Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 23-05-2019 » Copa do Brasil | Bahia surpreende, vence SP por 1 a 0 no Morumbi e larga na frente 23-05-2019 » O dia nos esportes | Armero é dispensado, Corinthians freta jato e Fifa define sobre Copa 23-05-2019 » Antes de julgamento | STF tem 'lobby' de evangélicos e LGBTs sobre homofobia 23-05-2019 » Mais Copa do Brasil | Juventude e Grêmio não saem do zero no jogo de ida das oitavas 23-05-2019 » Na Arena da Baixada | Athletico vence River Plate por 1 a 0 no duelo de ida da Recopa 23-05-2019 » Emissora nega | De Faustão a William Bonner, Globo reduzirá salários milionários 23-05-2019 » Loteria | Mega-Sena paga R$ 11,8 mi a aposta única de Aramina (SP) 23-05-2019 » Vai para sanção presidencial | Senado aprova capital estrangeiro em aéreas e volta de bagagem gratuita 23-05-2019 » Reforma administrativa | Câmara tira Coaf de Moro, mas aprova redução de ministérios 23-05-2019 » CCJ da Câmara aprovou | Secretário da Receita diz ver 'com otimismo' avanço de reforma tributária 23-05-2019 » Setor de cosméticos | Natura confirma compra da Avon e cria 4º maior grupo de beleza do mundo 23-05-2019 » Manifestações | 'Dissidentes' do 'Fora Dilma' estão à frente de atos pró-Bolsonaro deste domingo 23-05-2019 » Decreto de armas | Portar fuzil está proibido; Exército tem 60 dias para avaliar permissão de compra 23-05-2019 » Oitavas da Copa do Brasil | Palmeiras reserva bate o Sampaio por 1 a 0 23-05-2019 » Turistas em Santiago | Seis brasileiros morrem no Chile; polícia suspeita de vazamento de gás 23-05-2019 » Painel S/A | Nestlé e Fonterra avaliam venda de joint venture 23-05-2019 » Flávio Ricco | Tadeu Schmidt entrevista irmão Oscar no SporTV 23-05-2019 » Mulherias | Nova Previdência aflige mulheres da periferia 23-05-2019 » Josias de Souza | Medo do asfalto amolece governo e centrão 23-05-2019 » Descomplique | 5 atitudes que te deixam endividado
Publicidade
INTERSORFT 100 MEGA
corretora de seguros
15 de maio de 2019

Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida

Foto Rede Acontece

Sem dinheiro para manter o Minha Casa Minha Vida, o governo estuda reduzir de 10% para 3% sua participação no subsídio das faixas mais elevadas do programa federal. Segundo a Folha, os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) seriam usados para repor a diferença. A diminuição da participação governamental seria uma forma de destravar o programa e permitir novas contratações. No fim de abril, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou que o governo só teria recursos até junho para o Minha Casa Minha Vida. Pelas regras em vigor, os subsídios vão até R$ 47,5 mil nos imóveis na faixa 1,5, para famílias com renda até R$ 2.600, e até R$ 29 mil na faixa 2, para as que têm renda até R$ 4.000. Na faixa 3, famílias com renda até R$ 9.000 contam com taxas de juros menores que as praticadas em financiamentos com recursos da poupança, o chamado SBPE, e pelo mercado imobiliário. Os subsídios nas faixas 1,5 e 2 vêm do orçamento do FGTS (90%) e do Tesouro Nacional (10%). É a fatia do Tesouro que seria reduzida de 10% para 3%. O objetivo é que a diminuição da fatia ajude a ampliar o número de contratações: com menos necessidade de aporte do governo, mais famílias poderiam ser atendidas no Minha Casa Minha Vida. Ainda conforme a Folha, em 2017, último dado disponível, o lucro do fundo totalizou R$ 12,5 bilhões. Na prática, o fundo passaria a bancar 97% dos subsídios das faixas em que atua. A medida precisa do aval do conselho curador do fundo, que teria sinalizado que concorda com a liberação dos recursos adicionais,

Para 2019, a dotação orçamentária para o programa seria de R$ 4,6 bilhões. A ideia, de acordo com Cury, é que a redução de participação do governo seja temporária, até dezembro. Porém, uma volta ao patamar anterior dependeria de uma melhora da arrecadação. Como 90% do valor do imóvel na faixa 1 é bancado pelo OGU (Orçamento-Geral da União), ela vem sendo a mais penalizada pelos sucessivos contingenciamentos que o governo tem imposto aos ministérios no início deste ano. Luiz Antonio França, presidente da Abrainc (associação das incorporadoras), diz que a medida é importante porque “garante que o programa comece a rodar sem problemas e com previsibilidade até o fim do ano”. A redução da participação do governo não é vista com bons olhos por todos do setor. Para o presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins, a redução é “totalmente despropositada”. Entre as possibilidades em estudo, segundo Matsuda, estão PPPs (Parcerias Público-Privadas) para a faixa 1 e a construção de moradias para aluguel social. Sem dar detalhes, o secretário disse que faixas, metas e valores sofreriam alterações e que o programa mudaria de nome, de acordo com o sindicato. Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que a redução da participação do governo no subsídio está em avaliação. “Equipes técnicas da pasta e do Ministério da Economia estão debruçadas em estudos e analisando os impactos da mudança”, afirma a pasta.


VOLTAR