Eleição pode livrar Lúcio da cassação, admite presidente do Conselho de Ética » Rede Acontece
Últimas
17-02-2019 » Acidente matou Boechat | Mãe de piloto de helicóptero morre três dias depois do filho 17-02-2019 » Crise no Planalto | Bolsonaro já assinou saída de Bebianno, dizem interlocutores 17-02-2019 » E o coração aguenta? | Maiara e Maraisa lavam alma sertaneja com sofrência e Jenifer no festival 17-02-2019 » Chegou chegando | Ludmilla põe público do CarnaUOL para rebolar e dançar até o chão com funk 17-02-2019 » Chicleeeeete! | Show de Bell Marques faz evento tremer com sucessos da BA 17-02-2019 » Primeira atração | Abertura do CarnaUOL tem clima de micareta com a Banda Eva 17-02-2019 » De olho nos ponteiros | Horário de verão no Brasil terminou; atrase relógio em 1 hora 17-02-2019 » 1ª negra na posição | Maju estreia na bancada do JN com elogios e improviso 17-02-2019 » Deslizamento em Mauá | Bombeiros buscam por 2 crianças soterradas na Grande São Paulo 17-02-2019 » Taça Guanabara | Justiça determina final com portões fechados após pedido do Flu 17-02-2019 » Papo com Mazzafera | No CarnaUOL, Ludmilla diz que nunca transou em 1º encontro: 'Sou careta' 17-02-2019 » Um ano após tiroteio nos EUA | Alunos, pais, policiais e professores falam sobre tragédia em Parkland 17-02-2019 » Destaque do CarnaUOL | Mariana Xavier conta a Mazzafera qual foi a pior cantada que já ouviu 17-02-2019 » Em São Paulo | CarnaUOL vibra com eletrônico de Alok 17-02-2019 » Bombeiros, Defesa Civil e PM já atuam | Moradores de Nova Lima (MG) deixam casas por risco em barragem
Publicidade
7 de julho de 2018

Eleição pode livrar Lúcio da cassação, admite presidente do Conselho de Ética

Foto Rede Acontece

O presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, Elmar Nascimento (DEM-BA), admitiu ao GLOBO que os processos de cassação contra os deputados Lúcio Vieira Lima (MDB-BA) e Nelson Meurer (PP-PR) poderão não ser concluídos até o fim do ano em função da campanha eleitoral. Por falta de quórum para realizar as reuniões, o conselho deve livrar os parlamentares da possível perda de mandato e da consequente inelegibilidade. Caso nenhuma decisão seja tomada pelo colegiado até o fim de dezembro, quando acaba a atual legislatura, os processos abertos contra os parlamentares serão arquivados. “O problema é o quórum nesse período. Vai depender muito da pauta que o presidente da casa vai colocar. Se não tiver nada no Plenário, vai ser muito difícil reunir a comissão e conseguir quórum. Então isso pode comprometer um pouco”, afirmou o deputado democrata. Lúcio Vieira Lima é processado por quebra de decoro parlamentar porque é acusado de reter parte dos salários de seu ex-assessor Job Ribeiro Brandão e de lavar dinheiro mediante ocultação no caso dos R$ 51 milhões encontrados pela Polícia Federal em um apartamento atribuído a seu irmão, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, em Salvador. Já Nelson Meurer responde por quebra de decoro parlamentar por ter sido o primeiro político com foro privilegiado condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito da Lava-Jato. Ele foi condenado pela Corte a 13 anos, nove meses e dez dias de prisão, em regime inicialmente fechado, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A representação contra Lúcio, apresentada pelo PSOL e pela Rede Sustentabilidade, tramita desde fevereiro. Porém, as oitivas de testemunhas de defesa e acusação arroladas no caso ainda não começaram. O plano de trabalho do deputado Hiran Gonçalves (PP-RR), relator da representação contra o emedebista baiano, indica que 24 testemunhas devem falar no processo. O colegiado costuma ouvir três testemunhas por reunião, o que deve atrasar ainda mais o processo. “Quem tem receio disso (de ser condenado) faz outro tipo de defesa, que é procrastinar ao máximo o processo. O que é legítimo. Não posso impedir que eles façam isso (apresentem testemunhas)”, disse Elmar. Entre os convocados para falar no processo contra o emedebista baiano estão seus irmãos, Geddel e Afrísio Vieira Lima, o ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, o doleiro Lúcio Funaro e Job Ribeiro Brandão.


VOLTAR