Facebook e Google apresentam código contra 'fake news' » Rede Acontece
Últimas
23-10-2018 » Presidenciável do PSL | Bolsonaro promete R$ 10 bi à ciência e quer astronauta ministro 23-10-2018 » Após fala de Eduardo | Em carta a Celso de Mello, Bolsonaro diz prestigiar STF 23-10-2018 » Candidato do PT | Duas semanas após 1º turno, Marina Silva declara 'voto crítico' em Haddad 23-10-2018 » Marcado para 24 de outubro | TRF-4 nega pedido de Vaccari para adiar julgamento de Palocci 23-10-2018 » 'Marginais vermelhos' | PT anuncia ações contra Bolsonaro por apologia ao crime após discurso 23-10-2018 » Campeonato Brasileiro | Santos marca no fim e empata com Inter por 2 a 2; assista aos gols 23-10-2018 » Ministério do Trabalho | 2017: Salário médio das mulheres cresce mais que de homens 23-10-2018 » Não é só Remy | Relembre mortos que 'ressuscitaram' do autor de Segundo Sol 23-10-2018 » SUVs | Jeep Renegade mudado e novos rivais: como fica o mercado 23-10-2018 » Personalidade forte | Sassá, F. Melo: futebol evolui, mas jogadores indomáveis resistem 23-10-2018 » Papo com o técnico | Renato Gaúcho: Grêmio pode encarar o Real de igual para igual 23-10-2018 » Desfila na SPFW | 'Tento me posicionar de uma forma mais sutil', diz Camila Queiroz 22-10-2018 » Submundo do marketing político | Como opera o mercado ilegal de santinhos virtuais via WhatsApp 22-10-2018 » Mais votado no 1º turno no AM | Wilson Lima tem respaldo de grupo de comunicação e apoia Bolsonaro 22-10-2018 » Opositor do regime morto na Turquia | As versões dadas pela Arábia Saudita até admitir assassinato de jornalista
Publicidade
27 de setembro de 2018

Facebook e Google apresentam código contra ‘fake news’

Foto Reprodução

O Facebook, Google, Twitter, entre outras associações, apresentaram um código de conduta à Comissão Europeia nesta quarta-feira (26) com uma série de práticas para combater as fake news e a desinformação online. A União Europeia pediu, em abril, que as plataformas da internet efetuassem um plano para combater esses problemas ou, caso contrário, estariam sujeitas a possíveis regulamentações criadas pelo bloco. As empresas se comprometeram em colocar fim ao “clickbait”, conteúdo que chama atenção para o clique, mas não oferece o que foi prometido. As associações querem colocar um fim na ligação entre a publicidade online e os sites que difundem informações falsas. Ainda, para tornar mais transparente a publicidade eleitoral na internet, as redes eliminarão as contas falsas e contas robô das plataformas; ampliarão o acesso dos usuários a diversas fontes de informação, melhorando a visibilidade de conteúdos relevantes; e facilitarão também as denúncias de mentiras. Será consentido, segundo o documento, aos pesquisadores e acadêmicos entrar nos dados das plataformas para monitorar a desinformação online. “Essa é a primeira vez que a indústria concordou voluntariamente com uma série de autorregulamentações para combater a desinformação no mundo”, declarou Mariya Gabriel, comissária de Sociedade Digital da UE. Ela também convidou outras associações a se unirem ao movimento, além de intimar as plataformas a colocarem imediatamente em prática as ações delineadas no código de conduta. A comissária se encontrará com as empresas nas próximas semanas para acompanhar a parte prática do projeto, e uma avaliação da eficácia das medidas será realizada até o fim de 2018. Gabriel lembrou, por fim, que, se os resultados forem insuficientes, a Comissão proporá ações às redes, inclusive regulamentadoras.


VOLTAR