Empresário utilizava “fama” do Siriguejo Delivery para aplicar golpes de estelionato » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Não quer gastar o 3G? | Veja como economizar dados móveis ao ver vídeos no YouTube 23-10-2018 » Equipe ficou exausta | Cena sem cortes de Demolidor precisou de 12 horas e sete takes 23-10-2018 » Design sedutor | Renault Mégane RS é o hot hatch que todos sonham no Brasil 23-10-2018 » Mutações | Se genoma é o mesmo, por que resultado de teste genético muda? 23-10-2018 » Meia do Palmeiras | Neymar pai tentou levar L. Lima ao Barça, mas saída de filho impediu 23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro: 'Somos a garantia da liberdade e da democracia' 23-10-2018 » Candidato do PT | Falas radicais do clã Bolsonaro dão tração a articulação pró-Haddad 23-10-2018 » 'Não tenho alternativa' | Torturado por Ustra, vereador do PV rejeita PT e defende voto nulo 23-10-2018 » Fim da campanha | Bolsonaro desiste de ir, e Globo cancela debate de 6ª 23-10-2018 » Falta 1 mês para liquidação | Confira seis dicas dos especialistas para se dar bem na Black Friday 23-10-2018 » Entrevista com Monica de Carvalho | Diretora do Google é quem faz surgir produto que você pesquisou antes 23-10-2018 » Bolsonaro falou em 'banir vermelhos' | Estudiosos de genocídios fazem alerta a discurso de 'eliminar adversário' 23-10-2018 » Disputa governo do Rio | Há um mito de que juiz não pode ser político, diz Wilson Witzel 23-10-2018 » Hoje, às 18h10 | UOL, Folha e SBT promovem debates em São Paulo e Rio 23-10-2018 » Juiz de primeira instância | Sinalização de que Bolsonaro pode indicar Moro ao STF desagrada cortes 23-10-2018 » Forças no Congresso | Apoio a Maia para presidir a Câmara ganha força no PSL 23-10-2018 » O que prometem os candidatos | Veja quais são as propostas de Bolsonaro e Haddad para a economia
Publicidade
7 de agosto de 2018

Empresário utilizava “fama” do Siriguejo Delivery para aplicar golpes de estelionato

Foto: Reprodução

Dono da empresa Siriguejo Delivery, Rodrigo Soares Góis, 41 anos, foi apresentado à imprensa na tarde desta segunda-feira (6), em Salvador. Ele foi acusado pela polícia de estelionato. Segundo os delegados responsáveis pelo caso, Rodrigo pratica o crime desde 2012 e já soma 21 denúncias de vítimas.

O empresário foi apresentado pelos delegados Delmar Bittencourt, do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), e Carla Ramos, titular da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR). O inquérito e investigação do caso estão sob responsabilidade de Carla Ramos e a prisão foi efetuada, no sábado (4), por equipes do DCCP.

“Nos autos do meu inquérito nós temos pelo menos dez vítimas nesse valor de R$ 100 mil. Pessoas físicas. Mas a gente acredita que com a notícia da prisão vão aparecer outras vítimas, e eu acredito que esse valor vai ser muito superior”, declarou a delegada.

O inquérito policial começou a partir de três ocorrências registradas por cinco médicas, que disseram ser clientes do “Siriguejo Delivery”. A titular da DRFR relatou que, a partir da credibilidade que Rodrigo tinha como dono desta empresa, as vítimas criavam uma relação de confiança. “Inclusive, ele tem uma página nas redes sociais que mostra que ele é bem relacionado, tem relação com artistas, personalidades…”, contou Carla Ramos.

Além disso, para enganar as vítimas, Rodrigo usa o argumento de que tem vínculos com pessoas da Receita Federal e, por isso, ele poderia adquirir aparelhos eletrônicos por um valor muito abaixo do que o mercado propõe. “Por exemplo: um telefone de última geração, que é o Iphone X, que é vendido nas lojas por R$ 7 mil, ele disse que conseguiria por R$ 1.900 mil. Diante disso, essas médicas resolveram adquirir os aparelhos, depositaram a quantia para ele, equivalente a R$ 10 mil, e esses aparelhos nunca apareceram. Elas perceberam que se tratava de um golpe e vieram à delegacia”, declarou a delegada.

Sobre o uso do argumento de Rodrigo ter relação com a Receita Federal, a delegada informou que “isso não procede”. “É bom que se deixe claro de que esse tipo de leilão é sério. Não existe nada por baixo do pano [na Receita Federal] e ele, na verdade, usa isso como golpe. Fica com o dinheiro e nunca entrega nada, porque não tem vínculo com ninguém da Receita Federal.

Em outro golpe, também usando o argumento dos celulares, Rodrigo conseguiu lesar um escritório de advocacia em R$ 90 mil.

“Nas investigações, nós descobrimos que esse é o modo operante dele desde 2012, ele já vendeu de tudo: terreno, veículos, celular, notebook, televisor e até para uma escola infantil, ele disse que iria vender todos os equipamentos da escola arrematados sempre com lotes da Receita Federal”, revelou a titular da DRFR. A delegada ressaltou que estes outros golpes foram descobertos ao longo das investigações e registrados em outras delegacias.

A EMPRESA

A Siriguejo Delivery funciona e, conforme os delegados, não há denúncia relacionada à empresa. Apesar disso, a companhia está em nome de uma segunda pessoa, que funciona como laranja. Rodrigo disse, em depoimento, que o laranja só empregou o nome, pois ele não possui bens.

“Ele é uma pessoa extremamente escorregadia. Essa questão do delivery funciona porque não é ele que vai fazer as entregas, e sim, um motoboy. Então ele tinha toda a segurança de impedir a entrada de uma pessoa que não fosse de confiança, que seria o motoboy ou até mesmo os cozinheiros”, disse a delegada.

“Ele me disse, em interrogatório, que a empresa rende em torno de R$ 12 mil mensal, mas que esse valor é sazonal e no verão ele conseguia angariar muito mais, por causa da época. A fonte real de renda dele, são os golpes”.

A PRISÃO

Os delegados contaram que ele tomava todos os tipos de cuidados para não ser preso. Rodrigo, além de se mudar com frequência, trocava de carro e número de celular.

Os investigadores do DCCP conseguiram o endereço do bairro Santa Cruz, onde Rodrigo estava com a nova sede do Siriguejo Delivery e foi dada voz de prisão. “Ele não resistiu, imaginou que nunca seria pego”, relatou o delegado Delmar Bittencourt.

A delegada Carla Ramos esclareceu que “pelo tempo entre os golpes, a gente vê que isso é uma conduta reiterada. O tempo máximo dessa pena é de até cinco anos, mas por ser um crime continuado, acredito que o juiz deve aumentar em dois terços”.

O mandado de prisão cumprido no sábado foi expedido pela 12ª Vara Crime de Salvador, e Rodrigo será encaminhado ao sistema prisional.


VOLTAR