programa Um olhar sobre o Mundo, na TV Brasil.


VOLTAR