Fachin determina bloqueio de R$ 12,8 milhões da família de Geddel » Brumado Acontece
07-12-2017

Fachin determina bloqueio de R$ 12,8 milhões da família de Geddel

Foto Brumado Acontece

Foto Brumado Acontece

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou nesta quarta-feira (6) o bloqueio de R$ 12,8 milhões em cotas de empreendimentos imobiliários da família do ex-ministro Geddel Vieira Lima, um dos principais aliados do presidente Michel Temer, preso na Papuda, em Brasília. Geddel, seu irmão, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), e a mãe deles, Marluce, foram denunciados pela PGR (Procuradoria-Geral da República) sob acusação de lavagem de dinheiro e associação criminosa. A PGR pede para que eles sejam condenados a pagar R$ 51 milhões como indenização por danos morais, além de perder esse mesmo valor, apreendido em um “bunker” em Salvador, e de outros bens ligados aos supostos crimes de que são acusados. Parte do dinheiro ilícito era inicialmente ocultada em um closet na casa da mãe de Geddel, e foi transferido no ano passado para o apartamento que ficou conhecido como o “bunker” de Geddel, onde a PF localizou malas com dinheiro vivo, em reais e dólares, segundo a PGR. De acordo com os investigadores, “mais do que meramente ser escondido” pela família Vieira Lima, o dinheiro sujo era ocultado para, entre outras coisas, ser aplicado em investimentos no mercado de incorporação imobiliária de alto luxo na capital baiana, por meio do Grupo Cosbat. “Pelo menos R$ 12.778.895,49 haviam sido usados por eles para adquirir cotas de participação de empreendimentos da Cosbat, em Salvador, mediante o uso de interpostas pessoas jurídicas ligadas a Geddel (as empresas GVL e M&A) e a Lúcio (a empresa Vespasiano)”, sustenta a denúncia. Tais empresas ligadas à família, segundo a investigação, foram usadas para lavar dinheiro. A defesa dos Vieira Lima ainda não se manifestou sobre a decisão do ministro. Fachin autorizou a abertura de um novo inquérito contra os Vieira Lima -Marluce, Lúcio, Geddel e o irmão mais velho, Afrísio. Em depoimento à Polícia Federal, o ex-assessor da família,Job Brandão, disse que devolvia parte do seu salário para a família, que ficava guardado no apartamento de Marluce, em caixas e

Segundo ele, Marluce “tinha ciência do dinheiro guardo e também pedia que o declarante separasse dinheiro a pedido de Geddel e Lúcio”.

MEDIDAS RESTRITIVAS

A PGR pediu para que Lúcio e Marluce cumpram recolhimento noturno e nos dias de folga, além de usarem tornozeleira e pagar fiança.

Fachin determinou que eles se manifestem sobre o pedido da Procuradoria.

“Nada obstante a relevância dos fatos trazidos ao conhecimento do juízo pela denúncia, os quais, ao sentir do órgão acusatório, justificariam a imposição imediata de recolhimento noturno, monitoramento eletrônico e exigência de fiança () facultando a esses denunciados (Marluce e Lúcio), no prazo de resposta, manifestação quanto à pretensão cautelar”, escreveu o magistrado.


Em quem você votaria para representar Brumado na Assembleia Legislativa em 2018? Castilho Viana Emanuel Araújo Genivaldo Azevedo Gilson Dias Jose Ribeiro Tiago Amorim

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

AQUIVO ACONTECE

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com