Eliana Calmon defende Moro após vazamento de mensagens: 'Não vejo crime' » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 14-07-2020 » Mais tempo em casa | Por que as pessoas estão adotando mais pets durante a pandemia? 14-07-2020 » 'Nietzsche, o roba brisa' | De Platão a Descartes, Youtuber Audino Vilão leva filosofia para a quebrada 14-07-2020 » Morte do menino Miguel | MP-PE denuncia Sarí Corte Real por crime de abandono de incapaz 14-07-2020 » Violência contra a mulher | Empresária é morta por namorado policial no AP: 'Ele passava segurança', diz irmã 14-07-2020 » Ao vivo | Assista ao Jornal da Tarde, com Joyce Ribeiro e Aldo Quiroga 14-07-2020 » Quer pendurar a chuteira no Bahia | Daniel Alves comenta o pior momento da sua carreira: 'Senti o baque' 14-07-2020 » Suspeita de propina | Demitida em 2018, assessora de Doria recebe R$ 12,6 mil em SP 14-07-2020 » Ensino superior | UnB cassa diplomas e expulsa alunos por fraude em cotas raciais 14-07-2020 » Universa Talks | Meninas sem banheiro em casa têm nota 25% menor no Enem', diz expert em saneamento 14-07-2020 » Tecnologia e política | Reino Unido veta Huawei do 5G, em vitória de Trump que deve afetar o Brasil 14-07-2020 » Brecha na lei | Impasse jurídico trava investigações sobre PMs que matam em São Paulo 14-07-2020 » Veja quem recebe | Caixa libera hoje novo saque do auxílio emergencial de R$ 600 14-07-2020 » Futebol carioca | Fla e Flu veem rivalidade explodir após jogos duros e guerra nos bastidores 14-07-2020 » Conexão VivaBem | 'Passar a pandemia solteira é um grande aprendizado', diz Marcela do BBB 20 14-07-2020 » No Japão | Minhoca é encontrada em amígdala de mulher com dor de garganta 14-07-2020 » Loterias | Mega-Sena sorteia hoje R$ 44 milhões; confira como apostar 14-07-2020 » Barra Mansa | RJ: prefeito é afastado em operação contra corrupção 14-07-2020 » Pela segunda vez | Governo exonera o secretário adjunto de Mário Frias na Cultura 14-07-2020 » Vítima da covid-19 | RJ: família procura corpo de idoso, crê em enterro errado e vai à Justiça 14-07-2020 » Conjunto de malwares | Vírus brasileiros miram senhas de bancos em pelo menos 11 países
Publicidade
13 de junho de 2019

Eliana Calmon defende Moro após vazamento de mensagens: ‘Não vejo crime’

Foto Rede Acontece

A ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Eliana Calmon, afirmou que encarou com naturalidade as conversas ocorridas entre o ex-juiz e atual ministro Justiça, Sérgio Moro, e o procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol. “Eu não vi nenhuma tendenciosidade contra um partido. Eu vi uma tendenciosidade contra as pessoas que estavam sendo investigadas. É natural que qualquer ser humano se posicione. Essa história de juiz ser neutro. Isso não existe”, disse durante entrevista ao Jornal da Cidade – II Edição, apresentado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, nesta quarta-feira (12). A jurista, que prometeu engajar-se na campanha de Jair Bolsonaro à presidência no segundo turno das eleições, no ano passado, ainda ressaltou que enxergou uma preocupação com a investigação por envolver o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Envolvia pessoas importantes, um ex-presidente da República e um político importante. É natural que a prova fosse a mais contundente possível. Para que não abrisse um processo, que fizesse um estardalhaço e não desse em nada”. Na oportunidade, Eliana Calmon defendeu a permanência de Moro no Ministério da Justiça e Segurança Pública. “Não vejo crime. Não vejo contaminação da prova. Não houve trama. Não se forjou. Não se inventou. Apenas estava preocupado para que o processo fosse mais dinâmico”. A ministra também elogiou os desembargadores João Pedro Gebran, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus, que compõem a 8ª Turma Criminal do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Eles julgaram o recurso do ex-presidente Lula contra a decisão de Moro, no caso do tríplex no Guarujá (SP). “Toda essa prova foi revista por três grandes desembargadores, todo mundo acompanhou o julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Esses desembargares são muito corretos. Essa prova passou pelo Superior Tribunal de Justiça e tudo foi validado”.


VOLTAR