Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida » Rede Acontece
Últimas
>>> Ouça a Web Rádio Acontece <<< 02-06-2020 » Suposta interferência na PF | PGR apoia pedido de prorrogar por 30 dias inquérito que investiga Bolsonaro 02-06-2020 » Roda Viva | Lobão: 'Golpe está a caminho, e Maia vai ficar devendo de maneira trágica' 02-06-2020 » Ação movida pela Rede | Plenário do STF julga validade do inquérito das fake news em 10 de junho 02-06-2020 » Economia | Governo planeja permitir demissão de até 50% dos funcionários em programa de crédito para empresas 02-06-2020 » Ministro do STF | Celso de Mello rejeita pedido de apreensão de celular de Bolsonaro 02-06-2020 » 'Questões do aço brasileiro' | Bolsonaro conversa com Trump e diz que Brasil deverá integrar G7 expandido 02-06-2020 » Militante de direita | Sara Winter debocha de intimação para depor após ameaças ao STF: 'Não vou' 02-06-2020 » Caso George Floyd | Após uma semana de protestos, Trump mobiliza militares 02-06-2020 » Manifestações pelo Brasil | RJ: jovem negro que ficou sob mira de fuzil em ato é entregador e faz poesia 02-06-2020 » Ao vivo no UOL, hoje (13h) | Especialistas debatem a luta antirracista no Brasil e nos Estados Unidos 02-06-2020 » São Paulo | MP abre inquérito para investigar suposto gabinete do ódio na Alesp 02-06-2020 » Coronavírus no estado | Mortes por covid-19 no RJ crescem 30% em semana anterior à reabertura 02-06-2020 » Luiz Felipe Pondé | Santidade, silêncio e sanidade 02-06-2020 » Ruy Castro | Cinema deixará de ser veículo de fruição coletiva 02-06-2020 » Ronaldo Lemos | Índia resolve invisibilidade com identidade digital 02-06-2020 » Marcus Melo | Hiperprotagonismo do STF não surpreende 02-06-2020 » Alexandre Faisal | Depressão na gravidez ou no pós-parto 02-06-2020 » Juca Kfouri | Manifesto é passo para virarmos o jogo 02-06-2020 » Marcelo Leite | Fogo, última gota sobre a Amazônia 02-06-2020 » Comissão Arns | Armar o povo: atentado contra o Estado
Publicidade
15 de maio de 2019

Governo quer mais recursos do FGTS para fechar conta do Minha Casa Minha Vida

Foto Rede Acontece

Sem dinheiro para manter o Minha Casa Minha Vida, o governo estuda reduzir de 10% para 3% sua participação no subsídio das faixas mais elevadas do programa federal. Segundo a Folha, os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) seriam usados para repor a diferença. A diminuição da participação governamental seria uma forma de destravar o programa e permitir novas contratações. No fim de abril, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou que o governo só teria recursos até junho para o Minha Casa Minha Vida. Pelas regras em vigor, os subsídios vão até R$ 47,5 mil nos imóveis na faixa 1,5, para famílias com renda até R$ 2.600, e até R$ 29 mil na faixa 2, para as que têm renda até R$ 4.000. Na faixa 3, famílias com renda até R$ 9.000 contam com taxas de juros menores que as praticadas em financiamentos com recursos da poupança, o chamado SBPE, e pelo mercado imobiliário. Os subsídios nas faixas 1,5 e 2 vêm do orçamento do FGTS (90%) e do Tesouro Nacional (10%). É a fatia do Tesouro que seria reduzida de 10% para 3%. O objetivo é que a diminuição da fatia ajude a ampliar o número de contratações: com menos necessidade de aporte do governo, mais famílias poderiam ser atendidas no Minha Casa Minha Vida. Ainda conforme a Folha, em 2017, último dado disponível, o lucro do fundo totalizou R$ 12,5 bilhões. Na prática, o fundo passaria a bancar 97% dos subsídios das faixas em que atua. A medida precisa do aval do conselho curador do fundo, que teria sinalizado que concorda com a liberação dos recursos adicionais,

Para 2019, a dotação orçamentária para o programa seria de R$ 4,6 bilhões. A ideia, de acordo com Cury, é que a redução de participação do governo seja temporária, até dezembro. Porém, uma volta ao patamar anterior dependeria de uma melhora da arrecadação. Como 90% do valor do imóvel na faixa 1 é bancado pelo OGU (Orçamento-Geral da União), ela vem sendo a mais penalizada pelos sucessivos contingenciamentos que o governo tem imposto aos ministérios no início deste ano. Luiz Antonio França, presidente da Abrainc (associação das incorporadoras), diz que a medida é importante porque “garante que o programa comece a rodar sem problemas e com previsibilidade até o fim do ano”. A redução da participação do governo não é vista com bons olhos por todos do setor. Para o presidente da Cbic (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), José Carlos Martins, a redução é “totalmente despropositada”. Entre as possibilidades em estudo, segundo Matsuda, estão PPPs (Parcerias Público-Privadas) para a faixa 1 e a construção de moradias para aluguel social. Sem dar detalhes, o secretário disse que faixas, metas e valores sofreriam alterações e que o programa mudaria de nome, de acordo com o sindicato. Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional afirmou que a redução da participação do governo no subsídio está em avaliação. “Equipes técnicas da pasta e do Ministério da Economia estão debruçadas em estudos e analisando os impactos da mudança”, afirma a pasta.


VOLTAR