Atos defendem reformas; Maia e Centrão viram alvo » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 29-03-2020 » Loterias | Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 4,8 mi na 4ª 29-03-2020 » Vítimas do coronavírus | Jovem de 26 anos morre de covid-19 em São Paulo 29-03-2020 » Economia | Guedes: Pacote anticrise usará maquininhas para chegar a microempresas 29-03-2020 » Em Guarulhos (SP) | Dois presos morrem no mesmo dia após sentirem falta de ar 29-03-2020 » #FiqueEmCasa | Recife rastreia 800 mil celulares para saber quem sai de casa 29-03-2020 » César Prates | Como venda de TV 14 polegadas fez lateral parar no Real Madrid 29-03-2020 » Áudio vazado | Justus diz que foi 'mal compreendido' e que 'preza pelas pessoas' 29-03-2020 » Mauricio Stycer | BBB favorece Marcela ao eliminar Manu por regra não informada 29-03-2020 » Está em isolamento | Ex-técnico Renê Simões testa positivo para a covid-19 29-03-2020 » Tinha 14 anos | Morre jogador destaque da base do Atlético de Madri (Espanha) 29-03-2020 » Thaís Oyama | Teorias conspiratórias, fake news e amigos inteligentes que caem 29-03-2020 » Disputa política no país | Mandetta destoa de Bolsonaro e defende isolamento social no Brasil 29-03-2020 » Tinha 86 anos | Morre prima do rei Felipe VI da Espanha vítima de coronavírus 29-03-2020 » Reflexos no pais | SP tem 16 mortes em 24h, maior nº desde o início da pandemia 29-03-2020 » Kotscho | Com covid-19, infectologista David Uip relata medo e alerta para falta de ar 29-03-2020 » Covid-19 | Pacientes internados com coronavírus têm carência de vitamina D, diz estudo 29-03-2020 » 'A frustração é maior que o medo' | Alunos de medicina e enfermagem voluntários no combate à covid-19 29-03-2020 » Esporte continua em meio à pandemia | 'Será que me contaminei?' Brasileiro relata medo no futebol de Belarus 29-03-2020 » O fim de semana sem bola rolando | Como ficam os estádios agora que o futebol está parado? 29-03-2020 » Blog Quicando | Há um novo horário fixo no Brasil: 'depois do panelaço"
Publicidade
27 de maio de 2019

Atos defendem reformas; Maia e Centrão viram alvo


Foto: Divulgação

Milhares de manifestantes foram ontem às ruas de cidades brasileiras em apoio ao presidente Jair Bolsonaro e em defesa de temas como a reforma da Previdência e o pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. As mobilizações mais significativas foram registradas em São Paulo e no Rio. A pauta dos atos foi marcada também por ataques ao Congresso, personificados no presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao Supremo Tribunal Federal (STF). O atos foram classificados por Bolsonaro como espontâneos e como um “recado àqueles que teimam, com velhas práticas, não deixar que este povo se liberte”. O Estado contabilizou registros de manifestações em pelo menos 154 cidades nos 26 Estados, além do Distrito Federal (foram convocados atos em cerca de 300 municípios do País). Na interpretação do Palácio do Planalto, o saldo foi positivo. Interlocutores do presidente avaliaram que, embora não tenham sido grandiosos, os eventos nas ruas não podem ser desconsiderados e mostraram que parte da população apoia a maneira como Bolsonaro tem conduzido sua relação com o Congresso. Representantes do Parlamento, porém, reagiram às cenas nas quais Maia e o Centrão – grupo que tem em seu núcleo duro DEM, PP, PL (ex-PR), PRB e Solidariedade e reúne aproximadamente 200 deputados – aparecem como alvo. Parlamentares avaliaram que a hostilidade nas ruas acirra e isola ainda mais o governo no Congresso. Um dos principais nomes do Centrão, o líder do DEM, deputado Elmar Nascimento (BA), divulgou nota na qual condena o “radicalismo e a beligerância” e diz que “ninguém governa sozinho”.Durante a semana passada, Bolsonaro repudiou bandeiras mais radicais como o fechamento do Congresso e do Supremo. Ontem pela manhã, quando já haviam se iniciado as primeiras manifestações, ele saiu em defesa dos atos ao discursar durante um culto religioso na Igreja Batista Atitude, no Rio. Ao mesmo tempo, o Twitter do presidente divulgou três vídeos das manifestações: Em Juiz de Fora (MG), onde se ouve “o choro é livre, o Lula não”; em São Luís (MA), onde o locutor pede a CPI da Lava Toga; e no Rio, onde um grupo canta “a bandeira jamais será vermelha”. Em Brasília, o ato começou por volta das 10h e, de acordo com estimativa da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), 20 mil pessoas estiveram na Esplanada dos Ministérios, que parecia vazia vista de cima. A maior concentração se deu no gramado em frente ao Congresso. Membros do Legislativo, os parlamentares do chamado Centrão foram alvo de críticas na manifestação, que defendeu a aprovação de pautas encampadas pelo Executivo, como a reforma da Previdência e o pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. “Centrão, fica aqui o aviso, se não tiver a nova Previdência, o negócio vai feder”, disse um dos manifestantes ao microfone. Dos trios, o nome do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, foi citado diversas vezes de forma negativa. Uma das faixas pedia #foraMaia e #foraSTF, Corte que também foi alvo de insatisfação durante o ato. Um grupo de pessoas em um dos trios elétricos se fantasiou de lagosta, em forma de protesto ao edital do STF que prevê refeições com lagosta e vinhos com premiação internacional. Outro assunto bastante recorrente entre os manifestantes foi o pedido para que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) fique nas mãos de Moro. O ministério que irá coordenar as atividades do conselho será definido pelo Congresso, que vota a reforma administrativa do governo Bolsonaro. A Câmara já votou para que o Coaf fique com Ministério da Economia.


VOLTAR