Brasil teve mais de 11,5 mil pessoas assassinadas no 1º trimestre do ano » Rede Acontece
Últimas
20-08-2018 » Brasileiro ainda não jogou | Com Vinicius Júnior no banco, Real bate Getafe na estreia no Espanhol 20-08-2018 » Números de um jeito descontraído | Jovem youtuber cria canal com dicas para popularizar matemática 20-08-2018 » Atlético-MG vence Bota por 3 a 0 | Luan celebra gol e alfineta: "Não me reconhecem às vezes" 20-08-2018 » Bateu na grade de proteção | Forte acidente na Indy destrói carro e leva piloto ao hospital 20-08-2018 » Cruzeiro empata com Bahia | Barcos reconhece má fase no Cruzeiro: "Preciso melhorar muito" 20-08-2018 » Inteligência artificial | Google promete identificar doença ocular melhor que médico 20-08-2018 » Pó de macaco | A droga que faz as pessoas pularem de prédios 20-08-2018 » Após saída de Mara | Feltrin: Fofocalizando pode perder ainda mais 20-08-2018 » Fã do casal | Fernanda Souza pede filho para Bruna e Neymar 20-08-2018 » Ritmo baladão | Dança dos Famosos tem Danton na liderança 20-08-2018 » "Estava congelada" | Faustão ironiza período de Rafaela Mandelli na Record 20-08-2018 » Não saíram do 0x0 | Flu e América abusam dos erros e ficam no empate 20-08-2018 » Crise migratória | Governo vai enviar 120 soldados da Força Nacional a RR 20-08-2018 » "Faz falta em qualquer time" | Felipão cita bom ambiente e elogia Deyverson 20-08-2018 » Brasileirão | São Paulo vence a Chapecoense e encerra 1º turno na liderança; veja gols 19-08-2018 » 1% mais rico | Se aprovado, reajuste do STF irá intensificar desigualdade 19-08-2018 » Futuro obscuro | Fome, guerra e ditadura: como filmes e séries 'previram' 2018 19-08-2018 » Após ligação de Tite | Gabriel Jesus promete mudar estilo para voltar à seleção brasileira 19-08-2018 » Tecnologia | Reduza o consumo de dados no WhatsApp com estas 4 dicas 19-08-2018 » Ranking de Eficiência | Nos estados, PMs se aposentam antes dos 50 anos de idade
Publicidade
lab laboratorio clinica master centro medico sao gabriel intersorft
4 de junho de 2018

Brasil teve mais de 11,5 mil pessoas assassinadas no 1º trimestre do ano

Foto Rede Acontece

Ao menos 11.578 pessoas foram assassinadas nos três primeiros meses deste ano no Brasil. É o que mostra o índice nacional de homicídios criado pelo G1, uma ferramenta que permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. O número de vítimas é ainda maior que esse – isso porque a estatística não comporta os dados de cinco estados, que não divulgam todos os números. Dois deles não informam os números de nenhum dos três meses. O número consolidado até agora contabiliza todos os homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, que, juntos, compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais. Foram 3.716 casos apenas em março. O mapa faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do G1 com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
Desde o início do ano, jornalistas do G1 espalhados pelo país solicitam os dados via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo Fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O objetivo é, além de antecipar os dados e possibilitar um diagnóstico em tempo real da violência, cobrar transparência por parte dos governos. Cinco estados, por exemplo, ainda não possuem todos os dados referentes a março – no caso do Mato Grosso do Sul, só parte da estatística é informada. Mais que isso, dois deles (Bahia e Paraná) também não informam os números de janeiro e fevereiro, mesmo vários meses depois.

Bahia: a secretaria não detalha a quantidade de crimes mês a mês nem a tipologia mensal das ocorrências (quantos são homicídios dolosos, latrocínios ou lesões seguidas de morte). O órgão diz que o setor que trabalha com o fechamento dos dados não determina um prazo para a conclusão e que, quando as informações forem liberadas, serão divulgadas. A pasta afirma apenas que ocorreram, ao todo, 1.993 mortes violentas no estado no período. Já a Ouvidoria diz que “os dados solicitados ainda estão sendo auditados para não correr riscos de erro”


VOLTAR