Diplomacia “com sangue e alma” marca aproximação do Brasil com EUA e Israel, explica Araújo » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 16-07-2019 » Cúpula na Argentina | Araújo chama Venezuela de pedra no caminho do Mercosul 16-07-2019 » Hospital e advogados | Justiça penhora salário de Luxa para pagar credores de Marcelinho 16-07-2019 » Tomou posse hoje | BNDES vai vender R$ 100 bi em fatias de empresas, diz presidente do banco 16-07-2019 » Não me perturbe | Em 12 horas, 240 mil consumidores bloqueiam ligações de telemarketing 16-07-2019 » Muitas opções... | Para onde Daniel Alves vai? Veja os possíveis destinos do lateral 16-07-2019 » A Divisão | Série do Globoplay parou tiroteio para ensaiar em morro no RJ 16-07-2019 » Registrou B.O. | 'Foi muito violento mesmo não sendo eu no vídeo', diz Paolla 16-07-2019 » Fique atento | Fraude pode causar cobrança indevida na sua aposentadoria 16-07-2019 » Vítima de crime | Brasileiro que fazia intercâmbio na China é encontrado morto 16-07-2019 » Quer voltar ao Barça | Neymar aceita viajar com PSG à China, mas insiste em saída 16-07-2019 » João P. Coutinho | Nem as histórias infantis escapam de hiperpolitização 16-07-2019 » Menon | Fluminense é sempre divertido; para os outros 16-07-2019 » Josias | Bolsonaro se aborrece com tom de Rodrigo Maia 16-07-2019 » Claudia Costin | Crianças merecem um presente e um futuro dignos 16-07-2019 » M. Cantuaria | Idealizar macho alfa não é tarefa para amadores 16-07-2019 » Ivan Marsiglia | O que striptease de Dallagnol tem a nos mostrar 16-07-2019 » Cláudia Collucci | Saúde pública deteriorada e sem recursos 16-07-2019 » Suzana H. Houzel | Por que é importante estudar doença rara? 16-07-2019 » Alvaro C. e Silva | Burle e os artistas que salvam a imagem do Brasil 16-07-2019 » Marcos Nogueira | A melhor pizza do mundo fica no Japão
Publicidade
10 de abril de 2019

Diplomacia “com sangue e alma” marca aproximação do Brasil com EUA e Israel, explica Araújo

Foto Reprodução

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, deu uma palestra no Conselho Argentino para as Relações Internacionais (Cari), nesta quarta-feira (10), em Buenos Aires. Ao falar sobre a prioridade estabelecida pelo governo Jair Bolsonaro com países com Estados Unidos e Israel faz parte do desejo do governo e “reconectar com o Ocidente democrático”, algo que foi deixado de lado nas últimas décadas. “A diplomacia sem sangue e sem alma não funcionou como parte de um projeto de país… o que tivemos foi um país que perdeu batalhas, a corrida tecnológica. Mas agora temos uma política determinada pelo presidente Bolsonaro que nos leva aos principais centros tecnológicos (do mundo) como EUA e Israel . Trata-se de recuperar o tempo perdido”, assegurou. Diante de um grupo de intelectuais, ex-embaixadores e acadêmicos argentinos, o chanceler deixou claro: “O que estamos tentando fazer (no Brasil) é desbloquear energias e ideias”. Também destacou algumas mudanças no tom adotado pelo governo brasileiro nos encontros com lideranças mundiais. Araújo mencionou, por exemplo, que Bolsonaro “deve ser o primeiro presidente que mencionou a palavra Deus” em Davos, na reunião do Fórum Econômico Mundial, em fevereiro deste ano.


VOLTAR