‘Construção civil retrocedeu 10 anos e crise é maior na Bahia’, diz presidente de sindicato » Rede Acontece
Últimas
19-10-2018 » 2º turno em SP | Por apoio a França, prefeitos saem do PSDB em São Paulo 19-10-2018 » Denúncias de eleitores | Vídeos com urna que autocompleta voto a presidente são falsos 19-10-2018 » Denúncia na campanha presidencial | Disparo de mensagens contra o PT no WhatsApp constrange o TSE 19-10-2018 » Mais eleições nas redes | Candidatos declaram gasto de R$ 3 milhões com WhatsApp 19-10-2018 » Pesquisa Datafolha | Eleitores de esquerda ampliam vantagem de Bolsonaro 19-10-2018 » Em boate de Barcelona | Após dispensar Bruna, Neymar Jr. é flagrado com ex-namorada 19-10-2018 » 'Quase híbrido' | Mercedes Classe C ficará mais caro por pegadinha do IPI 19-10-2018 » Jogadora de vôlei | 'Só está rolando reclamação porque eu sou boa', diz Tifanny 19-10-2018 » Veja quem oferece | Chave inteligente cobra até R$ 6 mil para abrir, ligar e estacionar carro 19-10-2018 » Nega briga política | Marquezine confirma fim de namoro com Neymar: "Decisão dele" 19-10-2018 » Destruiu placa de Marielle | Mais votado para Alerj quer PSL na Comissão de Direitos Humanos 19-10-2018 » Brasileirão | Corinthians liga alerta sobre rebaixamento, mas risco é tão alto? 19-10-2018 » França e Doria disputam governo | 'Crau', Bolsonaro 'coitado' e bronca do mediador: as frases do debate em SP 19-10-2018 » Previsão de chegada é 2025 | Europa e Japão lançam sua 1ª missão com a meta de explorar Mercúrio 19-10-2018 » R$ 6,7 milhões | BNDES libera verba para fazer rede de recarga de carros elétricos no país
Publicidade
10 de outubro de 2018

‘Construção civil retrocedeu 10 anos e crise é maior na Bahia’, diz presidente de sindicato

Foto Rede Acontece

Presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Estado da Bahia (Sinduscon), Carlos Henrique Passos, disse, em entrevista à Rádio Metrópole, que a crise político-econômica do Brasil fez o seu setor retroceder há 10 anos.

Segundo ele, entre 2013 e 2014, o segmento tinha 215 mil pessoas empregadas com carteira assinada. Atualmente, são 110 mil.

“Hoje, temos em emprego formal o que tinha há 10 anos. Nós retrocedemos há 10 anos. Foram muitas vagas de trabalho excluídas do setor. Isso se deu por causa da crise. […] A Bahia hoje, dentro do ambiente da construção, a crise é maior do que em outros estados. Infelizmente, a Bahia tem concentrado poucos investimentos”, afirmou.

Carlos Henrique ressaltou que o setor está “dependente” do programa do governo federal “Minhas Casa, Minha Vida”.

No próximo dia 18 de outubro, o sindicato promove na Federação das Indústrias do Estado da Bahia o evento “O Futuro da Construção”.


VOLTAR