Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 16-09-2019 » Área de proteção ambiental | Incêndio em Alter do Chão se agrava, e Pará pede ajuda da Força Nacional 16-09-2019 » Em Angra dos Reis (RJ) | Vida de luxo e lancha de R$ 6 mi levaram polícia à prisão de líder do PCC 16-09-2019 » Brasileirão | São Paulo arranca empate no fim contra o CSA no Morumbi 16-09-2019 » Causa não divulgada | Filho de Benito Di Paula morre aos 36 anos de idade no Rio 16-09-2019 » Área de floresta do DF | Bombeira morre eletrocutada ao combater incêndio 16-09-2019 » Tem Frota, Joice e Moro | Com tuíte polêmico, Carlos abre capítulo de brigas da direita 16-09-2019 » Previdência | Policiais recorrem à lei de 1985 para obter aposentadoria mais alta 16-09-2019 » Senador já recorreu | Romário é condenado a pagar R$ 408 mil por dívida de aluguel 16-09-2019 » Em Brasília | Fluminense bate Corinthians por 1 a 0 com frango do goleiro Cássio; veja o gol 16-09-2019 » Grêmio | Renato diz que conversou com André sobre BO por distúrbio 16-09-2019 » Em São Paulo | Moro visita Bolsonaro em hospital e diz que "o homem é forte" 16-09-2019 » Morreu aos 67 anos | Roberto Leal lembrou 'quase morte' em última aparição na TV 15-09-2019 » Ruy Castro | A realização que veio só após se livrar do marido 15-09-2019 » Antônio Prata | Há anos que eu não sei o que concluir disso tudo 15-09-2019 » Siga o copo | Vinho 'salgadinho' guardado no mar chega ao Brasil 15-09-2019 » Renato S. de Lima | Moro adota a tática do "Rei Afogado" 15-09-2019 » PVC | Ganso e Cássio fizeram o que não é normal 15-09-2019 » Mauricio Stycer | 2020 será o ano da guerra global de streaming 15-09-2019 » Vecchioli | "Nosso Pacaembu" deixa de ser municipal 15-09-2019 » Marcos Lisboa | Teto de gastos será atingindo no ano que vem
Publicidade
15 de maio de 2019

Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida

Foto Rede Acontece

Sem dinheiro para manter o Minha Casa Minha Vida, o governo estuda reduzir de 10% para 3% sua participação no subsídio das faixas mais elevadas do programa federal. Segundo a Folha, os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) seriam usados para repor a diferença. A diminuição da participação governamental seria uma forma de destravar o programa e permitir novas contratações. No fim de abril, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou que o governo só teria recursos até junho para o Minha Casa Minha Vida. Pelas regras em vigor, os subsídios vão até R$ 47,5 mil nos imóveis na faixa 1,5, para famílias com renda até R$ 2.600, e até R$ 29 mil na faixa 2, para as que têm renda até R$ 4.000. Na faixa 3, famílias com renda até R$ 9.000 contam com taxas de juros menores que as praticadas em financiamentos com recursos da poupança, o chamado SBPE, e pelo mercado imobiliário. Os subsídios nas faixas 1,5 e 2 vêm do orçamento do FGTS (90%) e do Tesouro Nacional (10%). É a fatia do Tesouro que seria reduzida de 10% para 3%. O objetivo é que a diminuição da fatia ajude a ampliar o número de contratações: com menos necessidade de aporte do governo, mais famílias poderiam ser atendidas no Minha Casa Minha Vida. Ainda conforme a Folha, em 2017, último dado disponível, o lucro do fundo totalizou R$ 12,5 bilhões. Na prática, o fundo passaria a bancar 97% dos subsídios das faixas em que atua. A medida precisa do aval do conselho curador do fundo, que teria sinalizado que concorda com a liberação dos recursos adicionais,

Para 2019, a dotação orçamentária para o programa seria de R$ 4,6 bilhões. A ideia, de acordo com Cury, é que a redução de participação do governo seja temporária, até dezembro. Porém, uma volta ao patamar anterior dependeria de uma melhora da arrecadação. Como 90% do valor do imóvel na faixa 1 é bancado pelo OGU (Orçamento-Geral da União), ela vem sendo a mais penalizada pelos sucessivos contingenciamentos que o governo tem imposto aos ministérios no início deste ano. Luiz Antonio França, presidente da Abrainc (associação das incorporadoras), diz que a medida é importante porque “garante que o programa comece a rodar sem problemas e com previsibilidade até o fim do ano”. A redução da participação do governo não é vista com bons olhos por todos do setor. Para o presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins, a redução é “totalmente despropositada”. Entre as possibilidades em estudo, segundo Matsuda, estão PPPs (Parcerias Público-Privadas) para a faixa 1 e a construção de moradias para aluguel social. Sem dar detalhes, o secretário disse que faixas, metas e valores sofreriam alterações e que o programa mudaria de nome, de acordo com o sindicato. Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que a redução da participação do governo no subsídio está em avaliação. “Equipes técnicas da pasta e do Ministério da Economia estão debruçadas em estudos e analisando os impactos da mudança”, afirma a pasta.


VOLTAR