Aprovada lei em Israel que define país como 'exclusivamente judeu' » Rede Acontece
Últimas
13-12-2018 » Avaliação dos governos | CNI/Ibope: 75% aprovam primeiras medidas de Bolsonaro para o governo 13-12-2018 » Ex-Corinthians | Fla estuda Rodriguinho decisivo, mas fase no Egito é oposta 13-12-2018 » Final é hoje | Fogo no feno! Relembre as 10 maiores tretas de A Fazenda 10 13-12-2018 » Previsto para 2019 | Será o novo VW Golf? Hatch misterioso é flagrado em testes 13-12-2018 » Distante dos favoritos | Aquaman é resposta a 45 anos de zoação com o herói da DC 13-12-2018 » Estádio alviverde | Empresário de proposta bilionária ao Palmeiras tentou comprar Allianz 13-12-2018 » Decisões da Justiça Eleitoral | TSE arquiva ação contra Bolsonaro em caso envolvendo dono da Havan 13-12-2018 » Caso Coaf | 'Não vou decepcionar ninguém', diz Flávio Bolsonaro sobre ex-assessor 13-12-2018 » Levou a Sul-Americana | Pablo vai de 'parça de CR7' a destaque do Atlético-PR campeão 13-12-2018 » Acusado de abusos | GO: após pedido de prisão, centro de João de Deus amanhece esvaziado 13-12-2018 » Desvio de recursos | PF prende prefeito, ex-secretário e faz buscas na Câmara de Mauá (SP) 13-12-2018 » Ataque a igreja em SP | Quinta vítima de atirador de Campinas é velada 13-12-2018 » Pediu recuperação judicial | Credores entram na Justiça contra garantia de aeronaves à Avianca 13-12-2018 » Liminar da tabela do frete | Líder celebra decisão de Fux: Momento não é de greve de caminhoneiros 13-12-2018 » 'Queremos ser brasileiros' | O que dizem os médicos cubanos que querem continuar no Brasil 13-12-2018 » Exausto e desidratado | Homem é libertado após passar dois dias preso em chaminé na Califórnia 13-12-2018 » Rota 2030 vira lei | Carro nacional ficará mais seguro, mas preço não cairá, dizem especialistas
Publicidade
19 de julho de 2018

Aprovada lei em Israel que define país como ‘exclusivamente judeu’

Imagem Reprodução

Israel agora é, por lei, “a pátria histórica do povo judeu”, com “direito exclusivo à autodeterminação nacional no país”. A lei foi aprovada por 62 deputados contra 55 e duas abstenções, após tumultuada sessão de mais de oito horas no parlamento israelense.

Deputados árabes, que representam 20% da população, o equivalente a 9 milhões de habitantes, jogaram no chão o texto da lei, em protesto. Ayman Odeh, um dos que reagiram, protestou: “Israel não nos quer aqui e está nos dizendo que seremos sempre cidadãos de segunda classe”.

Pela lei, o árabe deixa de ser uma das duas línguas oficiais do País, rebaixada a um status especial, e fica só o hebraico. Uma lei anterior, proclamando Jerusalém unida capital eterna do povo judeu, foi incorporada à nova lei.

O grupo judeu Paz Agora protestou agitando uma bandeira preta no Parlamento. O líder da oposição, Isaac Herzog, perguntou se a nova lei vai prejudicar ou beneficiar Israel. “A história vai responder”, disse.

O presidente e fundador da J Street, Jeremy Bem-Ami, criticou duramente a lei Estado-Nação, dizendo que ela passa a mensagem de que as comunidades árabe, LGBT e outras minorias nunca obterão plena cidadania.

O primeiro-ministro Netanyahu comemorou: “Este é um momento definidor. Longa vida ao estado de Israel!” Ao sair do Parlamento, ele foi confrontado por dois deputados árabes, Ahmed Tibi e Ayeda Touma-Souliman, que gritavam: “Você aprovou uma lei de apartheid, uma lei racista”. Ele reagiu: “Como vocês ousam falar dessa maneira sobre a única democracia no Oriente Médio?”

*O jornalista Moisés Rabinovici é comentarista da Rádio Nacional e apresentador do programa Um olhar sobre o Mundo, na TV Brasil.


VOLTAR