CNJ já acumula seis representações contra plantonista e uma contra Moro » Rede Acontece
Últimas
17-11-2018 » Mensagem circulando nas redes é falsa | Não é verdade que cédulas de US$ 100 perderão o valor em 2019 17-11-2018 » Estilo agrada Bolsonaro | Brasil tem condições de adotar a política externa agressiva de Trump? 17-11-2018 » Caravana tenta entrar nos EUA | O dia em que 12 mil migrantes chegaram à Cidade do México 17-11-2018 » Resgate ainda não foi definido | Localização de submarino argentino deixa parentes de tripulantes 'chocados' 17-11-2018 » Fogo avança nos EUA | Incêndios na Califórnia deixam mais de 70 mortos e 1.000 desaparecidos 17-11-2018 » Mandou suspender pagamento | Decisão de Gilmar sobre planos econômicos é alvo de petições no STF 17-11-2018 » A partir de R$ 80 mil | Salão de SP: como é dormir no Mitsubishi L200 Motorhome? 17-11-2018 » Foco total | 36 aviões por hora: a rotina na torre de controle de Congonhas 17-11-2018 » Falou de Bolsonaro | Silvio não sabia da participação de Lula no Teleton 2008, diz SBT 17-11-2018 » Procurando emprego? | Currículo que funciona é enxuto, em tópicos e sem nenhum enfeite 17-11-2018 » Apresentador na ESPN | Luciano Amaral já foi "herói do Tetra" e pioneiro de eSports 17-11-2018 » Novo governo | Culto e 2 cerimônias: o que já se sabe sobre a posse de Bolsonaro 17-11-2018 » Programa fica sem cubanos | Será difícil repor 10 mil vagas, diz ex-chefe do Mais Médicos 17-11-2018 » Equipes fazem escoramento | Prefeitura de SP reduz risco de desabamento de viaduto que cedeu 17-11-2018 » Amistoso Brasil x Uruguai | Neymar repete com Cavani e Suárez afagos e rusgas da vida pessoal
Publicidade
10 de julho de 2018

CNJ já acumula seis representações contra plantonista e uma contra Moro

Imagem Reprodução

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recebeu seis representações contra o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, até a manhã dessa última segunda-feira (9).

Todas elas pedem apuração sobre possível infração disciplinar do magistrado ao aceitar habeas corpus a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pelo colegiado do TRF-4 e preso na Operação Lava Jato. Outra, protocolada ainda no domingo, tem como alvo o juiz federal Sérgio Moro.

A decisão de Favreto, que estava no plantão da Corte, foi vista no meio jurídico como uma quebra de hierarquia, pois instâncias superiores já haviam negado pedidos semelhantes feitos pela defesa do petista.

Apesar da decisão do desembargador, Lula continua preso porque o presidente do TRF-4, Thompson Flores, manteve a decisão do desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no tribunal, que vetou a saída do petista da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso desde abril.

Antes disso, o próprio Moro divulgou despacho em que recomendava o não cumprimento da decisão de Favreto.

De acordo com o Estadão, a primeira representação ao CNJ foi feita domingo, pela ex-procuradora do DF Beatriz Kicis. No documento, ela afirma que cabe aplicação de medida disciplinar contra Favreto, a fim de “resguardar tanto a moralidade que deve ser inerente ao Poder Judiciário como a segurança jurídica”.


VOLTAR