Câmara pauta crise de refugiados e transporte de cargas nesta semana » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 20-05-2019 » Em requerimento | Kajuru pede explicações a Bolsonaro sobre 'conchavos' 20-05-2019 » Game of Thrones | Análise: final sofreu de mesmos problemas que toda a temporada 20-05-2019 » Manifestações convocadas | Para militares, chamado de Bolsonaro às ruas pode levar economia ao caos 20-05-2019 » Perdão de cerca de R$ 70 mi | Bolsonaro sanciona anistia a partidos políticos após ter dito que vetou o projeto 20-05-2019 » Marca nega acusações | Loja Três é denunciada: veja relatos de racismo, assédio e gordofobia 20-05-2019 » Em Barão dos Cocais (MG) | Chance de barragem se romper quando talude cair é de 10% a 15%, diz secretário 20-05-2019 » Articulação no Congresso | Se Câmara e Senado têm proposta, votem, diz Bolsonaro sobre reforma 20-05-2019 » Não libera | Maisa Silva: 'Globo está dificultando demais o meu programa' 20-05-2019 » De Globo a Record | Frustradas com Jair Bolsonaro, redes de TV adiam novos projetos 20-05-2019 » Brilhou em festa | Após ofuscar Neymar, Mbappé admite deixar Paris por "novo projeto" 20-05-2019 » Foi assaltado | Compadre Washington é internado após show na Virada Cultural 20-05-2019 » Da Toro Rosso | Conheça o piloto mais 'brasileiro' do grid. E genro de Piquet 20-05-2019 » Adriana Ancelmo | Mulher usa carteira da OAB para ver Cabral irregularmente 20-05-2019 » Renda do trabalhador | Por que o mínimo subiu 115%, mas aposentadoria só 81% em 10 anos? 20-05-2019 » Educação | Ao menos 12 universidades federais do país têm cotas para alunos trans 20-05-2019 » Após boicote de Trump | Google tira Android de celulares Huawei, e 'guerra fria' avança; entenda 20-05-2019 » Fundo de investimentos | Edital para construção de autódromo no Rio tem só um interessado 20-05-2019 » Regina Navarro | 'Amo meu marido, mas não sinto desejo por ele' 20-05-2019 » Josias de Souza | Centrão trama impor ao governo uma 'pegadinha' 20-05-2019 » R. Azevedo | Por que Bolsonaro não define o que é 'nova política'?
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
4 de junho de 2018

Câmara pauta crise de refugiados e transporte de cargas nesta semana

Foto Michel Jesus

O plenário da Câmara dos Deputados pode votar, a partir de terça-feira (5), o projeto de lei que regulamenta o transporte rodoviário de cargas no País.A proposta, de autoria da deputada Christiane de Souza Yared (PR-PR), conta com um substitutivo do deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) aprovado pela comissão especial sobre o tema.

No texto, são estabelecidas as formas de contratação dos transportadores (autônomos, de cooperativa ou empresa), regras para a segurança nas estradas e normas para a contratação de seguros em caso de acidentes, perda de mercadoria e até furtos e assaltos. O substitutivo cria o vale-pedágio, mecanismo de pagamento automatizado que será obrigatório.

Torna ainda obrigatória a inspeção de segurança veicular de todos os veículos de carga, com maior frequência quanto mais velho o veículo. Outro projeto em pauta é do deputado Celso Russomanno (PRB-SP), que fixa em 10% o percentual que a incorporadora poderá reter de valores pagos por imóvel na planta quando houver desistência do comprador.

Um substitutivo pendente de votação na comissão especial, de autoria do deputado Jose Stédile (PSB-RS), permite a retenção de até 25% dos valores pela desistência do comprador, mas fixa multa de 1% ao mês de atraso na entrega do imóvel após 180 dias do prazo previsto, facultando ao comprador optar pela devolução de todos os valores pagos e multa contratual em até 60 dias.

Refugiados

Entretanto, o primeiro item da pauta é a Medida Provisória 820/18, que disciplina ações de assistência emergencial para acolhimento de estrangeiros que se refugiam no Brasil em razão de crises humanitárias em seus países de origem. A MP é voltada, inicialmente, para atendimento dos venezuelanos que estão migrando em massa para Roraima. Segundo o projeto de lei de conversão do relator da MP, deputado Jhonatan de Jesus (PRB-RR), a medida alcança também migrantes nacionais e prevê a ampliação das políticas de proteção social e atenção à saúde, além da oferta de atividades educacionais, cursos de profissionalização, abrigo e saneamento.

O relator incluiu regras sobre licenciamento ambiental em terras indígenas, alterando a Política Nacional do Meio Ambiente. Esse tema não constava da MP original. Pelo texto, a Funai terá 30 dias para se manifestar sobre a realização de estudos ambientais nas terras indígenas para a implantação de empreendimentos. Caso não haja parecer, o empreendedor poderá fazer o estudo dos impactos da obra com outros dados.

Também está na pauta projeto de lei elabora pelo deputado Julio Lopes (PP-RJ) que regulamenta a emissão de duplicatas eletrônicas. Duplicata é um título de crédito que, por ter força equivalente a uma sentença judicial transitada em julgado, pode ser executado para cobrar débitos decorrentes de operações de compra e venda a prazo, o que não ocorre com boletos e notas promissórias, que precisam ser contestados judicialmente. Segundo o texto, será dispensado o protesto dessas duplicatas, inclusive para a prova da inadimplência.

Cadastro positivo

Os deputados poderão analisar ainda os destaques ao projeto sobre o cadastro positivo obrigatório. O texto-base da matéria foi aprovado no último dia 9, na forma do substitutivo do relator, deputado Walter Ihoshi (PSD-SP). Os dois principais destaques apresentados ao projeto, de autoria do PT e do Psol, pretendem manter o cadastro positivo como uma opção do consumidor e evitar o envio de informações financeiras aos gestores de banco de dados sem quebra de sigilo bancário. O cadastro positivo já existe, mas é optativo. Com a obrigatoriedade proposta, os gestores de bancos de dados terão acesso a todas as informações sobre empréstimos quitados e obrigações de pagamento que estão em dia.

Esses dados serão usados para se encontrar uma nota de crédito do consumidor, que poderá ser consultada por interessados. Os defensores da obrigatoriedade de participação argumentam que a medida ajudará a baixar os juros finais aos consumidores. Já os contrários dizem que o acesso aos dados aumentará a chance de vazamento de informações, caracterizando quebra de sigilo.


VOLTAR