Estado recorre ao governo federal e pede R$ 61 milhões para custear policlínicas » Rede Acontece
Últimas
26-03-2019 » Solto por decisão do TRF-2 | Ex-presidente Michel Temer é solto no Rio após 4 dias de prisão 26-03-2019 » Encontro em Boston | Mourão vai se reunir com imigrantes brasileiros nos EUA 26-03-2019 » Nego Ney | Como funkeiro mirim embala o Fla em fase decisiva da temporada 26-03-2019 » SP e Curitiba | Justiça nega entrada de menores de 10 anos em show de P. McCartney 26-03-2019 » Aposentadoria | Brasileiro vive quase tanto quanto alemão e para 10 anos antes 26-03-2019 » Governador do Rio | Witzel é intimado por dívida de R$ 115 mil com ex-sogra 26-03-2019 » Tríplex do Guarujá (SP) | Lula pede que STJ anule condenação e envie caso à Justiça Eleitoral 26-03-2019 » Conflito pela reforma | Líder do PSL critica articulação do governo na Previdência 26-03-2019 » Ministro da Casa Civil | Onyx encomenda extinção de conselhos participativos do Meio Ambiente 26-03-2019 » Ele diz que vai recorrer | Tribunal afasta ex-ministro Carlos Marun do Conselho de Itaipu 26-03-2019 » Baixa no alto escalão da pasta | Secretária de Educação Básica pede demissão do MEC 26-03-2019 » Chef duas estrelas Michelin | O sonho do restaurante normalmente vira pesadelo, diz Ivan Ralston 26-03-2019 » Barragem da Vale em alerta | Moradores de Barão de Cocais (MG) relatam noites sem sono 26-03-2019 » 'Ele era meu melhor amigo' | Jovem revela como usou o Facebook para avô confessar abuso 26-03-2019 » Amistoso em Praga nesta 3ª | Mauro Cezar: Crédito popular pré-Copa de Tite acabou, e Brasil precisa "performar" 26-03-2019 » Celebração em 31 de março | Bolsonaro determinou "comemorações devidas" do golpe de 1964, diz porta-voz
Publicidade
INTERSORFT 100 MEGA
corretora de seguros
5 de janeiro de 2019

Estado recorre ao governo federal e pede R$ 61 milhões para custear policlínicas

Foto Reprodução

Nas inaugurações das primeiras oito policlínicas regionais de saúde, o governador Rui Costa e o secretário estadual de Saúde, Fábio Vilas-Boas, exaltavam o modelo de financiamento escolhido para elas. São 60% de custeio para os municípios e 40% para o estado. Assim, não seria necessária a entrada de recursos federais no circuito. Evitaria que o governo do estado passasse o pires para a União e também seria uma mostra de que a gestão de Rui conseguiria, de forma independente, garantir o sucesso de uma das principais iniciativas do primeiro governo. No entanto, o governo baiano acabou se rendendo à União no quesito policlínicas. Em uma resolução aprovada pela Comissão Intergestores Bipartite da Bahia, formada pela Sesab e pelo Conselho Estadual dos Secretários Municipais de Saúde da Bahia (Cosems), o estado pediu ao governo federal o valor anual de R$ 61 milhões para custear as policlínicas de Alagoinhas, Feira de Santana, Guanambi, Irecê, Jequié, Santo Antônio de Jesus, Teixeira de Freitas e Valença. O montante solicitado foi no teto financeiro, ou seja, o valor mais alto, para Média e Alta Complexidade (MAC) do estado. Cabe ao governo federal definir se fará, ou não, o aporte pedido pela Bahia. Vale lembrar que a resolução foi feita em 8 de dezembro, portanto, ainda na gestão do agora ex-presidente Michel Temer. Como a quantia ainda não foi liberada, caberá ao governo de Jair Bolsonaro, ao qual Rui faz oposição, definir se dará a ajuda financeira. A resolução não estabelece como seria feito esse repasse, se por convênio ou uma nova linha de custeio, por exemplo.


VOLTAR