Dilma libera mais de R$ 2 bi para combate ao Aedes » Rede Acontece
Últimas
17-07-2018 » Briga de gigantes | Concorrentes: compare os jatos Embraer 195-E2 e Airbus A220-100 17-07-2018 » Onde Nascem os Fortes | Xavier: Trama é ótimo exemplo da mistura de série e novela 17-07-2018 » 'Bilhões de rublos' por água abaixo | Tempestades danificam estádio de Volgogrado, palco da Copa na Rússia 17-07-2018 » Não acredite em corrente da web | UOL Confere: Idosos não compram passagens aéreas com desconto 17-07-2018 » Equipe celeste está nas quartas | Com empate, Cruzeiro elimina Atlético-PR e pega o Santos na Copa do Brasil 17-07-2018 » Do Supremo para o Planalto | Com viagem de Temer, Cármen Lúcia assumirá Presidência por dois dias 17-07-2018 » Tecnologia ajuda, mas traz riscos | Embrulhar chave automática em papel alumínio? Especialistas recomendam 17-07-2018 » Copa do Brasil | Vasco vence por 2 a 0, mas Bahia passa às quartas 17-07-2018 » Desde 2015 | Congresso gasta mais de R$ 820 mi com despesa de parlamentar 17-07-2018 » Manifestação ao STF | PGR vê indícios de atos de Lindbergh pró-OAS 17-07-2018 » Ato da prefeitura | Pela 6ª vez, São Paulo prorroga seus contratos de ônibus 17-07-2018 » Veja o top 20 | Forbes divulga as celebridades mais bem pagas de 2018 17-07-2018 » 'Eu consegui' | 'Chegou a minha vez', diz Galisteu sobre novela global 17-07-2018 » Dentro do Vaticano | De surpresa, papa celebra casamento de brasileira 17-07-2018 » Homens e mulheres | 9 fatos para perder o medo do 'beijo grego' na preliminar 17-07-2018 » Com aparelho bucal | Ele vendia escova de dente em escola e hoje fatura R$ 197 milhões 17-07-2018 » A Rússia É Logo Ali | Menon: 'Brasil sempre tem uma desculpa quando perde' 16-07-2018 » Governo aprovou antecipação | Aposentados do INSS receberão 1ª parcela do 13º salário em agosto 16-07-2018 » Craque na berlinda | Diretor do PSG diz que Neymar ficará no time para próxima temporada 16-07-2018 » Prefeito do Rio sob investigação | Justiça bloqueia R$ 3,1 mi de bens de Crivella e outros 8 por fraudes na Pesca
Publicidade
supermercado centrel intersorft centro medico sao gabriel grafica bandeirante clinica master lab laboratorio
18 de janeiro de 2016

Dilma libera mais de R$ 2 bi para combate ao Aedes

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

A presidente Dilma Rousseff sancionou na sexta-feira (15) a liberação de recursos da ordem de R$ 1,27 bilhão para o desenvolvimento das ações de vigilância em saúde, incluindo o combate ao mosquito Aedes aegypti, em 2016. Ao montante será adicionado, ainda, R$ 600 milhões destinados à Assistência Financeira Complementar da União para os Agentes de Combate às Endemias em todo o país. Para intensificar as ações e medidas de vigilância, prevenção e controle da dengue, febre chikungunya e Zika também foi aprovada a importância extra de R$ 500 milhões, sobretudo, por conta da situação de emergência em saúde pública de importância nacional que o país vive. Desse último montante, 44.963. 347,12 para o Nordeste, sendo a maior parcela, R$ 11.332.150,44, para a Bahia.Na última semana, o Ministério da Saúde já havia repassado aos estados R$ 143,7 milhões extras destinados a ações de combate ao Aedes aegypti. Esse recurso foi garantido em portaria publicada em 23 de dezembro do ano passado e já foram liberados em 100%. O Ministro da Saúde, Marcelo Castro, considera de fundamental importância este recurso extra para as ações nos estados e municípios. “Com este reforço financeiro, os estados e municípios vão poder potencializar as medidas de combate ao Aedes aegypti para evitar a transmissão de dengue, chikungunya e Zika”, considerou. Conforme o ministro, os cuidados com o mosquito devem ser redobrados nesta época do ano, período de maior incidência das doenças. “É preciso que todos se mobilizem para combater este mosquito. É muito importante sempre verificar o adequado armazenamento de água em suas casas, o acondicionamento do lixo e a eliminação de todos os recipientes sem uso, que possam acumular água e virar criadouros do mosquito”, recomendou O Ministério da Saúde tem reunido esforços para o combate ao mosquito Aedes aegypti, convocando o poder público e a população para uma ampla mobilização nacional visando conter a proliferação do mosquito. O governo federal mobilizou 19 ministérios e outros órgãos federais para atuar conjuntamente neste enfrentamento, além da participação dos governos estaduais e municipais. Com isso, as visitas a residências para eliminação e controle do vetor ganharam o reforço das Forças Armadas e de mais de 266 mil agentes comunitários de saúde, além dos cerca de 44 mil agentes de endemias que já atuavam regularmente nessas atividades. A orientação é que esse grupo atue, inclusive, na organização de mutirões de combate ao mosquito em suas regiões. Os repasses de recursos do Ministério da Saúde para o combate ao mosquito têm se mantido crescentes ao longo dos anos. Somente em 2015, foi liberado R$ 1,25 bilhão. Em 2011, este montante era de R$ 970,4 mil, o que representa um aumento de 28,8% nos recursos nos últimos cinco anos. O Ministério da Saúde também investiu, em 2015, R$ 23 milhões na aquisição de inseticidas e larvicidas, além das ações de apoio a estados e municípios.


VOLTAR