Cármen dá 48 horas para União se manifestar sobre repasses a Estados » Rede Acontece
Últimas
26-04-2019 » Réu em ação penal no STF | PGR quer perda do mandato e condenação de Collor a 22 anos de prisão 26-04-2019 » Libertadores | Palmeiras vence Melgar, vira líder e se garante nas oitavas 26-04-2019 » Ministro nega censura | Moraes responde Fachin e defende inquérito que apura ofensas ao STF 26-04-2019 » Dados do Saeb | Metade dos diretores diz que alunos agridem funcionários na escola 26-04-2019 » 'É um desplante' | Colunista de jornal português rebate Moro sobre ex-premiê 26-04-2019 » 20 clubes da Série A | Times do Brasileiro devem R$ 1,8 bilhão à União; veja ranking 26-04-2019 » Pode acreditar | Cientistas descobrem que 'sentimos cheiro' com a língua 26-04-2019 » Copa do Brasil | Santa Cruz vence, mas Flu leva a melhor nos pênaltis e vai às oitavas 26-04-2019 » Na Flórida | Morre John Havlicek, lenda dos Boston Celtics, aos 79 anos 26-04-2019 » Discurso forte nos EUA | STF está sob ataque e sofre momento de descrédito, afirma Barroso 26-04-2019 » TCU autorizou nova gráfica | Enem não terá ideologia, dizem ministro e Bolsonaro: 'Foquem na técnica' 26-04-2019 » Senador alega sigilo de dados | Justiça nega nova tentativa de Flávio em bloquear apuração de caso Queiroz 26-04-2019 » Renúncia fiscal | STF amplia em R$ 16 bi por ano subsídio à Zona Franca de Manaus 26-04-2019 » Resumo do dia | Entrevistas de Lula e Previdência na Câmara são destaques 26-04-2019 » Reforma da Previdência | 'Não é meu papel construir maioria', diz chefe de comissão 26-04-2019 » Vídeo de diversidade racial e sexual | Presidente do BB atende Bolsonaro, demite diretor e tira do ar comercial 26-04-2019 » Falta de representatividade | Ela viu faturamento crescer 400% ao vender bonecas negras 26-04-2019 » Uma São Paulo fora do mapa | Em periferia sem CEP ou segurança, até mercearia vira caixa postal 26-04-2019 » Alienação parental vira desculpa | Para mães, judiciário é conivente com abuso sexual dentro da família
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
14 de julho de 2018

Cármen dá 48 horas para União se manifestar sobre repasses a Estados

Foto: Marcelino Neto

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, deu prazo de 48 horas nesta sexta-feira, 13, para a União se manifestar sobre alegações de doze Estados e do Distrito Federal, que entraram com ação na Corte para que a União franquie o acesso aos sistemas informatizados que tratam do controle do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Encabeçada por Minas Gerais, as ações são assinadas por Piauí, Acre, Maranhão, Paraíba, Rondônia, Distrito Federal, Bahia, Pará, Rio Grande do Norte, Amapá e Ceará. Os Estados questionam a reclassificação de receita que integram o FPE, principalmente as advindas de programas de parcelamento (Refis). Estimam que isso tenha causado um prejuízo de R$ 14 bilhões nos últimos cinco anos. Os Estados alegam que a União recebe por meio do Refis (programa de parcelamento de dívidas tributárias) impostos que devem ser repartidos com os Estados, como Imposto de Renda e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Os valores, no entanto, entram no cofre federal de forma unificada, por meio de um código geral do programa, e têm de ser reclassificados de acordo com o tributo a que se referem originalmente. Só depois dessa nova classificação podem ser repartidos com Estados e municípios. Os Estados reclamam, no entanto, que a União não tem feito a reclassificação em até quatro meses após a arrecadação, como seria exigido por lei, o que inviabiliza o repasse tempestivo dos recursos. Além disso, afirmam que a União não permite acesso a seus sistemas, impedindo o controle pelos entes dos valores que devem ser efetivamente repartidos. “Nós sabemos que os Estados estão perdendo há muito tempo. Temos direito aos recursos e a União nunca prestou conta”, disse o advogado-geral de Minas Gerais, Onofre Batista. Foram apresentadas duas ações: uma pedindo a prestação de contas que mostrem como foram feitas as reclassificações de receitas provenientes de Refis nos últimos cinco anos, assim como os cálculos para repasses aos Estados. Outra ação pede que os Estados possam acessar os sistemas da União para controlar os dados futuros do FPE. Cármen pediu que a União se manifeste sobre a segunda ação. A de prestação de contas ainda não chegou às mãos da ministra, de acordo com o andamento processual. A presidente é responsável por despachar sobre pedidos que chegam à Corte durante o recesso, que dura todo o mês de julho. O relator da ação é o ministro Ricardo Lewandowski. As peças se basearam em auditoria interna feita por Minas Gerais, que concluiu que há fortes indícios de que a União não reclassificou tributos arrecadados nos parcelamentos, o que impediu o repasse aos Estados. “Ao lidar com atividade a envolver direito dos Estados, a União deve respeito aos princípios da publicidade e da transparência”, afirma a ação. Há um mês, vinte e dois Estados e o Distrito Federal entraram com outra ação no STF cobrando o repasse pelo governo federal de recursos referentes a impostos que não são divididos com eles. Na ação, que ainda não foi julgada, os Estados pedem que a União repasse 20% das receitas de contribuições que são desvinculadas por meio da Desvinculação das Receitas da União (DRU). A estimativa é que o valor pode chegar a R$ 21 bilhões por ano. A DRU, prevista na Constituição Federal, permite que o governo federal use 30% da verba arrecadada com contribuições sociais, como PIS/Cofins, para outras finalidades que não as previstas para essas contribuições. Na prática, o governo pode aplicar os recursos destinados à Previdência, saúde e seguridade social em outras áreas. O argumento dos governos estaduais é que a verba da DRU acaba tendo a função de imposto e, por isso, 30% do seu montante deveria ser distribuído aos estados. Os Estados argumentam que o governo criou contribuições para fugir da obrigatoriedade de repassar 20% das receitas, exigida para os impostos em geral. Com isso, esses tributos deixam de cumprir o papel de contribuição, em que a receita é destinada a um gasto específico, como Previdência. No entendimento dos Estados, as receitas desvinculadas deveriam ser divididas com eles. Procurada, a Fazenda disse que o Tesouro Nacional dá “total publicidade” aos repasses na página do órgão, inclusive disponibilizando as previsões.


VOLTAR