Dilma mudou de opinião sobre Angra 3 após rejeitar obra » Rede Acontece
Últimas
24-03-2019 » Começou com ex-pastor evangélico | Islã ganha seguidores e muda cara de cidade no interior nordestino 24-03-2019 » Profissionais não deixaram o Brasil | Cubanos que ficaram após fim do Mais Médicos relatam dificuldades 24-03-2019 » Para alunos de medicina e odontologia | Alckmin ressurge como professor Geraldo em 'aulas-discurso' em SP 24-03-2019 » Reforma da Previdência | Partidos saem em defesa de Maia após crise com governo 24-03-2019 » Aos 82 anos | Morre no Rio de Janeiro o ator e diretor Domingos de Oliveira 24-03-2019 » Presidente do STF | Toffoli: 'Solução' para o país virá pelo diálogo, não pelo Judiciário ou militares 24-03-2019 » Campeonato Paulista | Federação revela ângulo usado no VAR e vê 'gol legal'; Palmeiras rebate 24-03-2019 » Brasil 1 x 1 Panamá | Tite se preocupa com criatividade, mas não vê Brasil abaixo do esperado 24-03-2019 » Cruzeiro no mar da Noruega | Vídeos mostram tensão de passageiros à espera de resgate em navio à deriva 24-03-2019 » Na Infraestrutura | Ministro Tarcísio de Freitas vira 'queridinho' de Bolsonaro 24-03-2019 » Assista aos gols | Bangu vira nos acréscimos e vence Vasco em São Januário 24-03-2019 » IR 2019 | Pague menos imposto com deduções de dependente e saúde 24-03-2019 » Ajuda de apps | Quer gravar as ligações que faz no celular? Saiba como fazer 24-03-2019 » Reclamação | Colecionadores: Placa Mercosul não tem o 'charme da placa preta' 24-03-2019 » Quartas do Paulistão | Santos tem gol anulado pelo VAR, mas vence Red Bull e abre vantagem 24-03-2019 » Prisão do ex-presidente | Anônimo tentou depositar R$ 20 mi em dinheiro para empresa de amigo de Temer
Publicidade
corretora de seguros
INTERSORFT 100 MEGA
22 de novembro de 2015

Dilma mudou de opinião sobre Angra 3 após rejeitar obra

FOTO: BRUMADO ACONTECE

FOTO: BRUMADO ACONTECE

A retomada da construção da usina nuclear Angra 3 – cujos contratos estão na mira da Polícia Federal, do Ministério Público e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) na Operação Lava Jato – contou com o aval da presidente Dilma Rousseff, então ministra da Casa Civil, em voto no Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). O CNPE, composto por 14 conselheiros, sendo nove ministros de Estado, tem a função de assessorar a presidência da República sobre questões nacionais de energia. Em 2007, a recomendação favorável do órgão possibilitou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizasse oficialmente a retomada do projeto, paralisado desde a década de 80. A discussão sobre Angra 3 se arrastou por anos no conselho. Em 2005, ainda ministra de Minas e Energia do governo Lula, Dilma resistiu à realização da obra, divergindo de José Dirceu – condenado no mensalão e preso preventivamente na Lava Jato –, então seu colega de Esplanada. Dirceu chegou a pedir vista da discussão ao deparar com dois votos contrários à usina no Conselho: o de Dilma e o de Marina Silva, então ministra do Dilma considerava a energia nuclear muito cara e dava preferência a outras alternativas existentes, como hidrelétricas e térmicas. Segundo um representante de ministério que participou das reuniões do CNPE, Dilma levava muito em consideração a questão dos custos na definição de políticas energéticas. Por essa razão, não deu prioridade ao uso de energia eólica e de biomassa, que eram mais caras na época. Em declaração publicada pela Agência Estado em 2005, a então ministra das Minas e Energia justificou sua opinião contrária à conclusão do projeto da terceira usina nuclear no complexo de Angra: “Do ponto de vista do meu ministério, não tem o menor sentido escolher Angra 3 como a fonte que seja economicamente a mais barata neste momento. É essa a nossa posição”. Estadão


VOLTAR