Cecília Meireles e Malala terão obras distribuídas em escolas públicas » Rede Acontece
Últimas
24-03-2019 » Começou com ex-pastor evangélico | Islã ganha seguidores e muda cara de cidade no interior nordestino 24-03-2019 » Profissionais não deixaram o Brasil | Cubanos que ficaram após fim do Mais Médicos relatam dificuldades 24-03-2019 » Para alunos de medicina e odontologia | Alckmin ressurge como professor Geraldo em 'aulas-discurso' em SP 24-03-2019 » Reforma da Previdência | Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo 24-03-2019 » Aos 82 anos | Morre no Rio de Janeiro o ator e diretor Domingos de Oliveira 24-03-2019 » Presidente do STF | Toffoli: 'Solução' para o país virá pelo diálogo, não pelo Judiciário ou militares 24-03-2019 » Campeonato Paulista | Federação revela ângulo usado no VAR e vê 'gol legal'; Palmeiras rebate 24-03-2019 » Brasil 1 x 1 Panamá | Tite se preocupa com criatividade, mas não vê Brasil abaixo do esperado 24-03-2019 » Cruzeiro no mar da Noruega | Vídeos mostram tensão de passageiros à espera de resgate em navio à deriva 24-03-2019 » Na Infraestrutura | Ministro Tarcísio de Freitas vira 'queridinho' de Bolsonaro 24-03-2019 » Assista aos gols | Bangu vira nos acréscimos e vence Vasco em São Januário 24-03-2019 » IR 2019 | Pague menos imposto com deduções de dependente e saúde 24-03-2019 » Ajuda de apps | Quer gravar as ligações que faz no celular? Saiba como fazer 24-03-2019 » Reclamação | Colecionadores: Placa Mercosul não tem o 'charme da placa preta' 24-03-2019 » Quartas do Paulistão | Santos tem gol anulado pelo VAR, mas vence Red Bull e abre vantagem 24-03-2019 » Prisão do ex-presidente | Anônimo tentou depositar R$ 20 mi em dinheiro para empresa de amigo de Temer
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
16 de outubro de 2018

Cecília Meireles e Malala terão obras distribuídas em escolas públicas

Foto Reprodução

Foi quando fiz o estágio do curso de licenciatura em língua portuguesa, obrigatório em escolas da rede estadual para os alunos da Universidade de São Paulo, que descobri uma realidade triste: as crianças não estavam levando os livros didáticos para casa.

Eles eram usados em aula e guardados nos armários para que pudessem ser reutilizados pelas turmas seguintes. Isso está longe de ser uma novidade para pais e alunos da escola pública, mas é um assunto a ser debatido sempre.

Uma das professoras com que convivi, que prefere não se identificar, costumava dizer que, se seus alunos fossem capazes de deixar um bilhete inteligível ao patrão, ela já estaria satisfeita. Porque, dessa forma, saberia que eles ao menos estariam aptos a conseguir um trabalho. Isso foi em 2014.

Uma luz no fim do túnel se abriu na última semana. De acordo com o novo PNLD (Programa Nacional do Livro e do Material Didático Literário), alunos da rede pública receberão exemplares de literatura em 2019, além do material didático.

A escolha das obras, segundo o Ministério da Educação, será das próprias escolas credenciadas, a partir da opinião de diretores e professores. Professora de língua portuguesa do Colégio Presbiteriano Mackenzie, Margareth Tringoni vê a ação como uma forma de tentar personalizar o acesso à leitura.

“Esse sempre foi o sonho dos professores das escolas públicas, pelo menos o meu, quando lecionava no estado. A leitura na biblioteca, ou em projetos de sala de leitura, fica restrita ao ambiente. As crianças precisam de tempo e muitos estímulos para criar o gosto pela leitura. É imprescindível esse acesso individual, particular e customizado, em uma proposta séria de aquisição de vocabulário, de interpretação adequada do enredo e de despertar interesse pela leitura”, avalia ela.

No catálogo para o ensino médio, estão livros como a biografia da paquistanesa “Malala” (R$ 37,90, 216 págs., Seguinte, selo da Cia. das Letras), a mais jovem a receber um Prêmio Nobel da Paz; o clássico de ficção “Admirável Mundo Novo” (R$ 39,90, 312 págs., Biblioteca Azul, selo da Globo Livros), de Aldous Huxley; e poemas de Cecília Meireles (1901-1964). A previsão é que os estudantes recebam os dois livros literários.

“A vida difícil de Malala pode despertar o interesse dos jovens brasileiros. Estamos imersos em uma sociedade muitas vezes discriminatória, preconceituosa, violenta. A personagem vive conflitos fisicamente tão distantes do Brasil e tão próximos de nossa realidade. Essa situação de espelhar e buscar referências atrai os jovens. Além dos aspectos culturais envolvidos nessa obra literária, temos valores altruístas oferecidos para uma população carente de bons exemplos”, avalia a professora Margareth.

Questionado, o Programa Nacional do Livro e do Material Didático Literário afirma que a determinação legal é que os livros, reutilizáveis ou consumíveis, sejam entregues aos alunos e possam ser levados para casa. Sendo que os últimos devem ser conservados e devolvidos ao fim do ano. Diz ainda que as obras literárias destinadas aos alunos devem ser entregues em caráter definitivo.

Meu avô Vlademir Masutti, a quem dedico esta coluna, foi quem sempre me incentivou a ter curiosidade sobre o mundo. Era um sonhador e imaginava uma realidade ao seu redor mais colorida e interessante do que muitas vezes ela era.

Foi marceneiro, contador, empresário, praticante de tai chi chuan e palmeirense fervoroso. Amava observar o mar e as estrelas. E escrevia muito bem, além de esbanjar uma caligrafia elegante.

Considero essa busca descompromissada pelo conhecimento e a maneira mágica de ressignificar a vida a maior herança que ele me deixou. São elementos literários que, assim como a cultura, nada nem ninguém nunca vai poder tirar de nós.


VOLTAR