Estudo comprova que Alzheimer deve ser subdividido em seis grupos » Rede Acontece
Últimas
26-03-2019 » Solto por decisão do TRF-2 | Ex-presidente Michel Temer é solto no Rio após 4 dias de prisão 26-03-2019 » Encontro em Boston | Mourão vai se reunir com imigrantes brasileiros nos EUA 26-03-2019 » Nego Ney | Como funkeiro mirim embala o Fla em fase decisiva da temporada 26-03-2019 » SP e Curitiba | Justiça nega entrada de menores de 10 anos em show de P. McCartney 26-03-2019 » Aposentadoria | Brasileiro vive quase tanto quanto alemão e para 10 anos antes 26-03-2019 » Governador do Rio | Witzel é intimado por dívida de R$ 115 mil com ex-sogra 26-03-2019 » Tríplex do Guarujá (SP) | Lula pede que STJ anule condenação e envie caso à Justiça Eleitoral 26-03-2019 » Conflito pela reforma | Líder do PSL critica articulação do governo na Previdência 26-03-2019 » Ministro da Casa Civil | Onyx encomenda extinção de conselhos participativos do Meio Ambiente 26-03-2019 » Ele diz que vai recorrer | Tribunal afasta ex-ministro Carlos Marun do Conselho de Itaipu 26-03-2019 » Baixa no alto escalão da pasta | Secretária de Educação Básica pede demissão do MEC 26-03-2019 » Chef duas estrelas Michelin | O sonho do restaurante normalmente vira pesadelo, diz Ivan Ralston 26-03-2019 » Barragem da Vale em alerta | Moradores de Barão de Cocais (MG) relatam noites sem sono 26-03-2019 » 'Ele era meu melhor amigo' | Jovem revela como usou o Facebook para avô confessar abuso 26-03-2019 » Amistoso em Praga nesta 3ª | Mauro Cezar: Crédito popular pré-Copa de Tite acabou, e Brasil precisa "performar" 26-03-2019 » Celebração em 31 de março | Bolsonaro determinou "comemorações devidas" do golpe de 1964, diz porta-voz
Publicidade
INTERSORFT 100 MEGA
corretora de seguros
9 de dezembro de 2018

Estudo comprova que Alzheimer deve ser subdividido em seis grupos

Foto Reprodução

Após observação de 4 mil pacientes, cientistas da Universidade de Washington, nos EUA, concluíram que o Alzheimer pode ser dividido em seis diferentes grupos, como informa o Viva Bem, do UOL. O estudo, de acordo com os profissionais envolvidos, pode contribuir para tornar o tratamento contra a doença mais eficaz ao utilizar de procedimentos específicos para cada caso. Para chegar nesta conclusão, a equipe de pesquisadores analisou os diferentes desempenhos cognitivos dos pacientes no momento em que foram diagnosticados com a doença. Nestas condições, eles utilizaram de quatro áreas onde foram distribuídos pontuações cognitivas: memória, funcionamento executivo, linguagem e funcionamento visuoespacial. Os seis grupos criados apresentaram variações nos escores dos quatro quesitos, podendo ter equiparado as pontuações de todas ou alcançado um desempenho insatisfatório em uma, duas ou três das quatro áreas. A descoberta, segundo os cientistas, está em fase inicial. Os pesquisadores ponderam quanto as possibilidades de dividir a doença em mais tipos, mas eles acreditam que o estudo está caminhando para a descoberta de tratamentos mais eficazes para o Alzheimer. Eles também não deixam de lado a possibilidade, no futuro, de ser criado um método que garanta a cura dos diagnosticados.


Tags:
VOLTAR