Futuro de Lula dependerá de Dilma, avalia petista » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 02-06-2020 » Suposta interferência na PF | PGR apoia pedido de prorrogar por 30 dias inquérito que investiga Bolsonaro 02-06-2020 » Roda Viva | Lobão: 'Golpe está a caminho, e Maia vai ficar devendo de maneira trágica' 02-06-2020 » Ação movida pela Rede | Plenário do STF julga validade do inquérito das fake news em 10 de junho 02-06-2020 » Economia | Governo planeja permitir demissão de até 50% dos funcionários em programa de crédito para empresas 02-06-2020 » Ministro do STF | Celso de Mello rejeita pedido de apreensão de celular de Bolsonaro 02-06-2020 » 'Questões do aço brasileiro' | Bolsonaro conversa com Trump e diz que Brasil deverá integrar G7 expandido 02-06-2020 » Militante de direita | Sara Winter debocha de intimação para depor após ameaças ao STF: 'Não vou' 02-06-2020 » Caso George Floyd | Após uma semana de protestos, Trump mobiliza militares 02-06-2020 » Manifestações pelo Brasil | RJ: jovem negro que ficou sob mira de fuzil em ato é entregador e faz poesia 02-06-2020 » Ao vivo no UOL, hoje (13h) | Especialistas debatem a luta antirracista no Brasil e nos Estados Unidos 02-06-2020 » São Paulo | MP abre inquérito para investigar suposto gabinete do ódio na Alesp 02-06-2020 » Coronavírus no estado | Mortes por covid-19 no RJ crescem 30% em semana anterior à reabertura 02-06-2020 » Luiz Felipe Pondé | Santidade, silêncio e sanidade 02-06-2020 » Ruy Castro | Cinema deixará de ser veículo de fruição coletiva 02-06-2020 » Ronaldo Lemos | Índia resolve invisibilidade com identidade digital 02-06-2020 » Marcus Melo | Hiperprotagonismo do STF não surpreende 02-06-2020 » Alexandre Faisal | Depressão na gravidez ou no pós-parto 02-06-2020 » Juca Kfouri | Manifesto é passo para virarmos o jogo 02-06-2020 » Marcelo Leite | Fogo, última gota sobre a Amazônia 02-06-2020 » Comissão Arns | Armar o povo: atentado contra o Estado
Publicidade
1 de fevereiro de 2016

Futuro de Lula dependerá de Dilma, avalia petista

Foto: Urandi Acontece

Foto: Urandi Acontece

Um aspecto curioso chamou a atenção de pessoas que conversaram com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última semana. Embora tenha entrado na mira da Operação Lava Jato e do Ministério Público Estadual por causa de um apartamento tríplex no Guarujá, Lula só falava de economia, principalmente das expectativas quanto à reunião da presidente Dilma Rousseff com o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, realizada na sexta-feira (29). A alguns destes interlocutores Lula explicou o motivo da fixação com a economia. Ciente dos danos que as suspeitas de envolvimento com empresas investigadas na Lava Jato têm causado à sua imagem, o petista só vê chance de recuperar a reputação em curto ou médio prazo se Dilma corrigir o rumo da economia e chegar ao fim de seu mandato com índices razoáveis de aprovação. Nas palavras de um aliado, “Lula agora está nas mãos da Dilma”. O entorno de Lula avalia que tanto o ex-presidente quanto o PT estão de mãos atadas diante da ofensiva da Lava Jato e do MP paulista contra o petista. A decisão de abrir mão do tríplex no Guarujá seguiu orientações jurídicas e, no entender de assessores do ex-presidente, é absolutamente legal. O PT, por sua vez, não pode fazer mais do que manifestar publicamente solidariedade ao ex-presidente diante do que considera como “agressões”, mas não tem poder real para interferir no processo.Na reunião da Executiva do partido na última terça (26), em Brasília, um grupo de dirigentes defendeu uma resolução política que trouxesse uma defesa explícita de Lula, mas o próprio ex-presidente abriu mão. O desagravo deve ficar para o aniversário do PT, nos dias 26 e 27 de fevereiro, no Rio de Janeiro. Aliados ofereceram a Lula uma série de alternativas de defesa que passavam de alguma forma pelo Palácio do Planalto. Lula recusou. Segundo pessoas próximas, ele sabe que Dilma vê na Lava Jato a possibilidade de deixar uma marca positiva de seu governo e não está disposto a cruzar esta fronteira. Aliados de Lula empenhados em reverter a situação esbarram em outra barreira: tanto o apartamento do Guarujá quanto o sítio usado pelo petista em Atibaia, cuja reforma teria sido paga pela Odebrecht, são assuntos estritamente pessoais, que nada tem a ver com questões partidárias ou governamentais como foi, por exemplo, o mensalão. Isso aumenta a dificuldade para abordar os temas. Apesar da avalanche de acusações, o entorno de Lula mantém a confiança de que, ao cabo das investigações, o petista sairá limpo. Com isso, parte da erosão seria estancada. O mesmo otimismo não se repete quanto ao governo. Lula e boa parte do PT admitem em conversas reservadas que Dilma não “aprendeu a governar” e ainda age como ministra. Por isso a fixação do ex-presidente com a reunião do Conselhão. Para Lula, seria a chance de Dilma para dar uma guinada na política econômica e aproveitar o arrefecimento do pedido de impeachment para tirar o governo do atoleiro e chegar em 2018 em condições de permitir a Lula possibilidades de voltar ao Palácio do Planalto. Em conversa recente, o petista teria dito a Dilma que ela “precisa ser a presidente e não a ministra”. (BN)


VOLTAR