Família detalha a repressão à igreja na China » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 13-08-2020 » Comportamento incomum | Por que Fagundes teve comentários bloqueados no Insta 13-08-2020 » Mais Brasileiro | Botafogo é dominado, mas arranca empate com RB Bragantino 13-08-2020 » Caso no ES | Mulher que teve corpo incendiado brigou por ciúmes, diz namorada 13-08-2020 » No Paraná | Em Curitiba, Athletico derrota o Goiás por 2 a 1 na Arena da Baixada 13-08-2020 » Governador de SP | Doria diz que não está tomando cloroquina: 'Sigo os médicos' 13-08-2020 » Seu bolso | Quanto vou receber do lucro do FGTS? Posso sacar agora? Tire dúvidas 13-08-2020 » Alexandre Baldy | Assédio a delator foi base para prisão de secretário de SP revogada por Gilmar 13-08-2020 » Álbum independente | CD do CPM 22 vira relíquia e chega a custar R$ 2,8 mil 13-08-2020 » Ex-ministro | Sergio Moro será professor de curso de direito em Brasília 13-08-2020 » Ossos no Reino Unido | Dinossauro 'primo' do Tiranossauro Rex é descoberto em praia 13-08-2020 » Brasileirão | Atlético-MG sai atrás, mas vence o Corinthians por 3 a 2 no Mineirão 13-08-2020 » Delfim Netto | Sem coragem para reforma, enxugaremos gelo 13-08-2020 » Ilona Szabó | A maldição do país que não chora seus mortos 13-08-2020 » Ruy Castro | Nada de cartão: dinheiro na mão dos Bolsonaros 13-08-2020 » Tostão | Tática e número não explicam tudo no futebol 13-08-2020 » Torres Freire | Liberalismo é loja de conveniência no atual governo 13-08-2020 » Ricardo Cavallini | Novas tecnologias: é preciso de regra antes de problema 13-08-2020 » Duvivier | Ter amigos demais é quase como não ter amigo nenhum 13-08-2020 » Débora Garofalo | Como minimizar efeitos da crise na educação infantil 13-08-2020 » B. Boghossian | Governo reforça seu projeto contra a educação
Publicidade
9 de julho de 2019

Família detalha a repressão à igreja na China

Foto: Reprodução

Nos últimos sete meses, o chinês Liao Qiang e sua filha, Ren Ruiting, viveram sob constante vigilância após as autoridades os deterem juntamente com dezenas de outros membros da igreja Early Child Covenant, cujo pastor, Wang Yi, permanece preso. Pai e filha conseguiram sair do país e agora estão em Taiwan. Na semana passada, pela primeira vez depois da prisão, eles puderam participar de um culto e revelarem os dias de terror que viveram. Eles estiveram na Igreja Presbiteriana Xinana Reformada, em Taipei, e falaram para cerca de 30 pessoas sobre os problemas que tiveram em seu país. Mais de 100 membros do Early Child foram detidos pela igreja ou seus lares em 9 e 10 de dezembro, de acordo com a Human Rights Watch. Após serem soltos, os cristãos viviam sob vigilância constante, Ren, uma jovem de 23 anos, precisava informar a polícia, através das mídias sociais, toda vez que iria sair de casa, sendo ameaçada de ter a segurança em risco caso não informasse. Cansado das ameaças, Liao e sua filha resolveram fugir. “Eu soube que não era mais seguro para nós e que meus filhos corriam o maior risco”, declarou ele. Liao disse à Associated Press que a polícia tentou forçá-lo a assinar uma declaração renunciando à sua igreja, mas ele recusou. Liao e sua família esperam permanecer em Taiwan enquanto procuram asilo nos Estados Unidos, mas com um visto de turista de 15 dias, seu futuro não está claro. “Não tenho certeza se eles podem ficar além do visto, a menos que o governo taiwanês esteja disposto a torná-lo um caso humanitário com base na perseguição religiosa”, disse Chiu Ling-yao, secretário-geral da Associação de Taiwan para a China Humana. Direitos, que está tentando ajudar a família a encontrar uma solução. O Partido Comunista da China não mede esforços para punir igrejas cristãs e seus membros, inclusive mantendo centros de concentração para “reeducação”, onde as minorias religiosas são obrigadas a jurarem fidelidade ao partido e ao líder Xi Jinping.


VOLTAR