Descoberta: Cogumelos alucinogênios ajudam a curar esta doença » Rede Acontece
Últimas
21-09-2018 » Ibope | Renan Filho tem 65% na disputa pelo governo de AL 21-09-2018 » Atuação na Petrobras | Juiz convoca Temer e ministros a depor em ação por organização criminosa 21-09-2018 » Ao Vivo | Candidatos ao Planalto participam de debate na TV Aparecida; assista 21-09-2018 » Carro da VW | Opinião do dono: Jetta só ganha elogios, seja 5-cilindros, 2.0 ou turbo 21-09-2018 » Estudo nos EUA | Humanos estão sempre envoltos por nuvens de micro-organismos 21-09-2018 » Vitória da Apple | STJ diz que marca iPhone não é exclusiva da Gradiente 21-09-2018 » Seleção de Tite | Convocados que forem à final de Copa do Brasil serão liberados 21-09-2018 » Para evitar agravar crise | Em carta, FHC pede união de candidatos 'não extremistas' 21-09-2018 » Esfaqueado em Minas | 'Vamos em frente', diz Bolsonaro em vídeo gravado no hospital 21-09-2018 » Da Hyundai | HB20 faz seis anos com quase 1 milhão de carros vendidos 21-09-2018 » Comportamento | Como é sua personalidade? São 4 grandes perfis 21-09-2018 » Renascimento | País consegue recuperar mar que havia sido extinto 21-09-2018 » Problema comum | Drauzio responde 5 perguntas sobre depressão pós-parto 21-09-2018 » Entenda o caso | Emoções fortes podem provocar infarto como o do fã de Xuxa? 21-09-2018 » Quando perdemos peso | Para onde vai toda a gordura que queimamos? 20-09-2018 » Ligado ao Plano Collor 2 | STF decide que Caixa tem de pagar diferença sobre FGTS a trabalhadores 20-09-2018 » Julgamento do PCC | 8 são presos por suposta ação em 'tribunal do crime' 20-09-2018 » Concorrência pressiona | Bancos zeram taxas para quem investe em Tesouro Direto e previdência 20-09-2018 » Condenado por assassinato | Os desenhos que levaram inocente a deixar prisão depois de 27 anos 20-09-2018 » 'Isso é totalmente falso' | Patrícia Pillar desmente meme e diz que nunca foi agredida por Ciro Gomes
Publicidade
7 de julho de 2018

Descoberta: Cogumelos alucinogênios ajudam a curar esta doença

Foto: Reprodução

O alucinogênio psilocibina, o princípio ativo de mais de 100 espécies de cogumelos ‘mágicos’, é de acordo com uma nova pesquisa uma solução eficiente para tratar os casos mais severos de depressão que não respondem aos fármacos e terapias tradicionais. Um artigo científico publicado por uma equipa de investigadores do Imperial College, no Reino Unido, deu os primeiros passos para revelar porque, exatamente, a substância é tão benéfica. Estudos clínicos realizados em humanos já haviam comprovado que apenas uma ou duas doses de psilocibina ministradas numa situação controlada ajudam os pacientes que padecem com doenças terminais, e que sofrem de depressão e ansiedade, viciados em álcool e tabaco e pessoas com transtorno obsessivo compulsivo (TOC). E agora nesta nova pesquisa, 19 doentes depressivos que não reagiam às drogas mais usadas para combater aquela patologia receberam, com uma semana de intervalo, uma dose de 10 mg e outra de 25 mg de psilocibina. Na primeira semana após a experiência, todos os voluntários apresentaram melhoras. Ao final da quinta semana, sem receber novas doses, os efeitos benéficos ainda foram constatados em 47% dos voluntários. Analisando exames feitos antes e após a experiência, os cientistas perceberam que aquela substância reinicia certas regiões do cérebro, como se de um computador se tratasse, que estão por trás da depressão, como a amígdala, responsável por reações emocionais como o medo. “Muitos dos pacientes descreveram uma sensação de reset após o tratamento”, explicou em comunicado Robin Carhart-Harris, o coordenador da pesquisa. “Um deles afirmou que foi como se o seu cérebro tivesse sido desfragmentado, como se se tratasse de um disco rígido.” “A psilocibina pode estar a facultar a esses indivíduos o pontapé inicial que precisam para sair da depressão, e os resultados das ressonâncias magnéticas realizadas apoiam de forma tentadora as analogias com computadores”. Os investigadores salientam que o teste foi realizado com uma amostra relativamente pequena de voluntários e que serão ainda necessários estudos adicionais. .


VOLTAR