Dívida pública cresce 21,7% em 2015 e atinge volume recorde » Rede Acontece
Últimas
20-06-2018 » Receitas turbinadas | Salada não combina com frio? Veja 5 pratos para comer no inverno 20-06-2018 » MasterChef | Eliminado, Vinícius lamenta: 'Concorrentes eram muito fortes' 20-06-2018 » Código paralelo | Espancamento, banho, fezes: os castigos a policiais de elite no país 20-06-2018 » Julgamento no Supremo | STF absolve Gleisi Hoffmann de acusação de propina na Lava Jato 20-06-2018 » Dele Alli sente dores e vira dúvida para jogo da Inglaterra contra o Panamá 20-06-2018 » Blog #Hashtag: Finalmente temos um canto decente da torcida brasileira em Copa 20-06-2018 » Vitórias de Japão, Senegal e Rússia: assista aos gols dos jogos de terça-feira na Copa 20-06-2018 » Arnaldo diz que Rússia-2018 pode ser sua última Copa do Mundo: 'Pensando seriamente' 20-06-2018 » Robbie Williams explica por que mostrou o dedo do meio na abertura da Copa do Mundo 20-06-2018 » Jogos desta quarta-feira | Só CR7? Talento de coadjuvantes pode ajudar a levar Portugal mais longe 20-06-2018 » Ofendeu mulheres na Rússia | Brasileiro de vídeo machista reclama de reação e se desculpa com ofendidas 20-06-2018 » Após repercussão negativa | Deputados agora coletam assinaturas para barrar CPI da Lava Jato 20-06-2018 » Acordo entre gigantes | Volks e Ford terão parceria global para desenvolver novos veículos comerciais 20-06-2018 » Craque não vive melhor fase | Neymar repete o 'modo fominha' do PSG e foge de filosofia de Tite 20-06-2018 » Seleções africanas na Rússia | Inspirada em 2002, Senegal salva a África na 1ª rodada e une o continente 20-06-2018 » Copy from China | Saiba quais são as marcas chinesas que aparecem na Copa 20-06-2018 » No Mundial de 1990 | Antes de Salah, último gol egípcio em Copas virou 'lenda'; conheça 20-06-2018 » Tietagem na Rússia | Brasileiros pagam até R$ 4 mil por dia para ficar em hotel do Brasil 20-06-2018 » Atacante uruguaio | Cavani caça javalis, e isso diz mais sobre ele do que as polêmicas 20-06-2018 » Fogo amigo | Terça tem 2 gols contra, e Copa flerta com recorde de bolas na própria meta
Publicidade
supermercado centrel clinica master lab laboratorio grafica bandeirante centro medico sao gabriel intersorft
26 de janeiro de 2016

Dívida pública cresce 21,7% em 2015 e atinge volume recorde

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

A dívida pública federal cresceu 21,7% em 2015, informou nesta segunda-feira o Tesouro Nacional. O endividamento do governo federal encerrou o ano passado em 2,79 trilhões de reais, maior volume da série histórica, iniciada em 2004. O acréscimo em relação a 2014, de 498 bilhões de reais, também é recorde. Inicialmente, o Tesouro informou que o aumento havia sido de 555,9 bilhões e a variação, de 24,8%. Esse número foi posteriormente corrigido. O principal fator para a elevação da dívida foram as emissões maiores que os resgates. No ano passado, o Tesouro Nacional emitiu 856 bilhões de reais em títulos públicos e resgatou 704 bilhões de reais, o que resulta em uma diferença de 152 bilhões de reais. O restante da variação deve-se à apropriação de juros, que representa o reconhecimento dos juros devidos pelo governo aos investidores, que são incorporados gradualmente ao total do endividamento público. A despeito da alta, a dívida pública federal ficou dentro do limite estabelecido pela equipe econômica para 2015, que era de 2,8 trilhões de reais. Segundo o Tesouro, o governo fez emissões superiores à necessidade de financiamento para enxugar o excesso de dinheiro em circulação na economia e ajudar no combate à inflação.O governo também ampliou o colchão da dívida para níveis próximos a seis meses do vencimento, contra quatro meses registrados até 2014. O colchão da dívida representa o estoque de títulos que o governo reserva para honrar o vencimento dos títulos em caso de turbulências no mercado. No ano passado, parte do colchão da dívida foi usada para quitar passivos do governo com bancos públicos e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e cumprir recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU). Afetada pela forte valorização do dólar em 2015, a dívida pública externa encerrou o ano em 142,84 bilhões de reais, com alta de 27,2% em relação aos 112,3 bilhões de reais registrados no fim de 2014. O endividamento externo, no entanto, representa apenas 0,5% da dívida federal. Em relação à sua composição, a dívida pública encerrou o ano passado com 39,4% corrigida por títulos prefixados (com papéis definidos no momento da emissão), 32,5% vinculados a índices de preços, 22,8% corrigidos pela taxa Selic (juros básicos da economia) e 5,3% atrelados ao câmbio. A composição considera tanto a dívida interna quanto a externa. A participação dos títulos prefixados ficou abaixo da meta mínima fixada, de 40%. Os títulos prefixados são preferíveis para o Tesouro Nacional porque dão previsibilidade à administração da dívida pública. O governo sabe exatamente o quanto vai pagar daqui a vários anos, no vencimento do título, porque os juros são definidos no momento da emissão. O Tesouro tem mais facilidade de vender esse tipo de papel em momentos de estabilidade na economia. A fatia dos títulos corrigidos pela inflação também ficou abaixo da meta mínima de 33% estabelecida para 2015. A participação dos papéis vinculados à taxa Selic, no entanto, ficou acima do limite máximo de 22%. O forte aumento dos juros no ano passado elevou o peso desse tipo de papel no endividamento do governo. Por meio da dívida pública, o governo emite títulos para levantar recursos necessários para honrar os compromissos. Em troca, o Tesouro compromete-se a devolver o total acrescido de uma correção, que pode ser prefixada ou seguir a inflação, a taxa Selic ou o câmbio. (Agência Brasil)


VOLTAR