Estudar inglês na infância estimula o desenvolvimento e aumenta as chances profissionais » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 08-08-2020 » Andreza Delgado | Castanhari cumpre papel de instigar o conhecimento 08-08-2020 » José Simão | Era pra acabar com a mamata, não com a mata! 08-08-2020 » Julio Abramczyk | A ciência e a pandemia da covid-19 08-08-2020 » Clodoaldo Silva | Tentando voltar à normalidade 08-08-2020 » Katia Rubio | Corte no Bolsa Atleta afeta milhares de jovens 08-08-2020 » Reinaldo Azevedo | Os vazamentos e o papel da imprensa 08-08-2020 » Fernando Haddad | O julgamento de suspeição de Moro 08-08-2020 » Beatriz Resende | Grupo de risco: a idade como desqualificação 08-08-2020 » Menon | Diniz tem chance de ouro de deslanchar 08-08-2020 » Claudia Costin | Habilidades e conhecimentos na formação 08-08-2020 » Julianna Sofia | Bolsonaro vira refém do auxílio emergencial 08-08-2020 » B. Boghossian | Não será fácil Moro preservar capital político 08-08-2020 » Balaio do Kotscho | Por que Fachin queria tanto ficar na vaga de Teori 08-08-2020 » Dibradoras | O gol inesquecível da Maurine para o Brasil 08-08-2020 » André Santana | Arte negra de educar: 'Frozen' e Yemanjá 08-08-2020 » Nelson Barbosa | Taxa real de juro vem caindo desde os anos 1990 08-08-2020 » M. M. Izidoro | Como nós precisamos cuidar do mundo 08-08-2020 » Sakamoto | Dois entregadores negros e o mesmo racismo 08-08-2020 » Caio Magri | 'Vamos tocar a vida' e as 100 mil vidas perdidas 08-08-2020 » Mari Rodrigues | LGBTI+ são protagonistas de suas histórias
Publicidade
20 de agosto de 2019

Estudar inglês na infância estimula o desenvolvimento e aumenta as chances profissionais

Foto: Reprodução

Atingir a fluência de um segundo idioma é um desejo de mais da metade da população. Um levantamento do Conselho Britânico revelou que apenas 1% dos brasileiros é verdadeiramente fluente em inglês e outros 4% se relacionam com a língua em vários estágios inferiores ao da fluência plena. Uma outra pesquisa, desta vez desenvolvida pela Catho, site de busca de emprego, mostrou que os salários de profissionais que dominam a língua podem chegar até a 61% a mais. É diante deste cenário que escolas de idiomas crescem no Brasil, com o objetivo de estimular o aprendizado de uma nova língua ainda antes da alfabetização. O contato com inglês desde a primeira infância é o mais indicado e, se feito de maneira adequada e natural, faz bastante diferença no processo de aprendizado, pois é capaz de envolver a criança de maneira que ela aprenda com mais facilidade, criando gosto pela língua. O cérebro infantil, por estar em formação, possui uma elasticidade e uma facilidade na absorção das informações. A capacidade de adaptação do sistema nervoso e a desinibição das crianças tendem a ser maior do que dos adultos. De acordo com Sylvia de Moraes Barros, CEO da The Kids Club, rede de escolas de inglês para crianças a partir dos 18 meses até os 12 anos, quando o indivíduo aprende um segundo idioma desde a primeira infância, torna-se também um agente ativo da sua aprendizagem e capaz de desenvolver outras habilidades, como a melhora no raciocínio, na capacidade de memorização e até no uso da sua própria língua materna. Já em nível pessoal, o contato com outras culturas desde bem pequeno estimula o comportamento tolerante com as diferenças, fazendo com que o indivíduo tenha maior consciência da parcialidade de sua própria cultura. Há diversos métodos disponíveis hoje no mercado, mas segundo Sylvia, a ludicidade e as brincadeiras são o melhor caminho. “Dos 18 meses até os três anos de idade, utilizar músicas e histórias infantis para apresentar sons e palavras aos pequenos é uma excelente alternativa. Conforme vão se desenvolvendo, o desafio pode aumentar, utilizando recursos mais divertidos e prazerosos para que o aluno vá se envolvendo cada vez mais com a nova língua e passe a se relacionar com o idioma como algo fácil e divertido. Dessa forma, nunca mais vai parar de aprender”, disse.


VOLTAR