Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 17-07-2019 » Veja o que se sabe até agora | Bolsonaro confirma liberação de saque de contas ativas do FGTS 17-07-2019 » Se enfrentam hoje na Copa BR | Palmeiras foi importante na reconstrução do Inter; relembre 17-07-2019 » Após fugas dignas de cinema | Traficante mexicano El Chapo é sentenciado a prisão perpétua nos EUA 17-07-2019 » 'A conta vai chegar' | Por que 'previsão' de Andrés sobre Flamengo e Palmeiras não se confirma 17-07-2019 » Cargo de embaixador nos EUA | Oposição avalia que voto secreto ajuda E. Bolsonaro e pede voto aberto 17-07-2019 » Brasil assume presidência | Bolsonaro diz que Mercosul vai ter 'mais ação e menos viés ideológico' 17-07-2019 » Reforma da Previdência | Homem deve fazer 1º pagamento ao INSS antes da reforma para ganhar 5 anos 17-07-2019 » Cristiane Segatto | Você precisa descobrir a importância da transparência na saúde 17-07-2019 » Entrevista na TV | Ela falou que ia fazer, mas não levei fé, diz mãe de blogueira morta 17-07-2019 » FaceApp | Será que você sabe o preço para usar o app de envelhecimento? 17-07-2019 » Veja locais | Próximos shows de Sandy e Junior ganham novo lote de ingressos 17-07-2019 » UOL Vê TV | A 'Trouxa' do Pedaço: Walcyr comete erro com protagonista 17-07-2019 » Análise | La Casa de Papel volta com novo plano e mesma receita 17-07-2019 » Contrariaram o partido | Sem Ciro, PDT suspende Tabata e outros 7 que votaram a favor da Previdência 17-07-2019 » MP da Liberdade Econômica | Segunda fase da reforma trabalhista tramita disfarçada no Congresso 17-07-2019 » Fundo de educação | Weintraub diz que 'mais de 20 instituições' vão aderir à proposta do MEC 17-07-2019 » Caso Queiroz | Rede entrará no STF contra medida de Toffoli que beneficia Flavio Bolsonaro 17-07-2019 » Marcelo Coelho | A guerra contra canudinhos de plástico 17-07-2019 » Tostão | Sampaoli e Jorge Jesus gostam do risco calculado 17-07-2019 » Rodrigo Ratier | Filtro de idoso apavora e também causa repulsa
Publicidade
15 de maio de 2019

Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida

Foto Rede Acontece

Sem dinheiro para manter o Minha Casa Minha Vida, o governo estuda reduzir de 10% para 3% sua participação no subsídio das faixas mais elevadas do programa federal. Segundo a Folha, os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) seriam usados para repor a diferença. A diminuição da participação governamental seria uma forma de destravar o programa e permitir novas contratações. No fim de abril, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou que o governo só teria recursos até junho para o Minha Casa Minha Vida. Pelas regras em vigor, os subsídios vão até R$ 47,5 mil nos imóveis na faixa 1,5, para famílias com renda até R$ 2.600, e até R$ 29 mil na faixa 2, para as que têm renda até R$ 4.000. Na faixa 3, famílias com renda até R$ 9.000 contam com taxas de juros menores que as praticadas em financiamentos com recursos da poupança, o chamado SBPE, e pelo mercado imobiliário. Os subsídios nas faixas 1,5 e 2 vêm do orçamento do FGTS (90%) e do Tesouro Nacional (10%). É a fatia do Tesouro que seria reduzida de 10% para 3%. O objetivo é que a diminuição da fatia ajude a ampliar o número de contratações: com menos necessidade de aporte do governo, mais famílias poderiam ser atendidas no Minha Casa Minha Vida. Ainda conforme a Folha, em 2017, último dado disponível, o lucro do fundo totalizou R$ 12,5 bilhões. Na prática, o fundo passaria a bancar 97% dos subsídios das faixas em que atua. A medida precisa do aval do conselho curador do fundo, que teria sinalizado que concorda com a liberação dos recursos adicionais,

Para 2019, a dotação orçamentária para o programa seria de R$ 4,6 bilhões. A ideia, de acordo com Cury, é que a redução de participação do governo seja temporária, até dezembro. Porém, uma volta ao patamar anterior dependeria de uma melhora da arrecadação. Como 90% do valor do imóvel na faixa 1 é bancado pelo OGU (Orçamento-Geral da União), ela vem sendo a mais penalizada pelos sucessivos contingenciamentos que o governo tem imposto aos ministérios no início deste ano. Luiz Antonio França, presidente da Abrainc (associação das incorporadoras), diz que a medida é importante porque “garante que o programa comece a rodar sem problemas e com previsibilidade até o fim do ano”. A redução da participação do governo não é vista com bons olhos por todos do setor. Para o presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins, a redução é “totalmente despropositada”. Entre as possibilidades em estudo, segundo Matsuda, estão PPPs (Parcerias Público-Privadas) para a faixa 1 e a construção de moradias para aluguel social. Sem dar detalhes, o secretário disse que faixas, metas e valores sofreriam alterações e que o programa mudaria de nome, de acordo com o sindicato. Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que a redução da participação do governo no subsídio está em avaliação. “Equipes técnicas da pasta e do Ministério da Economia estão debruçadas em estudos e analisando os impactos da mudança”, afirma a pasta.


VOLTAR