Cúpula do PMDB no Senado dá sinais de que pode mudar de lado » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 22-05-2019 » Banco público | Caixa vai dar até 90% de desconto para 3 milhões de clientes com dívidas 22-05-2019 » Marcados para domingo | Bolsonaro decide não ir a atos, mas filho defende protestos 22-05-2019 » 1 gravemente ferido | Homem assassina ex, invade igreja e mata três em MG, diz polícia 22-05-2019 » MEC | Exame de educação de adultos tem falha de segurança, e Inep avalia impacto 22-05-2019 » A volta da empresa | Xiaomi traz ao Brasil Mi 9, mais 4 celulares, loja oficial e até patinetes 22-05-2019 » Copa Sul-Americana | No Chile, Atlético-MG perde para Unión La Calera por 1 a 0 22-05-2019 » Risco de rompimento | Polícia exige, e represa de fazenda de Gusttavo Lima será esvaziada 22-05-2019 » Está com Marcola | Nº 2 do PCC pede para sair de presídio federal por falta de dignidade 22-05-2019 » O que rolou nesta 3ª | Fla atrás de reforços, briga Santos x Neymar perto do fim e mais 22-05-2019 » Novela da Record | Barney: Com fake news e drogas, Topíssima vai além de um nome ruim 22-05-2019 » Resumo do dia | Articulações no Congresso, bombeiro herói e mais notícias desta terça-feira 22-05-2019 » Cerimônia de R$ 1 mi em AL | Casório de Carlinhos Maia é visto por quase 3 milhões de pessoas na internet 22-05-2019 » Senado tem de votar medida | Câmara aprova aéreas estrangeiras no país e a volta de mala grátis 22-05-2019 » Atrito com Major Vítor Hugo | Maia bate boca com líder governista na Câmara e diz que o excluiu de relações 22-05-2019 » Para evitar embate jurídico | Governo deve recuar de pontos polêmicos do decreto de armas 22-05-2019 » Ministro de Bolsonaro | Araújo assinou documento para contratar funcionário sem diploma por R$ 34 mil 22-05-2019 » Após atos contra corte | Governo deve evitar anúncio de novo bloqueio em relatório orçamentário 22-05-2019 » Barão de Cocais (MG) | 'Brumadinho não sai da cabeça': a vida perto de mina que pode desabar 22-05-2019 » Sob pressão da indústria | Anvisa discute mudança de modelo de rótulos de alimentos no país 22-05-2019 » Tricampeão da F-1 morreu na segunda | Lauda desafiou a família, sobreviveu a acidente e até foi dono de aérea
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
8 de março de 2016

Cúpula do PMDB no Senado dá sinais de que pode mudar de lado

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

Em conversas reservadas, a avaliação entre peemedebistas da Casa é de que a “temperatura elevou-se muito” após vir a público trechos da delação do senador Delcídio Amaral. Considerada o fiel da balança na condução do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Congresso Nacional, a cúpula do PMDB do Senado começa a mostrar sinais de divisão. Alguns de seus integrantes avaliam que a conjuntura política se agravou para o governo nos últimos dias e começam rever a posição de apoio, adotada até aqui, pela permanência da petista no cargo. Em conversas reservadas, a avaliação entre peemedebistas da Casa é de que a “temperatura elevou-se muito” após vir a público trechos da delação do senador Delcídio Amaral (PT-MS) e da possibilidade do surgimento de novos depoimentos de representantes de empreiteiras envolvidas no esquema investigado na Operação Lava Jato. Em depoimento perante o grupo de trabalho da Procuradoria-Geral da República na Lava Jato, Delcídio acusou Dilma de atuar três vezes para interferir na operação por meio do Judiciário. A presidente negou as declarações do senador. As primeiras revelações do ex-líder do governo fazem parte de um documento preliminar de acordo de colaboração premiada, que ainda precisa ser homologado pelo Supremo Tribunal Federal. A avaliação no PMDB do Senado que tem atuado internamente na legenda, desde o ano passado, para barrar qualquer avanço do impeachment no Congresso, é de que os episódios recentes podem obrigá-los a passar de uma posição de “defesa do governo” para “expectativa do que pode vir”, considerou um integrante da legenda. Na lógica que o impeachment ganhou “uma nova possibilidade”, integrantes do partido ressaltam, como ponto-chave, o fato de que, ao contrário do ano passado, o vice-presidente Michel Temer, que também preside o PMDB, e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), têm se aproximado. Os primeiros passos para o apaziguamento foram feitos na montagem da nova Executiva do partido, que deve ser eleita na convenção do próximo dia 12. Na ocasião, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), aliado de Renan, deverá assumir a primeira-vice-presidência do PMDB, podendo ocupar interinamente o comando da legenda caso Temer se afaste, iniciativa que já ocorreu um outras ocasiões. A demonstração de afinamento entre Temer e Renan também foi exposta na quinta-feira passada, dia que veio a público o depoimento de Delcídio. Na ocasião, o vice foi recebido pelo senador em Alagoas. Com informações do Estadão Conteúdo.


VOLTAR