Entre os preconceitos citados em pesquisa, 38% sinaliza sofrer discriminação por ser evangélico » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 27-01-2020 » Blindada para dar entrevistas | Perto da Globo, Larissa Manoela evita perguntas em evento da Netflix 27-01-2020 » Tradição na cidade | Lexa fecha o pré-Carnaval do bloco Agrada Gregos, em São Paulo 27-01-2020 » Infância em risco | Bebês crescem entre máquinas e se ferem em oficinas de roupa pelo Brasil 27-01-2020 » Crime no Paraná | Jovem é morta e suspeito vai ao velório: 'Audacioso', diz mãe da vítima 27-01-2020 » Ao menos 44 morreram | Saiba quem são as vítimas das chuvas em Minas Gerais 27-01-2020 » TokuTour ao Japão | Cantor brasileiro lança excursão com ator de Jaspion 27-01-2020 » Eleições de 2022 | Josias: Bolsonaro e Lula veem Moro como presidenciável 27-01-2020 » Pinto Martins | Aeroporto de Fortaleza tem parte do teto arrancada por vento 27-01-2020 » Equipe pré-olímpica | Assista: raio cai perto de campo da seleção e cancela treino 27-01-2020 » 'Meia-humanoide' | Robô 'mulher' e tuiteira: quem é a nova astronauta da Índia 27-01-2020 » Interior de SP | Avó passa mal e morre ao receber a notícia da morte do neto 27-01-2020 » Vagas 'olímpicas' | Alunos contam como entraram na USP sem precisar fazer vestibular 27-01-2020 » Benefício social | INSS começa a pagar hoje aposentadoria com ajuste para quem ganha o mínimo 27-01-2020 » Morte do astro do basquete | Acidente com Kobe Bryant pode ter sido um voo imprudente contra o terreno 27-01-2020 » Queda de helicóptero | Kobe competia com jogadores da NBA desde os 16 anos e era fanático por futebol 27-01-2020 » Premiação nos EUA | Vencedora de todas as seis indicações, Billie Eilish se consagra no Grammy 2020 27-01-2020 » Escalada de ódio | Ameaça, intolerância e apologia nazista: judeus relatam temor no país 27-01-2020 » Bolsonaro viajou ao país | Brasil alinha dois acordos de defesa com a Índia, diz secretário 27-01-2020 » Mortes chegam a 80 | Coronavírus: ritmo de infecções é alarmante, dizem autoridades chinesas 27-01-2020 » Campeonato Carioca | 'Fazer cinco não é normal', diz Odair após goleada
Publicidade
22 de janeiro de 2019

Entre os preconceitos citados em pesquisa, 38% sinaliza sofrer discriminação por ser evangélico

Foto Rede Acontece

Um a cada três brasileiros diz já ter sido vítima de discriminação por conta de sua classe social, segundo uma pesquisa do instituto Datafolha. E esse número aumentou nos últimos anos. Assim como cresceu a proporção de pessoas que declaram já terem sofrido preconceito por sua cor da pele, orientação sexual, local onde vive, religião ou gênero. O preconceito de classe havia sido sentido por 23% dos entrevistados em levantamento anterior do instituto, de 2008, e por 21% em 2007. No atual, foram 30%. Esse tipo de discriminação é mais sentida no Sudeste do país (declarado por 35% dos entrevistados) e menos no Nordeste (25%) e mais em cidades grandes que pequenas (34% dos entrevistados nos municípios com mais de 500 mil habitantes e 21% nos com menos de 50 mil pessoas). O Datafolha ouviu 2.077 pessoas com 16 anos ou mais em 130 cidades entre 19 e 10 de dezembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%. Em outubro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), à época candidato, afirmou que “tudo é coitadismo” no Brasil. “Coitado do negro, coitada da mulher, coitado do gay, coitado do nordestino, coitado do piauiense. Tudo é coitadismo no Brasil, nós vamos acabar com isso”, disse, em entrevista à afiliada do SBT no Piauí. O preconceito é menos percebido entre quem declarou voto no militar. 26% dos eleitores de Bolsonaro disseram já ter sofrido discriminação por classe social e 18% por racismo. Entre os eleitores do candidato derrotado, Fernando Haddad (PT), 37% declararam terem sido vítimas de preconceito de classe, e 27% de racismo. A discriminação racial já acometeu mais de 1/5 dos brasileiros, apontou a pesquisa. O índice é cinco vezes maior entre os que autodeclarados pretos (55% foram vítimas) do que entre os que se declaram brancos (11%). No Brasil, é considerado crime contra a honra a injúria motivada por raça, cor, etnia, religião e origem, entre outros, sob pena de reclusão de um a três anos e multa. Costuma-se considerar injúria o uso de palavras depreciativas, como chamar uma pessoa negra de “macaco”. Já o crime de racismo e o de preconceito religioso é inafiançável e imprescritível e a pena varia de um a cinco anos de reclusão, além de multa. Envolve mais do que ofender verbalmente uma pessoa pela sua cor da pele ou religião. Significa também impedir o acesso de pessoas a determinados lugares (hoteis, restaurantes, elevadores sociais etc.) ou negar-lhes emprego de acordo com sua etnia, entre muitos outros casos. O Datafolha também mediu o sentimento de discriminação religiosa. O índice é bem maior entre adeptos de religiões africanas (68% já sofreram preconceito) e entre os que frequentam igrejas evangélicas neopentecostais (48%). Entre os evangélicos em geral, independentemente da vertente, a taxa é de 38%. Católicos, maior parte da população brasileira, são os que menos declararam já terem sido alvo de preconceito religioso (17%), menos até do que os sem religião (18%). O instituto mediu ainda a percepção de discriminação de acordo com a orientação sexual. 55% dos entrevistados que se declararam homossexuais disseram já terem sido vítimas de preconceito por conta de sua orientação. O número cai para 38% entre bissexuais e 6% entre heterossexuais. Não há legislação federal que tipifique a homofobia especificamente como crime. Em São Paulo, lei estadual pune a discriminação contra homossexuais, bissexuais e transgêneros e quem “proibir a livre expressão e manifestação de afetividade” com advertência e

Uma a cada três mulheres entrevistadas também disseram já terem sofrido preconceito pelo único fato de serem mulheres. Não há expectativa de que no atual governo se crie medidas para combater o preconceito. Embora no discurso de posse feito no Congresso o novo presidente tenha defendido uma “sociedade sem discriminação”, depois, ao falar à população em púlpito, afirmou que iria “libertar o Brasil” do politicamente correto. O novo governo excluiu a menção à população LGBT no escopo das atribuições da Mulher, Família e Direitos Humanos e vai extinguir uma secretaria do Ministério da Educação que é responsável por ações de diversidade, como direitos humanos e relações étnico-raciais. Por outro lado, deve haver uma maior valorização da população evangélica, que tem alta taxa de sensação de discriminação religiosa, segundo a pesquisa, e faz parte da base de apoio do presidente. A depender da disposição da primeira dama, Michelle Bolsonaro, que discursou em libras na posse, a população também deve haver programas voltados à população com deficiência.


VOLTAR