Construção da Ferrovia Oeste Leste deve ser suspensa » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 13-08-2020 » Comportamento incomum | Por que Fagundes teve comentários bloqueados no Insta 13-08-2020 » Mais Brasileiro | Botafogo é dominado, mas arranca empate com RB Bragantino 13-08-2020 » Caso no ES | Mulher que teve corpo incendiado brigou por ciúmes, diz namorada 13-08-2020 » No Paraná | Em Curitiba, Athletico derrota o Goiás por 2 a 1 na Arena da Baixada 13-08-2020 » Governador de SP | Doria diz que não está tomando cloroquina: 'Sigo os médicos' 13-08-2020 » Seu bolso | Quanto vou receber do lucro do FGTS? Posso sacar agora? Tire dúvidas 13-08-2020 » Alexandre Baldy | Assédio a delator foi base para prisão de secretário de SP revogada por Gilmar 13-08-2020 » Álbum independente | CD do CPM 22 vira relíquia e chega a custar R$ 2,8 mil 13-08-2020 » Ex-ministro | Sergio Moro será professor de curso de direito em Brasília 13-08-2020 » Ossos no Reino Unido | Dinossauro 'primo' do Tiranossauro Rex é descoberto em praia 13-08-2020 » Brasileirão | Atlético-MG sai atrás, mas vence o Corinthians por 3 a 2 no Mineirão 13-08-2020 » Delfim Netto | Sem coragem para reforma, enxugaremos gelo 13-08-2020 » Ilona Szabó | A maldição do país que não chora seus mortos 13-08-2020 » Ruy Castro | Nada de cartão: dinheiro na mão dos Bolsonaros 13-08-2020 » Tostão | Tática e número não explicam tudo no futebol 13-08-2020 » Torres Freire | Liberalismo é loja de conveniência no atual governo 13-08-2020 » Ricardo Cavallini | Novas tecnologias: é preciso de regra antes de problema 13-08-2020 » Duvivier | Ter amigos demais é quase como não ter amigo nenhum 13-08-2020 » Débora Garofalo | Como minimizar efeitos da crise na educação infantil 13-08-2020 » B. Boghossian | Governo reforça seu projeto contra a educação
Publicidade
8 de outubro de 2019

Construção da Ferrovia Oeste Leste deve ser suspensa

Foto Sudoeste Acontece

Com a ação, o MPF pretende evitar a malversação e emprego indevido de recursos públicos federais já que os terminais portuários – ponto final da ferrovia – ainda não têm viabilidade ambiental certificada. O Ministério Público Federal (MPF) em Ilhéus (BA) propôs uma ação civil pública com pedido liminar para suspender, imediatamente, todas as ações relativas à construção do sub trecho Barreiras – Ilhéus da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), até que os procedimentos de licenciamento ambiental do Porto Sul e do Terminal de Uso Privativo – TUP da Bamin sejam concluídos. A VALEC Engenharia, Construções e Ferrovias, réu na ação do MPF, foi a empresa que obteve a outorga de construção, uso e gozo da ferrovia. Orçada em 4,5 bilhões de reais, de acordo com informações do Tribunal de Contas da União (TCU), a Fiol vai transportar grãos e minérios por um trajeto que começa em Figueirópolis (TO), atravessa os Estados de Goiás e Bahia e termina na cidade de Ilhéus, onde os produtos serão exportados por meio dos futuros Porto Sul e Terminal de Uso Privativo da Bahia Mineração. Com a liminar, o MPF pretende evitar a malversação e emprego indevido de recursos públicos federais uma vez que o Ibama não concluiu os procedimentos de licenciamento ambiental do Porto Sul e do TUP da Bamin, e, portanto, não certificou a viabilidade ambiental desses empreendimentos, tampouco autorizou a sua localização na região de Ponta da Tulha, local onde a VELEC pretende instalar o trecho final da ferrovia. Autores da ação civil pública, os procuradores da República Eduardo El Hage e Flávia Arruti afirmam que o MPF não é contrário à construção da ferrovia ou à utilização desse meio de transporte, que, comprovadamente, é mais econômico e moderno. “O objetivo da ação é apenas evitar que o dinheiro público seja desperdiçado pela construção de uma ferrovia que não tem ponto final definido”. De acordo com os procuradores, considerando que a Fiol transportará grãos e minérios do Oeste do País até a cidade de Ilhéus/BA, para serem exportados pelo porto público, e que a construção deste porto ainda não possui licença ambiental nem localização exata, “o início das obras da ferrovia pode significar o desperdício de bilhões de reais em recursos públicos federais, que serão, simplesmente, jogados no lixo, caso o porto não seja construído no local em que o trajeto da ferrovia será finalizado”, afirmam. Da mesma forma que o porto público, o terminal de uso privativo da Bamin não possui qualquer licença ambiental, nem localização definitiva. O procedimento de licenciamento ambiental do TUP da Bamin encontra-se na fase de análise do EIA/RIMA apresentados pela empresa interessada ao Ibama. Além disso, a autarquia federal negou a licença prévia para a construção do terminal privado. Na ação, o MPF pede que a Justiça conceda liminar determinando a imediata suspensão de todas as ações referentes à construção do sub trecho Barreiras – Ilhéus da Fiol, tendo em vista que a licença de instalação do empreendimento foi expedida em novembro do ano passado e as ordens de serviço para o inícios das obras jã foram emitidas.


VOLTAR