Cérebro Médico do Google analisa a probabilidade de morte dos doentes » Rede Acontece
Últimas
15-02-2019 » Mudanças na Previdência | Idade inicial, capitalização e transição ainda são dúvidas na reforma 15-02-2019 » Líderes foram transferidos | Cúpula do PCC só soube que iria para presídio federal ao embarcar em avião 15-02-2019 » 'Onde estiver estarei' | A história de amor que movia Christian, morto no CT do Flamengo 15-02-2019 » Confissões de Carnaval | 'Os artistas que eu olhava na televisão já peguei todos', diz Gabi Prado 15-02-2019 » 'A gente parou de se falar' | Marcelo Falcão conta por que não foi ao enterro de Yuka, da banda O Rappa 15-02-2019 » Crise no governo | Chamado de mentiroso por Bolsonaro, Bebianno tem OK para manter cargo 15-02-2019 » Na Câmara do RJ | Carlos Bolsonaro apoia medalha a Mourão após crítica a 'discussão' 15-02-2019 » Ricardo Feltrin | Record rompe acordo e tira profissionais do SBT; Silvio vai retaliar 15-02-2019 » Reclamou de contexto | Damares aconselha pais de meninas a fugirem do Brasil 15-02-2019 » Teria de cobrar R$ 4 | SP desafia decisão da Justiça e mantém tarifa de ônibus a R$ 4,30 15-02-2019 » Senadora líder da CCJ | Tebet: 'Estou com as mulheres, mas sou contra o aborto' 15-02-2019 » Ela estará no CarnaUOL, em SP | Humor: Blogueirinha sugere derrubar bebida e se desculpar ao ver famoso na festa 15-02-2019 » UOL já viu o filme | Crítica: Marighella é um produto do Brasil polarizado pós-2013 15-02-2019 » Presidente dos EUA | Trump declara emergência nacional para construir muro na fronteira com o México 15-02-2019 » Morto em supermercado do RJ | Mãe viu filho levar 'gravata' de vigia e diz que ele iria para clínica
Publicidade
25 de junho de 2018

Cérebro Médico do Google analisa a probabilidade de morte dos doentes

Foto: Reprodução

O Google é pioneiro em várias áreas e, agora, tem depositado todas as suas fichas na área da saúde. Segundo o site Digital Trends, “o Google está batendo os hospitais no seu próprio jogo”. O motor de busca mais famoso do mundo prepara-se para lançar o Cérebro Médico da tecnológica, que será capaz de avaliar os riscos de falecimento de cada paciente, isto é, de prever a morte dos mesmos de forma mais precisa que qualquer ferramenta médica ao dispor dos hospitais.

Um dos investigadores da empresa garante que “este modelo é superior aos tradicionais meios usados. Acreditamos que poderá ser usado para criar previsões precisas para uma variedade de cenários clínicos”, disse ao Journal Nature.

Ainda assim, esta tecnologia pode ser um tanto ao quanto assustadora, uma vez que o algoritmo do Google não tenta encontrar formas de salvar os doentes, procurando apenas saber o quão provável é que acertem as probabilidades de do indivíduo morrer.

O Google já usou a sua Inteligência Artificial para avaliar uma doente com câncer da mama. Nas primeiras 24 horas depois de dar entrada no complexo hospitalar, o sistema lhe deu 19.9% de hipóteses de morrer no hospital, uma percentagem substancialmente maior do que a dada pelo hospital (9,3%). Duas semanas depois a paciente acabou mesmo por falecer.

Mas como é que funciona este cérebro? A inteligência Artificial analisou 175,639 dados encontrados na ficha médica digital da paciente, de modo a estimar a percentagem posteriormente fornecida.


VOLTAR