Aprovada lei em Israel que define país como 'exclusivamente judeu' » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 19-05-2019 » Ministro da Justiça | Indicação prematura de Moro ao STF abre debate sobre modelo de escolha 19-05-2019 » Último episódio vai ao ar hoje | O que Game of Thrones precisa responder no final 19-05-2019 » 24 horas de arte em SP | Virada Cultural: Anitta faz desfile de hits em Anhangabaú lotado 19-05-2019 » Líder do Brasileirão | Dudu mantém tradição e comanda Palmeiras em arrancada após Paulista 19-05-2019 » Coordenador na CBF | Juninho admite estudar eventual convite para vaga de Edu na seleção 19-05-2019 » Entrevista exclusiva | 'Padrão Globo é 90% fama e 10% dinheiro', diz Milton Neves 19-05-2019 » 'Seu primeiro projeto' | Lula está apaixonado e vai casar quando deixar prisão, diz ex-ministro 19-05-2019 » 0 a 0 pelo Brasileiro | SP pressiona, tem expulsão pelo VAR e fica no empate com o Bahia 19-05-2019 » PVC | Nenhum time se renovou tanto quanto o Brasil 19-05-2019 » Torres Freire | Congresso vai tentar isolar Bolsonaro 19-05-2019 » Flávio Ricco | Record mira profissionais da Band 19-05-2019 » R. A. Pereira | Idiotas úteis são o melhor tipo de idiota 19-05-2019 » Mauro Cezar | Abel, o problema do Fla é desempenho 19-05-2019 » Mariliz P. Jorge | Não fui criada para ir ao supermercado 19-05-2019 » Josias de Souza | 'Tática petista' de Bolsonaro inquieta aliados 19-05-2019 » Tostão | Neymar é a esperança de Brasil mais forte 19-05-2019 » F. Torres | No Brasil, a mudança se deu com os milicos 19-05-2019 » Mauricio Stycer | Nova temporada de O Mecanismo já nasceu velha 19-05-2019 » Clóvis Rossi | A Europa encara seus fantasmas 19-05-2019 » Paola Machado | Trocar hábitos é possivel. Que tal tentar?
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
19 de julho de 2018

Aprovada lei em Israel que define país como ‘exclusivamente judeu’

Imagem Reprodução

Israel agora é, por lei, “a pátria histórica do povo judeu”, com “direito exclusivo à autodeterminação nacional no país”. A lei foi aprovada por 62 deputados contra 55 e duas abstenções, após tumultuada sessão de mais de oito horas no parlamento israelense.

Deputados árabes, que representam 20% da população, o equivalente a 9 milhões de habitantes, jogaram no chão o texto da lei, em protesto. Ayman Odeh, um dos que reagiram, protestou: “Israel não nos quer aqui e está nos dizendo que seremos sempre cidadãos de segunda classe”.

Pela lei, o árabe deixa de ser uma das duas línguas oficiais do País, rebaixada a um status especial, e fica só o hebraico. Uma lei anterior, proclamando Jerusalém unida capital eterna do povo judeu, foi incorporada à nova lei.

O grupo judeu Paz Agora protestou agitando uma bandeira preta no Parlamento. O líder da oposição, Isaac Herzog, perguntou se a nova lei vai prejudicar ou beneficiar Israel. “A história vai responder”, disse.

O presidente e fundador da J Street, Jeremy Bem-Ami, criticou duramente a lei Estado-Nação, dizendo que ela passa a mensagem de que as comunidades árabe, LGBT e outras minorias nunca obterão plena cidadania.

O primeiro-ministro Netanyahu comemorou: “Este é um momento definidor. Longa vida ao estado de Israel!” Ao sair do Parlamento, ele foi confrontado por dois deputados árabes, Ahmed Tibi e Ayeda Touma-Souliman, que gritavam: “Você aprovou uma lei de apartheid, uma lei racista”. Ele reagiu: “Como vocês ousam falar dessa maneira sobre a única democracia no Oriente Médio?”

*O jornalista Moisés Rabinovici é comentarista da Rádio Nacional e apresentador do programa Um olhar sobre o Mundo, na TV Brasil.


VOLTAR