Eliana Calmon defende Moro após vazamento de mensagens: 'Não vejo crime' » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 21-02-2020 » Ex-governador do Rio | Delação de Cabral não reduz pena de 282 anos, decide Fachin 21-02-2020 » Câmbio | Dólar fecha em alta de 0,04%, a R$ 4,393, e bate novo recorde 21-02-2020 » Reforço para o ataque | Palmeiras anuncia a contratação de Rony, que se destacou no Athletico Paranaense 21-02-2020 » Crítica a Damares | Mariana Varella: Abstinência sexual não serve como política de saúde 21-02-2020 » No meio da rua | Munik Nunes faz ensaio de mágica sexy em SP antes do Carnaval 21-02-2020 » Festa eclética | DJ no frevo e jazz! Carnaval de PE abraça todos os sons 21-02-2020 » 'É possível' | Luisa Mell relembra 'fantasia maravilhosa sem crueldade' 21-02-2020 » Nada de folia | Blocos te dão urticária? Calma, dá para curtir o recesso em São Paulo 21-02-2020 » Degundo Febraban | Bancos vão ficar fechados na segunda e na terça de Carnaval 21-02-2020 » Em Salvador | Claudia Leitte vai se vestir de Madonna: 'Sonho de infância' 21-02-2020 » Por trabalho social | Simone dá adeus à bateria da Dragões e é premiada em Paris 21-02-2020 » Destaque na Sapucaí | Julianne Trevisol faz ensaio sensual antes de cair no samba no Rio 21-02-2020 » Veja fotos | Mangueira faz último teste em alegoria com negro crucificado 21-02-2020 » Após Caixa | Bancos privados preparam crédito imobiliário com juros fixos 21-02-2020 » Freira aponta gargalos no SUS | Pioneira em saúde da família em SP, missionária canadense deixa o Brasil 21-02-2020 » Opinião - Posse de Bola | Por que Dudu é um dos dez mais do Palmeiras 21-02-2020 » Preso na Espanha | Membro da Máfia Chinesa acusado de mortes é extraditado ao Brasil 21-02-2020 » São Paulo | Cuidadora assume ter participado de assalto que deixou idoso morto 21-02-2020 » Crime em Águas Claras | Jovem é vítima de estupro coletivo ao voltar para casa no DF 21-02-2020 » Remunerações extras | Água chega com odor e gosto estranhos em SP
Publicidade
13 de junho de 2019

Eliana Calmon defende Moro após vazamento de mensagens: ‘Não vejo crime’

Foto Rede Acontece

A ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Eliana Calmon, afirmou que encarou com naturalidade as conversas ocorridas entre o ex-juiz e atual ministro Justiça, Sérgio Moro, e o procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol. “Eu não vi nenhuma tendenciosidade contra um partido. Eu vi uma tendenciosidade contra as pessoas que estavam sendo investigadas. É natural que qualquer ser humano se posicione. Essa história de juiz ser neutro. Isso não existe”, disse durante entrevista ao Jornal da Cidade – II Edição, apresentado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, nesta quarta-feira (12). A jurista, que prometeu engajar-se na campanha de Jair Bolsonaro à presidência no segundo turno das eleições, no ano passado, ainda ressaltou que enxergou uma preocupação com a investigação por envolver o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Envolvia pessoas importantes, um ex-presidente da República e um político importante. É natural que a prova fosse a mais contundente possível. Para que não abrisse um processo, que fizesse um estardalhaço e não desse em nada”. Na oportunidade, Eliana Calmon defendeu a permanência de Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública. “Não vejo crime. Não vejo contaminação da prova. Não houve trama. Não se forjou. Não se inventou. Apenas estava preocupado para que o processo fosse mais dinâmico”. A ministra também elogiou os desembargadores João Pedro Gebran, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus, que compõem a 8ª Turma Criminal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Eles julgaram o recurso do ex-presidente Lula contra a decisão de Moro, no caso do tríplex no Guarujá (SP). “Toda essa prova foi revista por três grandes desembargadores, todo mundo acompanhou o julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Esses desembargares são muito corretos. Essa prova passou pelo Superior Tribunal de Justiça e tudo foi validado”.


VOLTAR