Cérebro Médico do Google analisa a probabilidade de morte dos doentes » Rede Acontece
Últimas
18-11-2018 » Aquecimento global | Ártico derrete 13% por década; Polo Norte pode não ter gelo no verão 18-11-2018 » Tecnologia de ponta | Navio e drones ajudaram a encontrar submarino argentino desaparecido 18-11-2018 » Maioria é de advogados | Em 6 meses, Lula recebe 572 visitas na sede da PF em Curitiba 18-11-2018 » Completa 25 anos | 'Somos vintage, nunca saímos de moda', diz grupo É o Tchan 18-11-2018 » Seleção brasileira | Indiscutível, Casemiro é 'problema' para Tite por não ter reserva 18-11-2018 » Sedã icônico | Estrela do Salão de SP, novo BMW Série 3 será vendido e feito no Brasil 18-11-2018 » Ex-SP foi assassinado | Caso Daniel e como o futebol age contra jogador 'todo-poderoso' 18-11-2018 » Ricardo Feltrin | Ruptura nem pensar: SBT fatura milhões ao ano com Claudia Leitte 18-11-2018 » Tentam manter relevância | Partidos derrotados buscam reinvenção após pleito polarizado 18-11-2018 » Contrapartida a aumento | Juízes querem que STF deixe para 2019 análise do fim do auxílio-moradia 18-11-2018 » Mais Brasileirão | Palmeiras enfrenta o Paraná para pôr mão na taça e passar rival 18-11-2018 » Bateu Vasco por 1 a 0 | Aliviado, Corinthians só pensa em 'terminar o ano com dignidade' 18-11-2018 » Localizado após 1 ano | Resgate de submarino poderia pôr em risco outras vidas, diz juíza 18-11-2018 » Programa federal | Não são só cubanos do Mais Médicos que não precisam fazer o Revalida; entenda 18-11-2018 » Vai chefiar Agricultura | Parceira da JBS, futura ministra deu incentivos fiscais à empresa em MS 18-11-2018 » Portões abrem às 12h | Unicamp tem 1ª fase hoje; veja o que levar e esperar da prova 18-11-2018 » Investimentos | Com fim da queda de preços, cenário é bom para comprar imóveis
Publicidade
25 de junho de 2018

Cérebro Médico do Google analisa a probabilidade de morte dos doentes

Foto: Reprodução

O Google é pioneiro em várias áreas e, agora, tem depositado todas as suas fichas na área da saúde. Segundo o site Digital Trends, “o Google está batendo os hospitais no seu próprio jogo”. O motor de busca mais famoso do mundo prepara-se para lançar o Cérebro Médico da tecnológica, que será capaz de avaliar os riscos de falecimento de cada paciente, isto é, de prever a morte dos mesmos de forma mais precisa que qualquer ferramenta médica ao dispor dos hospitais.

Um dos investigadores da empresa garante que “este modelo é superior aos tradicionais meios usados. Acreditamos que poderá ser usado para criar previsões precisas para uma variedade de cenários clínicos”, disse ao Journal Nature.

Ainda assim, esta tecnologia pode ser um tanto ao quanto assustadora, uma vez que o algoritmo do Google não tenta encontrar formas de salvar os doentes, procurando apenas saber o quão provável é que acertem as probabilidades de do indivíduo morrer.

O Google já usou a sua Inteligência Artificial para avaliar uma doente com câncer da mama. Nas primeiras 24 horas depois de dar entrada no complexo hospitalar, o sistema lhe deu 19.9% de hipóteses de morrer no hospital, uma percentagem substancialmente maior do que a dada pelo hospital (9,3%). Duas semanas depois a paciente acabou mesmo por falecer.

Mas como é que funciona este cérebro? A inteligência Artificial analisou 175,639 dados encontrados na ficha médica digital da paciente, de modo a estimar a percentagem posteriormente fornecida.


VOLTAR