Ex-muçulmano, pastor diz que postura da Igreja sobre o Estado Islâmico deve ser de “oração” » Rede Acontece
Últimas
19-10-2018 » Ao Vivo | Band realiza debate eleitoral em 6 estados e no DF; acompanhe 19-10-2018 » Corrida presidencial | Datafolha: Bolsonaro tem 59%, e Haddad, 41% dos votos válidos 19-10-2018 » Campanha dos presidenciáveis | Pode estar ressentido, diz Haddad de recusa de Ciro 19-10-2018 » Sétimo Guardião vem aí | Realidade é tão terrível que voltei para fantasia, diz Aguinaldo Silva 19-10-2018 » Nega briga política | Marquezine confirma fim de namoro com Neymar: "Decisão dele" 19-10-2018 » Cuidado | Ameaçar a vida e a integridade de alguém nas redes é crime 19-10-2018 » Profissional do game | Longe do futebol, Jean Chera se dedica ao Fifa e jogará Brasileiro 19-10-2018 » 'Lamentável' | Susto e tristeza: como a banda de Roger Waters reagiu às vaias em SP 19-10-2018 » Ainda sem data para começar | Vítimas de pedofilia serão ouvidas em projeto-piloto do Vaticano no Brasil 19-10-2018 » Testemunha relata grito de 'Bolsonaro' | Grupo tenta evitar que travesti seja enterrada como indigente em SP 19-10-2018 » Remédio Vivo | Medicamentos biológicos tratam de câncer a doença viral; entenda 18-10-2018 » Eleições nas redes sociais | Campanha de Bolsonaro notificará empresas e processará Haddad 18-10-2018 » Mais Datafolha nos Estados | No Rio, Witzel tem 61% dos votos válidos 18-10-2018 » Disputa ao Governo de SP | Doria tem 53% e França, 47% dos votos válidos, diz Datafolha 18-10-2018 » Opinião | Justiça não pode duvidar que Ustra foi torturador 18-10-2018 » Caso Bolsonaro seja eleito | Ilan se prepara para deixar BC ao fim do mandato de Temer, segundo fontes
Publicidade
22 de dezembro de 2015

Ex-muçulmano, pastor diz que postura da Igreja sobre o Estado Islâmico deve ser de “oração”

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

O Estado Islâmico alcançou uma posição de ser a preocupação de diversos países e grupos sociais, e um pastor, que se converteu ao Evangelho após abandonar o islamismo, pregou um sermão sobre qual a postura que a Igreja deve tomar a respeito do assunto. No contexto em que como Igreja, todos nós cristãos somos parte da sociedade, o pastor Naeem Fazal, autor do livro “Ex-muçulmano”, ponderou que há apenas uma postura a ser tomada em relação aos grupos terroristas motivados pelo extremismo muçulmano. “Como igreja, temos uma posição para tomar, e nenhuma outra entidade, nenhuma outra organização, clube ou comunidade, pode atuar nessa posição. Nós somos os únicos que podemos tomar esta posição e realmente fazer a diferença”, afirmou Fazal, que é pastor na Mosaic Church, em Charlotte, Carolina do Norte (EUA). “E essa posição não é uma afirmação, ou uma ideia, ou uma solução. A posição é, na verdade, estar de joelhos fisicamente. Porque ninguém está ficando de joelhos. Ninguém mais está pensando dessa forma. Ninguém mais é chamado para fazer isso [orar]”, acrescentou o pastor. O sermão, realizado uma semana após o atentado terrorista em San Bernardino, Califórnia, por um casal de muçulmanos admirador do Estado Islâmico, foi uma resposta ao estado de perplexidade dos fiéis, que o procuraram para saber “o que fazer para evitar outro 11 de setembro”.Sobre esse temor coletivo, Fazal destacou que é importante se manter em oração, como recomenda a Bíblia, e citou a passagem de Daniel 10 para ilustrar a necessidade de ter paz interior para enfrentar os desafios: “A oração nos permite matar algumas coisas”, disse o pastor, incluindo “demônios interiores”, explicou. “Além disso, a oração pode trazer uma paz dentro de si mesma que isso ultrapasse o entendimento […] “colocando o Cristão em proteção sobrenatural”. Ao final, o pastor destacou que “a oração é mais do que uma conversa”, e explicou: “Em Mateus 18, Jesus está dizendo que você tem o poder de oração para acessar e controlar as coisas que você não vê”, e, novamente, ilustrou uma hipótese: “[Através de sua oração Deus pode ] sobrenaturalmente mostrar-se a um homem-bomba e dizer: ‘Você não irá acabar com todas essas pessoas. Seu plano era matar milhares e milhares de pessoas’. É a oração da igreja que tem impedido milhares de mortes que os terroristas haviam planejado”, disse o pastor. Em seu livro “Ex-muçulmano”, Fazal conta seu testemunho de conversão a partir de uma experiência sobrenatural que mudou o curso de sua vida. Paquistanês, ele foi criado no Kuwait e cresceu entre muçulmanos, vivendo a intensidade da Guerra do Golfo. Em 1992, ele imigrou para os Estados Unidos, onde se naturalizou norte-americano e conheceu o Evangelho.


VOLTAR