Brasileiro lidera equipe que investiga ataque químico na Síria » Rede Acontece
Últimas
19-07-2018 » 'Não me entrego' | Com câncer, Ana Furtado diz: 'Decido todo dia por viver' 19-07-2018 » Vale ver de novo? | Veja as novelas recordistas em reprises na TV 19-07-2018 » Ex de Chay | Após fim de noivado, Laura mostra clique nua 19-07-2018 » Em novo ramo | Ronaldinho cria própria criptomoeda e inicia pré-venda 19-07-2018 » Brasileiro | São Paulo vence Flamengo e vira vice-líder; veja o gol 19-07-2018 » Mercado de trabalho | Site permite fazer currículo em pequeno vídeo e saber se foi visto 19-07-2018 » Em Itaquera | Corinthians bate Botafogo e encerra série negativa 19-07-2018 » Bola aérea letal garantiu vitória | Grêmio vence o Atlético-MG por 2 a 0 na volta do Brasileirão; assista aos gols 19-07-2018 » Nova denúncia contra o médico | Estudante diz que 'Dr. Bumbum' usou silicone industrial em seu glúteo 19-07-2018 » Como mudar um psicopata? | Especialistas tentam elaborar terapias para infratores violentos reincidentes 19-07-2018 » UOL Confere falas do governador | Márcio França erra ao citar dados do ensino superior paulista no Roda Viva 19-07-2018 » Mais sensíveis ao estresse | Como a depressão na gravidez afeta a saúde e o comportamento dos bebês 19-07-2018 » Ex-presidente preso | TSE nega pedido para declarar Lula inelegível já 19-07-2018 » Mais uma mudança de discurso | Putin seria o responsável por interferência na eleição, diz Trump 19-07-2018 » Pré-candidato do partido | PDT pede ponderação a Ciro e se preocupa com impacto de xingamento 19-07-2018 » Crime no interior de SP | Trio matou Vitória ciente de que ela não era o alvo, diz Promotoria 19-07-2018 » Médico está foragido | 'Dr. Bumbum' se entregará após negociar com polícia, diz defesa 18-07-2018 » Sífilis, herpes, HPV e mais | Sexo oral desprotegido também pode transmitir doenças; veja quais 18-07-2018 » Após Copa do Mundo | Refugiados creem que título francês abre porta a africanos na Europa 18-07-2018 » Sadovski | Coringa de Ledger pode ser arruinado pela nova versão do vilão?
Publicidade
lab laboratorio centro medico sao gabriel clinica master grafica bandeirante supermercado centrel intersorft
16 de abril de 2018

Brasileiro lidera equipe que investiga ataque químico na Síria

Foto Peter Nicholls

Foto Peter Nicholls

É de um brasileiro a responsabilidade de descobrir quais elementos foram usados na suposta arma química lançada pelo governo de Bashar al-Assad contra a cidade de Douma, na Síria, no último dia 7. Diretor de inspeções da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), o cientista Marcelo Kós lidera o esquadrão que está na capital síria desde o sábado (14). “A equipe da FFM (Missão para Encontrar Provas) chegou a Damasco, na Síria, para começar os trabalhos”, informou a organização no Twitter. Apontado como causa da morte de dezenas de pessoas e do envenenamento de centenas, o atentado químico é usado como justificativa para o lançamento de 100 mísseis pelos Estados Unidos, França e Inglaterra contra território sírio, na nesta sexta-feira (13). A operação maciça teve como alvo três instalações — duas a Oeste de Homs e uma na área de Damasco — que estariam relacionadas a um suposto programa de armas químicas sírias. Damasco nega qualquer atentado biológico em Douma. A Rússia também chamou de “montagem” o alegado uso de agentes tóxicos e insiste na investigação da Opaq. Em entrevista ao Fantástico, especialistas explicaram que existem cinco classes de armas químicas. Os neurotóxicos, como os gases Sarin e o ainda mais potente VX, causam pane no sistema nervoso central, provocando dificuldade de respirar, convulsão, salivação excessiva e ataque cardíaco. As armas sufocantes, como o cloro, provocam sensação de sufocamento, ardor nos olhos, boca e nariz, além de acúmulo de líquido no pulmão. Os gases sanguíneos usam cianeto para bloquear a oxigenação nas células e causar a

As toxicinas, como a Ricina e a Saxitoxina, provocam irritação nos olhos, nariz e garganta, além de edema pulmonar e podem matar. Ao contrário das vesicantes, como o Gás Mostarda, que não é letal, mas atacam a pele, causam dor intensa e podem levar à cegueira. As armas químicas foram proibidas em acordo humanitário internacional, firmado na Convenção de Genebra, e, desde 1997, entrou na jurisdição da Opaq, que investiga e destrói armas em laboratórios de Porton Down, no Sul da Inglaterra.


VOLTAR