Dilma ficou 'estarrecida' com frase do relatório do FMI que cita Brasil » Rede Acontece
Últimas
17-01-2019 » Inseparáveis | Por que você vai ouvir falar muito de Arielle, a coreógrafa da Anitta 17-01-2019 » Bem além da passarela | 5 lutas compradas por Gisele que a tornaram mais do que modelo 17-01-2019 » Discurso nos EUA; veja | Bolsonaro elogiado por Trump? No contexto, talvez não seja assim 17-01-2019 » Deputada e socialista | Por que Ocasio-Cortez é a mulher mais importante dos EUA? 17-01-2019 » Jack estava internada | Ginasta brasileira que defendeu seleção morre aos 17 anos 17-01-2019 » Sexo sem tabu | 'Com 16 eu tinha cama de casal', diz youtuber Dora Figueiredo 17-01-2019 » Onda de violência no estado | Governador do CE pede a Moro reforço em segurança por reação de facções 17-01-2019 » Grito de carnaval da cidade | Shows do CarnaUOL serão em frente ao sambódromo de SP; veja atrações 17-01-2019 » Mercado financeiro | Bolsa sobe e fecha acima de 95 mil pontos pela 1ª vez; Taurus salta 14% 17-01-2019 » Brecha na segurança | Vazamento na web atinge 800 milhões de e-mails e senhas; veja se foi afetado 17-01-2019 » Educação | Economista que chamou docentes de manipuladores será coordenador do Enem 17-01-2019 » Reforma da previdência | Governo quer restringir acúmulo de pensão com aposentadoria 17-01-2019 » No Fórum de Davos, na Suíça | Guedes apresentará privatizações e Previdência como vitrines do Brasil 17-01-2019 » Senador eleito pelo PSL | MP do Rio usa Coaf como 'atalho' para burlar Justiça, diz Flávio Bolsonaro 17-01-2019 » Liminar parou investigação de Queiroz | Flávio Bolsonaro alega ter foro e pede anulação de provas do Coaf no STF 17-01-2019 » Normal ou cesariana? | Como disputas ideológicas no Brasil chegaram ao parto 17-01-2019 » UOL Líderes | País não sobreviverá sem reformas, diz vice da Microsoft América Latina 17-01-2019 » Celular, isqueiro, cabo USB... | Preso tenta voltar para a cadeia com 62 objetos no estômago em SC
Publicidade
23 de janeiro de 2016

Dilma ficou ‘estarrecida’ com frase do relatório do FMI que cita Brasil

Foto: Guanambi Acontece

Foto: Guanambi Acontece

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira, 22, em discurso durante reunião do diretório nacional do PDT, que ficou “estarrecida” com o trecho do relatório de previsões divulgado nesta semana pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), no qual a instituição cita o Brasil. Dilma se disse assustada com a frase em que o FMI cita a “continuidade da situação crítica” no Brasil como um dos três principais fatores que explicam as dificuldades da economia mundial. Segundo a entidade, a crise brasileira é ocasionada por dois motivos: a duração da instabilidade política e as investigações dos atos de corrupção na Petrobras. De acordo com a presidente, além da instabilidade no Brasil, o Fundo Monetário Internacional citou no relatório a diminuição do crescimento econômico na China e a instabilidade nos países do Oriente Médio como motivos “relevantes” para a crise internacional. Dilma diverge das previsões do FMI e disse ter certeza de que “vamos estabilizar politicamente o País”. “Vamos assegurar a tranquilidade para o País voltar a crescer”, afirmou. A presidente prometeu que o governo vai voltar a gerar emprego e renda. “Vamos voltar a desenvolver esse País”. Segundo a petista, os investimentos vão voltar e o Brasil vai voltar a crescer. Para ela, isso será possível porque o País tem fundamentos sólidos. “Neste ano de 2016, é aqui e agora, que vamos decidir qual é o caminho do Brasil nos próximos anos”, afirmou. Em um gesto de que está disposta a dialogar, Dilma disse contar com o apoio do PDT e pediu sugestões aos membros do partido para o governo. “Aceito e preciso de sugestões, porque as críticas e sugestões de vocês são no sentido de melhorar e fazer o Brasil ir para frente”, declarou. Dilma ressaltou ainda que sua gestão vai manter programas socais, diferentemente de outros partidos ou governos, os quais ela não citou. “Tem gente que acaba com programa social, porque tem que acabar, que reforma programa social para extingui-lo. Nós não. Asseguramos, reformamos programas sociais para melhorá-los”, disse. Com informações do Estadão Conteúdo.


VOLTAR