Descoberta de brasileiros pode mudar história da humanidade » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 19-11-2019 » Planeta vermelho | Misterioso pico de oxigênio em Marte está intrigando os cientistas 19-11-2019 » Flamengo | Ônibus Rio-Lima volta a ter problemas e fica em mecânica por 5 horas em RO 19-11-2019 » Estreia hoje | Série do UOL mostra como PCC foi de pequeno grupo a cartel internacional 19-11-2019 » Governo 'faz mais com menos' | Bolsonaro responde reportagem sobre queda de investimento em estradas 19-11-2019 » Campanha de vacinação | Vírus do sarampo abre portas para outras doenças, aponta estudo 19-11-2019 » Rumo a novo amistoso | Tite admite pressão por má fase do Brasil, mas nega desespero 19-11-2019 » Campeonato Brasileiro | Com gol contra no último minuto, Goiás empata com Vasco em 1 a 1; veja lances 19-11-2019 » Influencer de literatura | 'Escritores do Insta' seduzem editoras 19-11-2019 » A Fazenda 2019 | Netto, Rodrigo e Viny estão na nona roça 19-11-2019 » 'Tanta ignorância' | Geisy perde 7 mil seguidores após postar foto amarrada 19-11-2019 » Vasco x Goiás | Gol contra desastroso faz cruzmaltino virar piada na web 19-11-2019 » Com empresária | Eduardo Costa vive amor secreto há 5 anos, diz colunista 19-11-2019 » Ironiza o artista | Fontenelle comenta áudio vazado e reitera critica a Otaviano 19-11-2019 » Bombou no Twitter | Após dólar a R$ 4,20, internautas ironizam ato Fora, Dilma 19-11-2019 » Caso na Holanda | Diferença de tamanho entre atletas sub-15 impressiona 19-11-2019 » Litoral de SP | Corpo de turista é achado dentro de saco em Caraguatatuba 19-11-2019 » Ex-presidente é réu | Juiz Marcelo Bretas volta a barrar viagem de Temer ao exterior 19-11-2019 » Diretor de vendas assume | Presidente da Ambev renuncia para tratar de projetos pessoais 19-11-2019 » Disparos em massa e mais | WhatsApp diz ter banido 400 mil contas por violar termos na eleição de 2018 19-11-2019 » Brasil venceu o Mundial | Palmeiras lidera; em que clubes jogam e quem são os campeões sub-17
Publicidade
9 de julho de 2019

Descoberta de brasileiros pode mudar história da humanidade

Foto: Reprodução

Uma equipe de pesquisadores brasileiros e italianos encontrou materiais que teriam 2,4 milhões de anos em um sítio arqueológico na Jordânia. A descoberta coloca novos elementos que podem mudar o conhecimento consolidado sobre o desenvolvimento da humanidade e das dinâmicas de migração do gênero homo a partir da África para outras regiões do planeta. O resultado do estudo foi divulgado em uma revista científica. Nos debates acadêmicos, a tese predominante, em que pese polêmicas e hipóteses divergentes, dá conta que o gênero homo surgiu há cerca de 2,4 milhões de anos na África, tendo como primeiro representante o homo habilis. Há 2 milhões de anos, teria surgido o homo erectus. As primeiras evidências da presença de homo erectus fora do continente africano ocorreu em um sítio arqueológico da Geórgia, datada de 1,8 milhão de anos. Os pesquisadores não identificaram fósseis, mas material de pedra lascada no sítio da Jordânia. As escavações ocorreram entre 2013 e 2015. “Na hora que um homíneo lascou. Isso quer dizer um evento de lascamento. Elas estavam localizadas em algum ponto a 20 cm uma da outra. É muito possível que a gente não só tenha encontrado um sítio antigo, mas que ele tenha significado comportamental”, disse o pesquisador do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP (Universidade de São Paulo), Astolfo Araújo. As primeiras amostras foram pegas em 2013, sendo submetidas a um método segundo o qual pedras teriam cerca de cinco milhões e o basalto mais baixo teria 2,5 milhões. Segundo Giancarlo Scardia, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), outros dois métodos de datação foram aplicados em lâminas coletadas. “Tivemos cuidado para ter uma idade mais confiável. Os dados convergem para um modelo que não tem incongruências”, afirmou o pesquisador, em São Paulo. Segundo o coordenador da pesquisa, o professor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, Walter Neves, as descobertas demonstraram que o homem não deixou a África por volta de 1,9 milhão, mas há 2,4 milhões de anos, e joga luz sobre qual teria sido a primeira modalidade do gênero homo a deixar o continente. “Nós retrocedemos em 500 mil anos a saída da África. Isso coloca uma pergunta: quem foi esse primeiro hominíneo a deixar a África? O homo erectus? Fica claro que o primeiro hominíneo a deixar a África foi o homo habilis. Veja como muda a perspectiva”, declarou Neves. O cientista destacou que essa descoberta ajuda a compreender algumas reflexões “nebulosas” nas pesquisas vigentes. “Nossa pesquisa vai ajudar a enterrar a discussão do que fazer com essa variabilidade tremenda que tínhamos na Geórgia. Era diferente porque a transição entre habilis e erectus se deu na Geórgia. E depois disso se espalhou para o resto do mundo. A gente resolve um dos maiores pepinos da paleoantropologia dos últimos anos”, disse. A íntegra da pesquisa está publicada na revista Quaternary Science Reviews.


VOLTAR