Governo admite que subestimou paralisação e teme convulsão social » Rede Acontece
Últimas
20-01-2019 » Campeonato Paulista | Na Arena, Corinthians marca no último lance e empata com São Caetano 20-01-2019 » Funcionários fantasmas | Assembleias Legislativas de 16 estados são alvo de investigações 20-01-2019 » Campeonato Carioca | Fla sai atrás após falha de R. Caio, mas vira e bate Bangu por 2 a 1 20-01-2019 » Movimentações atípicas | Caso de Flávio Bolsonaro "não tem nada" a ver com governo, diz Mourão 20-01-2019 » Músico morreu aos 53 | Corpo de Marcelo Yuka é enterrado em cemitério no Rio 20-01-2019 » "Podem ser diferentes" | 1º encontro com aliens será chocante, aposta astrofísico de Harvard 20-01-2019 » istambul basaksehir | Com Robinho, time de 'velhinhos' provoca revolução na Turquia 20-01-2019 » Campeonato Gaúcho | Fora de casa, Grêmio goleia Novo Hamburgo por 4 a 0 em sua estreia 20-01-2019 » Campeonato Mineiro | Ricardo Oliveira brilha, marca 3, e Atlético-MG goleia Boa Esporte por 5 a 0 20-01-2019 » Presidente flexibilizou posse | "Estado não está obrigando ninguém a adquirir armas de fogo", diz delegada 20-01-2019 » Carolina Ligabue conhece elite do país | Ela tuitou traições e bastidores de ricos e famosos e viralizou 20-01-2019 » Nutricionista falou no VivaBem Talks | Luta contra efeito sanfona na dieta? Confira essas 5 dicas de Veronica Laino 20-01-2019 » Queloides inflamadas no corpo | "Levei 16 anos para achar solução para as cicatrizes que me abalavam muito" 20-01-2019 » 'Temos uma cota pessoal' | Deputados do PSL montam estratégia contra parlamentares do PT e PSOL 20-01-2019 » Delação premiada | Palocci diz que Lula pediu R$ 30 mi para Delfim e Bumlai em obra de Belo Monte
Publicidade
29 de maio de 2018

Governo admite que subestimou paralisação e teme convulsão social

Foto: Reprodução

O governo já avalia, nos bastidores, que subestimou o potencial da greve dos caminhoneiros e agora tem receio de que o movimento tome uma proporção semelhante à dos protestos de 2013, ressuscitando o “Fora Temer”. Em conversas reservadas, interlocutores de Michel Temer admitem que a paralisação aumentou o desgaste do presidente e há preocupação de que os protestos nas ruas, por causa do desabastecimento, se transformem em uma convulsão social. A portas fechadas, auxiliares de Temer reconhecem que demoraram a perceber a presença de empresários incentivando a continuidade do movimento, o chamado locaute, para obter a redução do preço do óleo diesel. Avaliam, ainda, que também demoraram a identificar o caráter político-partidário de parte dos manifestantes. Acuado, o governo agora teme as consequências da disputa entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). “Temos de colocar menos gasolina e mais diálogo sobre a greve”, disse Maia, ontem, após se reunir com Temer, no Planalto. O deputado fez questão de destacar que a Câmara e o governo têm “visões distintas” sobre a questão tributária. Foi de Maia a proposta aprovada pela Câmara, na semana passada, zerando o PIS/Cofins sobre o diesel. Com cálculos errados nas mãos, ele chegou a dizer que o custo dessa isenção seria de R$ 3,5 bilhões, quando, na realidade, ficaria em aproximadamente R$ 10 bilhões. As articulações de Maia, que é pré-candidato à Presidência, têm irritado cada vez mais o Planalto. Além disso, o governo identificou que simpatizantes do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) se infiltraram na greve dos caminhoneiros. Há também apreensão com a promessa de greve de 72 horas dos petroleiros, anunciada para quarta-feira, 30. No diagnóstico do Planalto, esse movimento tem o apoio do PT e da CUT. “Há movimentos político-partidários que querem agudizar a crise e a população deve estar atenta a isso”, afirmou o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR). “Não dá para fazer disputa eleitoral em um momento como esse. Os petroleiros têm de discutir salário na data-base da categoria. A CUT e o PT, fazendo essa onda, estão prestando um desserviço à sociedade”, emendou o senador. A maior fragilidade de Temer, nos últimos dias, deu palanque à oposição. “O governo não está entendendo o que acontece fora do Planalto. A rua está dizendo que não aguenta mais pagar impostos. Não adianta reduzir preço do diesel. Isso tem de chegar ao preço do gás de cozinha”, afirmou o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). “É inevitável rever a política de preços da Petrobrás. Não acho correto assinarmos um cheque em branco para o governo, votando medidas provisórias sem discussão”, completou o deputado Orlando Silva (PC do B-SP). Além de enfrentar desgaste, o Planalto também contrariou o governador de São Paulo, Márcio França (PSB). No sábado, França propôs um acordo com os caminhoneiros muito parecido com o que Temer anunciou na noite de domingo. Candidato à reeleição ao Bandeirantes, França pediu ao presidente que a negociação fosse feita com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. Temer, no entanto, enviou a São Paulo o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun. O Estado apurou que o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, pré-candidato do MDB ao Bandeirantes, não gostou do protagonismo dado por Temer a França, seu adversário. No domingo, Marun não retornou a São Paulo e o acordo com os caminhoneiros foi anunciado pelo Planalto, sem qualquer crédito para o governador, que ficou aborrecido.


VOLTAR