Fiocruz produzirá no Brasil novo remédio para hepatite C » Rede Acontece
Últimas
19-07-2018 » Kefir, biomassa de banana... | Febre dos prebióticos e probióticos: ciência ainda discute sua eficácia 19-07-2018 » Presos na Papuda | Geddel e Luiz Estevão vão para segurança máxima no DF 19-07-2018 » Após rumores | Chay Suede nega romance com colega de novela 19-07-2018 » 'Tinha medo de ir e vir' | Nívea Stelmann diz por que trocou o Brasil pelos EUA 19-07-2018 » 'Não me entendem' | Galvão esclarece se vai se aposentar das narrações 19-07-2018 » Manteiga? Não! | O que você jamais deve usar como lubrificante no sexo 19-07-2018 » Candidato isolado | Bolsonaro tenta salvar aliança com general 19-07-2018 » Melhores da América Latina | Documentário do UOL sobre gays na Rússia concorre ao WAN-IFRA 19-07-2018 » "Dr. Bumbum" é preso no Rio | Foragido após morte de cliente, médico foi detido na Barra da Tijuca 19-07-2018 » Celulares podem ficar mais caros | Além de pagar multa recorde, Google deverá mudar Android; entenda 19-07-2018 » Ataque de tubarão é investigado | Adolescentes são mordidos enquanto mergulhavam em Nova York 19-07-2018 » Comic-Con sem Marvel nem GoT | O que esperar da maior feira de cultura pop, em San Diego (EUA)? 19-07-2018 » Como você é fiscalizado | Polícia não usa drone para multar quem fala ao celular enquanto dirige 19-07-2018 » Eleições 2018 | Centrão segura apoio a Ciro e tucanos aguardam 19-07-2018 » Filofobia | O que é e como superar o medo patológico de se apaixonar e formar laços 19-07-2018 » Ex-presidente preso | CNJ intima Moro e desembargadores sobre decisões na prisão de Lula 19-07-2018 » Tumulto no centro | SP: Usuários atacam motoristas após ação da GCM na Cracolândia 19-07-2018 » De galã teen a rei do rap | Como Drake se transformou no músico mais popular do mundo 19-07-2018 » SP x Corinthians | Aguirre confirma Jucilei fora do clássico; Rojas vai jogar 19-07-2018 » Refis | Receita cancela adesão de 700 "viciados" em renegociar dívidas
Publicidade
centro medico sao gabriel supermercado centrel grafica bandeirante clinica master lab laboratorio intersorft
12 de maio de 2016

Fiocruz produzirá no Brasil novo remédio para hepatite C

Imagem Reprodução

Imagem Reprodução

A Fiocruz e o Consórcio BMK, formado pelas empresas Blanver Farmoquímica, Microbiológica Química e Farmacêutica e Karin Bruning assinaram um acordo de cooperação técnico-científica que permitirá o desenvolvimento do medicamento Sofosbuvir (400mg), indicado para o tratamento da hepatite C. O produto tem efeito curativo, quando utilizado sozinho e/ou associado a outros inibidores de protease, num esquema terapêutico (administração oral) de 12 semanas (84 comprimidos/tratamento), evitando o uso do interferon. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Jorge Bermudez, classificou a iniciativa como “momento histórico” que reforça ainda mais o papel da Fundação como instituição estratégica do Estado brasileiro. “Foram meses de trabalho e reuniões para chegarmos a esse estágio. Desde que o medicamento foi aprovado pelo FDA em 2013 houve uma mobilização mundial para garantir o acesso ao produto. Com o acordo damos mais um passo firme nessa direção”, afirmou Bermudez. O preço inicial do medicamento, nos Estados Unidos, foi de US$ 84 mil por tratamento (US$ 1 mil por comprimido), o que praticamente inviabiliza o acesso. Com o desenvolvimento nacional esse preço poderá chegar a um valor estimado pelo Consórcio, como teto, de cerca de U$ 3 mil/tratamento (12 semanas). No entanto, serão feitos esforços para reduzir ainda mais este preço. Cerca de 1,5 milhão de brasileiros têm o vírus da hepatite C. Bermudez lembra que o alto valor inicial causou uma reação mundial, já que a grande maioria dos países não têm como incorporar o medicamento em seus sistemas públicos de saúde. E mesmo os países desenvolvidos têm dificuldades em assimilar preço tão elevado.A empresa que desenvolveu o medicamento fez um acordo com laboratórios indianos para reduzir o preço, que poderá atingir cerca de US$ 840 por tratamento. Mas esse valor só poderá ser aplicado a 91 países de baixa e média renda – conjunto que não inclui o Brasil. Diante desse cenário, e com a meta de baratear o preço do medicamento e assim contribuir com o Ministério da Saúde a atender a demanda do SUS, a Fiocruz iniciou um movimento visando o desenvolvimento nacional do Sofosbuvir 400 mg e desde 2014 vem promovendo reuniões de um grupo de trabalho que inclui empresas do setor farmoquímico e farmacêutico nacional (respectivamente, Microbiológica e Blanver), com o intuito de estabelecer cooperação técnica. Como desdobramento deste esforço coletivo, lotes experimentais do Sofosbuvir (IFA – ingrediente farmacêutico ativo) e da formulação do Sofosbuvir 400 mg já foram obtidos. O cronograma de trabalho reunindo a Fiocruz e o Consórcio prevê o encaminhamento para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do dossiê de registro no segundo semestre de 2016. De acordo com Bermudez, o desenvolvimento do medicamento também abre perspectivas positivas para a criação, no futuro, de novos produtos contra a tríplice epidemia (zika, dengue e chikungunya), já que o vírus da hepatite C é um flavivírus, ou seja, da mesma família. “O Sofosbuvir está para a hepatite C como o AZT esteve para a Aids”, avalia Bermudez. Para o segundo vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Química Fina, Biotecnologia e suas Especialidades (Abifina), Reinaldo Guimarães, “a radicalidade desta novidade representa uma ruptura de paradigma no tratamento da hepatite C. E também mostra que a indústria brasileira é inovadora e capaz”. O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) do Ministério da Saúde, Eduardo Costa, disse que o órgão quer usar esse episódio para impulsionar outras parcerias. Para o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, o acordo feito entre uma instituição pública e empresas nacionais comprovadamente eficientes, como as do consórcio, é mais um esforço para fortalecer o Complexo Econômico Industrial da Saúde (Ceis) e a atuação deste dentro de uma política do Estado brasileiro. “Assim também ampliamos a base produtiva nacional e asseguramos a missão da Fiocruz em atender as demandas da área da saúde”. O diretor-presidente do Consórcio BMK, Jaime Rabi, salientou que a assinatura do acordo com a Fiocruz é um “momento emblemático e que a parceria vai desenvolver um produto estratégico fundamental para a população brasileira”.


Tags:
VOLTAR