Brasil ultrapassa a marca de 62 mil mortes por ano » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Não quer gastar o 3G? | Veja como economizar dados móveis ao ver vídeos no YouTube 23-10-2018 » Equipe ficou exausta | Cena sem cortes de Demolidor precisou de 12 horas e sete takes 23-10-2018 » Design sedutor | Renault Mégane RS é o hot hatch que todos sonham no Brasil 23-10-2018 » Mutações | Se genoma é o mesmo, por que resultado de teste genético muda? 23-10-2018 » Meia do Palmeiras | Neymar pai tentou levar L. Lima ao Barça, mas saída de filho impediu 23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro: 'Somos a garantia da liberdade e da democracia' 23-10-2018 » Candidato do PT | Falas radicais do clã Bolsonaro dão tração a articulação pró-Haddad 23-10-2018 » 'Não tenho alternativa' | Torturado por Ustra, vereador do PV rejeita PT e defende voto nulo 23-10-2018 » Fim da campanha | Bolsonaro desiste de ir, e Globo cancela debate de 6ª 23-10-2018 » Falta 1 mês para liquidação | Confira seis dicas dos especialistas para se dar bem na Black Friday 23-10-2018 » Entrevista com Monica de Carvalho | Diretora do Google é quem faz surgir produto que você pesquisou antes 23-10-2018 » Bolsonaro falou em 'banir vermelhos' | Estudiosos de genocídios fazem alerta a discurso de 'eliminar adversário' 23-10-2018 » Disputa governo do Rio | Há um mito de que juiz não pode ser político, diz Wilson Witzel 23-10-2018 » Hoje, às 18h10 | UOL, Folha e SBT promovem debates em São Paulo e Rio 23-10-2018 » Juiz de primeira instância | Sinalização de que Bolsonaro pode indicar Moro ao STF desagrada cortes 23-10-2018 » Forças no Congresso | Apoio a Maia para presidir a Câmara ganha força no PSL 23-10-2018 » O que prometem os candidatos | Veja quais são as propostas de Bolsonaro e Haddad para a economia
Publicidade
5 de junho de 2018

Brasil ultrapassa a marca de 62 mil mortes por ano

Foto Rede Acontece

No ano de 2016, 62.517 pessoas foram assassinadas no Brasil, o que equivale a uma taxa de 30,3 mortes para cada 100 mil habitantes. Os dados são do Ministério da Saúde e foram divulgados hoje (5) no 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, apresentado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Segundo a análise, a taxa de homicídios no Brasil corresponde a 30 vezes a da Europa, e o país soma 553 mil pessoas assassinadas nos últimos dez anos. Todos os estados que lideram a taxa de letalidade estão na Região Norte ou no Nordeste: Sergipe (64,7 para cada 100 mil habitantes), Alagoas (54,2), Rio Grande do Norte (53,4), Pará (50,8), Amapá (48,7), Pernambuco (47,3) e Bahia (46,9). As maiores variações na taxa foram observadas em São Paulo, onde houve redução de 56,7%, e no Rio Grande do Norte, que registrou aumento de 256,9%.

Juventude negra
A violência letal contra jovens continua se agravando nos últimos anos e já responde por 56,5% das mortes de homens entre 15 e 19 anos de idade. Na faixa entre 15 e 29 anos, sem distinção de gênero, a taxa de homicídio por 100 mil habitantes é de 142,7, e sobe para 280,6, se considerarmos apenas os homens jovens. O problema se agrava ao incluir a raça/cor na análise. Nos últimos dez anos, a taxa de homicídios de indivíduos não negros diminuiu 6,8% e a vitimização da população negra aumentou 23,1%, chegando em 2016 a uma taxa de homicídio de 40,2 para indivíduos negros e de 16 para o resto da população. Ou seja, 71,5% das pessoas que são assassinadas a cada ano no país são pretas ou pardas

Feminicídio e estupro

A violência contra a mulher também piora a cada ano. Os dados apontam que 68% dos registro de estupro são de vítimas menores de 18 anos e quase um terço dos agressores das crianças de até 13 anos são amigos e conhecidos da vítima e 30% são familiares mais próximos como país, mães, padrastos e irmãos. Quando o criminoso é conhecido da vítima, 54,9% dos casos são ações recorrentes e 78,5% dos casos ocorreram na própria residência.

Controle de armamento

Os pesquisadores ressaltam a importância de uma política de controle responsável de armas de fogo para aumentar a segurança de todos. Segundo a pesquisa, entre 1980 e 2016, 910 mil pessoas foram mortas por perfuração de armas de fogo no país. No começo da década de 1980, os homicídios com arma de fogo eram 40% do total e chegou a 71,1% em 2003, quando foi implantado o Estatuto do Desarmamento. A proporção se manteve estável até 2016. O levantamento aponta, ainda, que os estados onde houve maior crescimento da violência letal são os mesmos onde cresceu a vitimização por arma de fogo.


Tags:
VOLTAR