Editada medida provisória para desburocratizar abertura de empresas » Rede Acontece
Últimas
24-03-2019 » 1.373 pessoas a bordo | Navio de cruzeiro que estava à deriva chega a porto na Noruega 24-03-2019 » Morto aos 82 anos | Opinião: Domingos Oliveira foi farol de inteligência na arte 24-03-2019 » Passou por 3 países | Sobe para 750 número de mortos após ciclone atingir sul da África 24-03-2019 » Deputado David Miranda | Substituto de Jean Wyllys comemora adoção com marido 24-03-2019 » Reuniu celebridades | Após polêmica, Baile da Vogue se reinventa e dá espaço à diversidade 24-03-2019 » Em meio à crise política | Joice critica colegas do PSL e diz que Congresso é um "zoo sem jaulas" 24-03-2019 » Campeonato Paulista | VAR é aprovado por FPF, mas revolta palmeirenses 24-03-2019 » Baixada Fluminense | Vereador de Japeri (RJ) é encontrado morto em carro 24-03-2019 » Jogo duro de Zak Brown | Chefe da McLaren pede mudanças e cogita saída da equipe da Fórmula 1 24-03-2019 » Articulações para reforma | Bolsonaro recebe líder do governo na Câmara para tratar de "aproximação" 24-03-2019 » Operação que prendeu Temer | Delator diz à PF que empresário detido era próximo a Eunício 24-03-2019 » "Prioridade é Previdência" | Após atritos, Maia exclui pacote anticrime de Moro da agenda da Câmara 24-03-2019 » Eles odeiam os pequenos | Mães contam como a aversão de estranhos a crianças afeta seus filhos 24-03-2019 » Entrevista | "Se você avaliar muito o Brasil, dá uma pirada", diz Bebel Gilberto 24-03-2019 » Método é mais eficiente | Oslo será a primeira cidade a recarregar táxis elétricos pelo ar
Publicidade
INTERSORFT 100 MEGA
corretora de seguros
15 de março de 2019

Editada medida provisória para desburocratizar abertura de empresas

Foto Reprodução

Foi publicada na última quinta-feira (14), no Diário Oficial da União (DOU), a Medida Provisória (MP) 876/2019. O governo argumenta que o objetivo é melhorar o ambiente de negócios no Brasil, mediante a simplificação e a desburocratização do registro de empresas. A MP prevê o registro automático nas juntas comerciais de firmas constituídas como Empresário Individual, Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli) e Sociedade Limitada (LTDA), quando preenchidos determinados requisitos. Caso esses requisitos não sejam atendidos, ainda assim, os atos devem ser efetivados no prazo já vigente desde 2007, de dois dias úteis. Na mensagem enviada ao Congresso Nacional, o governo informa que, de acordo com dados das juntas comerciais, esses tipos de empresa representam 96% das empresas que procuram registro — sendo que atualmente menos de 1% desses pedidos são indeferidos após análise dos documentos. (Fé pública). A MP também estabelece que a declaração do advogado ou do contador da empresa passa a ter fé pública. Na prática, quando o advogado ou o contador que representa a empresa atestar verbalmente, na hora do atendimento, a autenticidade de documento relativo à empresa que estiver representando na junta comercial, não precisará haver cópia autenticada. O governo argumenta que a exigência de autenticação de documentos em cartório é medida arcaica e que há tempos já vem sendo objeto de dispensas e relativizações. O Executivo também observa que a possibilidade de declaração de autenticidade por advogados já é uma realidade há anos em processos judiciais. A MP será analisada por uma comissão especial formada por deputados e senadores. Depois da análise na comissão, o texto será enviado para a Câmara dos Deputados e, se aprovado, seguirá para o Senado.


VOLTAR