Com greve, produção de carros deve cair 20% e quebrar sequência de altas » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 17-06-2019 » 'Estamos parados' | Daniel Filho critica governo e falta de apoio ao cinema: 'Brasil não é de idiotas' 17-06-2019 » Alíquota cairia de 16% para 4% | Bolsonaro: Governo estuda reduzir imposto para produtos de tecnologia 17-06-2019 » Deysi Cioccari | A eleição de Bolsonaro para além da facada 17-06-2019 » Julio Gomes | Estádios vazios na Copa América: alguém surpreso? 17-06-2019 » Stycer | Emissoras usam confusão entre ator e personagem 17-06-2019 » Schwartsman | Critérios errados de escolha levam a chefes ruins 17-06-2019 » Marcos Lisboa | Não se sabe como os vazamentos terminam 17-06-2019 » Michael Viriato | Lições do junho vermelho para investir em ações 17-06-2019 » Padiglione | Paródia de Moro compensa timidez editorial da Globo 17-06-2019 » Reinaldo Lopes | O que pode explicar o fim de povos amazônicos 17-06-2019 » Lei em Campo | Foi a NBA que permitiu time do Canadá nos EUA 17-06-2019 » Quicando | Todos queriam ser Adele conhecendo as Spice Girls 17-06-2019 » Angela Alonso | Só não viram deslizes os cegos de ódio pelo vilão 17-06-2019 » Coworking | Empresa faz ponte entre corporações e startups 17-06-2019 » Pediu demissão após fala de Bolsonaro | CPI do BNDES quer que Levy explique demissão e 'caixa preta' 17-06-2019 » Ato contra reforma em SP | 'Não agredi, não cuspi na cara, não desacatei policial', diz defensor preso 17-06-2019 » Segurança digital | Vazamento de dados cresce e já é 2º maior ataque digital ao governo federal 17-06-2019 » Assassinado em casa | 'São 55 filhos agora sem pai', diz deputada após morte do marido em Niterói (RJ) 17-06-2019 » Chico Xavier | Justiça nega ação para reconhecer suposto filho adotivo do médium 17-06-2019 » Para barrar nazistas | Linha Maginot: a mais poderosa e inútil fortificação da história
Publicidade
3 de junho de 2018

Com greve, produção de carros deve cair 20% e quebrar sequência de altas

Foto: Reprodução

A greve dos caminhoneiros, que levou a indústria automobilística a suspender atividades em quase todas as fábricas do país por falta de peças, vai interromper uma sequência de 18 meses de crescimento da produção nacional. A previsão é de uma queda na casa dos 20% em relação a maio do ano passado, a primeira desde outubro de 2016. Projeção com base na média diária de produção de abril, de 12,6 mil unidades, indica que aproximadamente 75 mil veículos deixaram de ser produzidos nos seis dias em que a maioria das fabricantes fechou as portas. O número pode ser conservador, pois grandes marcas, como Ford, General Motors e Volkswagen, começaram a parar antes das demais. Em maio de 2017, foram produzidos 250,7 mil veículos, o segundo melhor resultado mensal do ano passado, atrás apenas de agosto, com 260,8 mil unidades, incluindo automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Por causa da greve, o volume do mês passado deve ficar abaixo de 200 mil. Algumas marcas já retomaram produção.
As fábricas da Fiat em Betim (MG) e da Jeep em Goiana (PE) retomaram atividades em pleno feriado de quinta-feira. A Ford religou ontem as máquinas apenas da filial de Camaçari (BA). As demais empresas voltarão ao trabalho a partir de segunda-feira, “de maneira gradual”, disse o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale. Em abril, a produção foi de 266,1 mil veículos, portanto, a queda de um mês para outro deve superar os 20%. A Anfavea só vai divulgar dados na quarta-feira. A entidade se preparava para rever, para cima, as projeções de produção e vendas para este ano. O episódio da greve pode atrasar as novas previsões. A expectativa da entidade feita no início do ano era de alta de 13,2% na produção ante 2017 (para 3 milhões de veículos) e de 11,7% nas vendas (para 2,5 milhões de unidades). No primeiro quadrimestre o crescimento acumulado na produção é de 20,7% (965,8 mil unidades). Nos últimos meses, várias empresas anunciaram retomada de turnos de produção e até algumas contratações. Já as vendas de janeiro a maio são 17% maiores que em igual período do ano passado, de acordo com dados divulgados ontem pela Fenabrave, entidade que representa as concessionárias de todo o país.


VOLTAR